Banca de DEFESA: MARLIANE PORFIRIO DA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARLIANE PORFIRIO DA SILVA
DATA : 27/07/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório 1 do NEPSA II
TÍTULO:

A REPRESENTAÇÃO DA EDUCAÇÃO FEMININA NO JORNAL BRADO CONSERVADOR – ASSÚ (RN) 1876-1881


PALAVRAS-CHAVES:

História da Educação; Educação Feminina; Impresso.


PÁGINAS: 102
RESUMO:

Este trabalho se insere na área de interesse da História da Educação, com ênfase na representação da educação feminina, por meio do jornal da cidade de Assú (RN), Brado Conservador (1876-1881), esse recorte temporal foi escolhido, por identificarmos a lacuna existente na historiografia norte-rio-grandense, no que se refere a educação feminina no século XIX. Compreendemos que os jornais se constituem, durante o período oitocentista, como uma ferramenta fundamental na divulgação e propagação rápida de ideias, e assim conseguem ganhar mais espaço perante a sociedade. O impresso se expande nesse período atuando de forma pedagógica como um potente formador de opinião pública. Com auxílio dos textos de Barros (2005), Lucca (2008), Capelato (1988), realizamos uma análise de como realizar uma investigação em educação por meio do impresso, sabendo-se que o periódico não é uma fonte neutra, buscando-se sempre partir de um olhar reflexivo e crítico, levando em consideração aspectos fundamentais que formam o jornal. Para o desenvolvimento da investigação desta pesquisa, utilizamos a Hemeroteca Digital, que nos forneceu fontes necessárias para que pudéssemos desenvolver nossa discussão em torno das representações da educação feminina, que eram propagadas pelo jornal Brado Conservador. Deste modo, essa pesquisa tem como objetivo identificar como os espaços sociais, políticos e religiosos determinavam as representações criadas em torno da educação feminina. Analisando o impresso como fonte histórica sobre a educação da mulher no oitocentos e compreender, por meio de leituras sobre o viés das representações, de Chartier (2002), como o jornal serviu de influência na manutenção de ideais conservadores da época sobre a representação da educação feminina. Para o desenvolvimento desta investigação utilizamos de suporte teórico-metodológico, da Nova História Cultural, que nos permitiu a compreensão da história dos cidadãos comuns e a caminhar por outros olhares que representam a sociedade oitocentista. Para fundamentar as discussões acerca da história das mulheres, recorri aos escritos de Morais (1996;2002), Perrot (2005; 2007; 1998; 2017) e Del Priore (2004; 2016; 2020), que contribuíram para a compreensão e problematização em torno da educação feminina, de forma socioeducativa, dentre seus limites e possibilidades.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 2482088 - CRISLANE BARBOSA DE AZEVEDO
Externo à Instituição - IRAN DE MARIA LEITAO NUNES - UFMA
Presidente - 1181646 - KILZA FERNANDA MOREIRA DE VIVEIROS
Interna - ***.088.424-** - MARLUCIA MENEZES DE PAIVA - UFRN
Externa à Instituição - SARA RAPHAELA MACHADO DE AMORIM - UERN
Notícia cadastrada em: 13/07/2023 10:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao