Banca de DEFESA: MARIA ALDECY RODRIGUES DE LIMA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA ALDECY RODRIGUES DE LIMA
DATA: 28/02/2012
HORA: 09:00
LOCAL: A DEFINIR
TÍTULO:

FORMAÇÃO E VIVÊNCIAS: A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DO SER PROFESSOR EM COMUNIDADES RIBEIRINHAS DO VALE DO JURUÁ – ACRE


PALAVRAS-CHAVES:

Representações sociais. Formação de professores. Comunidades ribeirinhas. 


PÁGINAS: 199
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: Educação
RESUMO:

Ser professor constitui uma tarefa desafiadora, propulsora de estratégias de ação que mobilizam dimensões técnicas do ser/fazer docente, mas também do afeto. Esta pesquisa foi realizada junto a professores/alunos do Programa Especial de Formação de Professores da Educação Básica – zona rural (PROFIR) desenvolvido pela Universidade Federal do Acre em parceria com a Secretaria de Estado de Educação (SEE) e prefeituras da região; lócus tipicamente amazônico e que, nesta pesquisa, compreende cinco municípios do Vale do Juruá – Acre. Norte do Brasil. Tem como objetivo apreender a representação social do ser professor em comunidades ribeirinhas. Realizamos este estudo à luz da Teoria das Representações Sociais (MOSCOVICI, 1978, 1990, 2003, 2005, 2009, 2011; JODELET, 2001), das discussões sobre a formação de professores (LDB nº 9.394 de 1996). Trabalhamos, dentre outros, com (TARDIF, 2004, 2007), (NÓVOA, 1992, 1999), (ARROYO, 2007). Utilizamos, como estratégia metodológica, o Procedimento de Classificações Múltiplas (PCM), que se organiza em duas etapas: Classificação Livre e Classificação Dirigida; bem como a entrevista semiestruturada, envolvendo, assim, 137 professores pesquisados. Para a análise dos dados, recorremos ao software SPSS, for Windows versão 13.0, mapeando os elementos do conteúdo representacional, através de Análises Multidimensionais (MSA e SSA). Das diferentes estratégias de análise, identificamos, a partir da Classificação Livre, as regionalizações: Além floresta; Atributos da docência e Atributos mobilizados. Já com os dados da Classificação Dirigida, a análise foi feita com base na Teoria da Facetas (BILSKY, 2003) e (BUSCHINI, 2005) e encontramos: Referência de professor; Dimensão negativa e Atributos afetivos e técnicos. Por fim, com a Análise de Conteúdo (BARDIN, 2004) e (FRANCO, 2005) das entrevistas emergem as categorias: Relação urbano versus rural, Saberes em construção e Apostas possíveis. As experiências vivenciadas às margens dos rios, ouvidas nessas diferentes estratégias metodológicas e de análise, evidenciam a existência de elementos simbólicos e representacionais que influenciam e norteiam as condutas e as ações educacionais desses professores e que estão fortemente ancoradas e objetivadas em elementos técnicos e afetivos do fazer docente. Vivenciam cotidianamente a concretude do realismo amazônico redesenhando o real e o simbólico como forma de se compreender professor na adversidade desse contexto. Observamos, também, as marcas históricas, sociais e culturais locais, emoldurando, assim, a personalidade coletiva e gerando seus guias de ação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 4197701 - ERIKA DOS REIS GUSMAO ANDRADE
Interno - 1451196 - ANDRE FERRER PINTO MARTINS
Interno - 1149390 - JOAO MARIA VALENCA DE ANDRADE
Interno - 349752 - ROSALIA DE FATIMA E SILVA
Externo à Instituição - MARIA ELIETE SANTIAGO - UFPE
Externo à Instituição - WILMA DE NAZARÉ BAÍA COELHO - UFPA
Notícia cadastrada em: 14/02/2012 17:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao