Banca de DEFESA: RAENIA SUELE ARAUJO DE LIMA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAENIA SUELE ARAUJO DE LIMA
DATA : 24/07/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Plataforma de webconferência (online)
TÍTULO:

O PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DE UMA ALUNA COM CEGUEIRA NA REGIÃO DO SERIDÓ POTIGUAR/RN


PALAVRAS-CHAVES:

Práticas Pedagógicas. Inclusão Escolar. Cegueira congênita. Relação professor e alunos.


PÁGINAS: 139
RESUMO:

O presente trabalho, parte da relevância de reflexão sobre as Práticas Pedagógicas no atendimento a alunos com cegueira, na classe regular. Tal reflexão, apoia-se nos pressupostos da Educação Inclusiva, em que todos os educandos têm o direito de estarem juntos, convivendo, aprendendo e se desenvolvendo, tendo suas necessidades educativas supridas. Dessa forma, buscamos responder ao seguinte questionamento: Como ocorrem e em que se fundamentam as práticas pedagógicas e as relações estabelecidas em uma sala de aula dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, em um município do Seridó Potiguar, quando da presença de uma aluna cega em sala de aula? Para responder a esta indagação, traçamos como objetivo geral: Analisar a prática pedagógica, seus fundamentos e as relações estabelecidas em uma sala de aula dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, com matrícula de uma aluna cega. E, como objetivos específicos: descrever as práticas pedagógicas desenvolvidas em sala de aula dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, quando da presença de uma aluna com cegueira; identificar os fundamentos de base das práticas pedagógicas desenvolvidas em sala de aula; e verificar como ocorrem as relações estabelecidas entre a professora, a aluna cega e entre esta e seus pares. No tocante aos aspectos teóricos e metodológicos, optamos pela abordagem qualitativa (BOGDAN; BIKLEN,1994), do tipo exploratória e descritiva (GIL, 2002), aplicada por meio de um estudo de campo (GIL, 2002). Também utilizamos de outros procedimentos básicos como: a pesquisa bibliográfica ou de fontes secundárias (LAKATOS; MARCONI, 1992), e documental, selecionando autores que discutem e aprofundam nosso tema de pesquisa, tais como: Ainscow (2009); Vigotski (2019); Perrenoud (2001); Zabala (2014), Freire (2011; 2013), Mantoan (2003); Silva L. G. (2014; 2017). A empiria se deu em uma classe regular do primeiro ano dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, de uma escola pública da rede municipal do Seridó Potiguar, onde realizamos observação simples (GIL, 2008) das Práticas Pedagógicas da professora titular, com quem aplicamos uma entrevista semiestruturada (LÜDKE; ANDRÉ, 2018) e a técnica sociométrica (VAYER; RONCIN, 1990), estendida aos alunos da turma pesquisada. Os dados foram registrados em diário de campo, fotografias e gravador de voz. A análise e interpretação dos dados considerou a Análise de Conteúdo (BARDIN, 1977) e as ideias de autores da área. Os resultados evidenciam que as Práticas Pedagógicas da professora participante possuem aspectos que vão ao encontro da abordagem sociocultural e aos princípios da escola inclusiva, enquanto outros vão de encontro ou estão em transição, devido a não formação específica da professora em relação ao processo de aquisição do conhecimento por estudantes em condição de cegueira, que lhe permita prever e prover os materiais, métodos e estratégias pedagógicas que considerasse os sentidos remanescentes para mediar o ensino junto a aluna com cegueira. Portanto, consideramos que o processo de inclusão escolar da aluna com cegueira na região do Seridó Potiguar/RN é realizado via prática pedagógica em construção, pois transita entre aspectos que condizem aos princípios da educação inclusiva e aos da abordagem sociocultural, a qual consideramos e elegemos como uma das que mais se aproximam dos princípios do paradigma da inclusão. Embora no período da observação as relações estabelecidas entre a professora e a aluna com cegueira tenham se pautado na cortesia, no cuidado e atenção, não identificamos o chamamento da professora para a aluna participar em atividades de leitura e comemorações escolares, por exemplo, o que se confirmou na aplicação do Sociograma. Já a relação entre os alunos, a aluna com cegueira fica de fora quando a questão é fazer atividades em grupo, necessitando intervenção da professora.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 3144003 - GESSICA FABIELY FONSECA
Externa à Instituição - LISIE MARLENE DA SILVEIRA MELO MARTINS - UFPB
Presidente - ***.344.724-** - LUZIA GUACIRA DOS SANTOS SILVA - UFRN
Interna - 1756133 - RITA DE CASSIA BARBOSA PAIVA MAGALHAES
Externa à Instituição - TÂNIA MARIA GORETTI DONATO BAZANTE - UFPE
Notícia cadastrada em: 14/07/2023 12:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao