Banca de DEFESA: SUZANA MELISSA DE MOURA MAFRA DA SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SUZANA MELISSA DE MOURA MAFRA DA SILVA
DATA : 18/12/2023
HORA: 15:00
LOCAL: VIDEOCONFERÊNCIA (link a ser informado no Forum do Sigaa)
TÍTULO:

EFEITOS SOCIOAMBIENTAIS DO SISTEMA DE PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA EÓLICA À LUZ DO DESENVOLVIMENTO À ESCALA HUMANA


PALAVRAS-CHAVES:

Energia Eólica. Desenvolvimento à Escala Humana. Gestão Social. Colônias de Pescadores.


PÁGINAS: 130
RESUMO:

A energia eólica figura entre fontes energéticas alternativas e sustentáveis, e sua produção e comercialização são associadas à promoção do desenvolvimento. Essa compreensão - seja no sentido mercadológico ou sustentável - é problematizada neste estudo, que tem como objetivo analisar consequências do sistema de produção e distribuição de energia eólica à luz de categorias analíticas do DEH de Max-Neef, Elizalde e Hopenhayn, tomando como ambiente empírico experiências compartilhadas por membros de colônias de pescadores no Rio Grande do Norte, em Enxu Queimado e Rio do Fogo. A tese está organizada em três artigos, sendo o primeiro uma revisão integrativa da produção acadêmica brasileira em energia eólica nas Ciências Humanas e Sociais Aplicadas; o segundo, a sistematização de aplicações do modelo de DEH para a construção de subsídios para a pesquisa em energia eólica; e o terceiro, a elaboração de quadro teórico-empírico do DEH associado ao sistema de produção e distribuição de energia eólica a partir do prisma da Gestão Social, o que ocorre pela via da pesquisa empírica junto a coletivos, a organizações públicas e privadas. O primeiro artigo identificou três vertentes das produções sobre energia eólica nas ciências humanas e sociais aplicadas: técnico-econômica, político-institucional e crítica. O foco de atenção da Administração tem se dado majoritariamente na análise técnico-econômica da produção. O segundo artigo apresentou possibilidades para o uso do DEH na pesquisa acerca da energia eólica a parir da aproximação com a Gestão Social e da possibilidade do uso de metodologias participativas que tragam ao centro da temática o discurso da sociedade civil no relacionamento com esse processo produtivo. O terceiro artigo identificou que os efeitos da produção eólica incidem sobre todas as necessidades humanas fundamentais de participantes das colônias de pescadores, o que se manifesta na expectativa em torno das promessas de desenvolvimento, na ausência de mecanismos acessíveis e efetivos de participação, na perda de espaços (e da biodiversidade destes), nos receios em torno da assimetria do processo comunicativo e nas dúvidas relacionadas à produção eólica no mar. Os achados verificam a tese de que a perspectiva de desenvolvimento ocorre não sob a dinâmica da escala humana, mas numa tecitura de ausências, o que reproduz epistemologias dominantes que, privilegiando a perspectiva desenvolvimentista e economicista da produção eólica, criam silenciamentos acerca das condições de produção e vida das comunidades impactadas por essa produção. A metodologia participativa realizada nesta pesquisa possibilitou a apresentação, pelos coletivos, de mecanismos que possibilitam melhor convivência da produção eólica nas comunidades.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - LILIANE CRISTINE SCHLEMER ALCANTARA - UFMT
Interna - 1149369 - ANATALIA SARAIVA MARTINS RAMOS
Externo à Instituição - GUILHERME SMANIOTTO TRES
Externo ao Programa - 1149626 - MAURO LEMUEL DE OLIVEIRA ALEXANDRE - nullPresidente - 1169358 - WASHINGTON JOSE DE SOUSA
Notícia cadastrada em: 07/12/2023 18:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao