Banca de QUALIFICAÇÃO: BÁRBARA FERREIRA RAPOZO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BÁRBARA FERREIRA RAPOZO
DATA : 23/08/2023
HORA: 08:00
LOCAL: videoconferência https://www.youtube.com/@ppggufrn
TÍTULO:

Evolução tectono-estratigráfica da seção cretácea na Bacia de Barreirinhas, Margem Equatorial Brasileira


PALAVRAS-CHAVES:

Riftes; Zona de Fratura Romanche; Bacia de Barreirinhas; Transtensão; Cretáceo Inferior; Break-up.


PÁGINAS: 40
RESUMO:

Nos últimos anos, as bacias da Margem Equatorial Brasileira (MEB) vêm sendo alvo de estudos motivados pelas descobertas de acumulações de hidrocarbonetos nas bacias da contraparte africana, representando uma nova fronteira exploratória. Neste contexto, o presente estudo está focado no intervalo cretáceo da bacia de Barreirinhas, no mapeamento da seção sedimentar relacionada à implementação do rifte e na passagem dos estágios rifte ao pós-rifte. O reconhecimento e mapeamento das principais discordâncias e a análise segundo o viés da estratigrafia de sequências, visando compreender a contemporaneidade e a relação entre a tectônica e os sistemas deposicionais contribuem não só para o reconhecimento dos elementos relacionados aos sistemas petrolíferos, mas também à predição da ocorrência destas feições. Além disso, a análise geométrica das estruturas, a localização de depocentros, bem como a caracterização da deformação associada também constituem abordagens essenciais à interpretação da evolução de bacias sedimentares e sua avaliação exploratória. Para isso, foram interpretadas seções sísmicas (2D) com um viés estratigráfico e estrutural. Uma etapa prévia de tratamento dos dados, aplicação de filtros e cálculo de atributos foi necessária para aumentar a razão sinal/ruído e realçar feições com significado geológico. Às seções sísmicas foram amarrados poços através de checkshots ou sismogramas sintéticos (a depender da disponibilidade dos perfis sônicos e densidade) e as principais discordâncias com expressão sísmica foram mapeadas. Apesar da escassez de dados sísmicos na porção onshore da bacia de Barreirinhas, a densidade de poços neste setor da bacia permitiu a confecção de mapas de isópacas, a partir dos marcadores cronoestratigráficos, e mapas de contorno estrutural para as principais discordâncias da carta estratigráfica. Estruturalmente complexa, a Bacia de Barreirinhas constitui um exemplo de bacia transtensional rômbica, cujo arcabouço estrutural é diretamente influenciado pela Zona de Fratura Romanche (ZFR), imprimindo na mesma bacia, estruturas relacionadas a regimes trantensionais, majoritariamente, e transpressionais de maneira subordinada. No arcabouço mapeado nas seções sísmicas, à sul da ZFR ocorrem feições como semi-grabens, horsts, blocos rotacionados, falhas lístricas e estruturas em flor negativas, sugerindo a predominância de um regime transtensional. A evolução dos depocentros instalados na porção onshore da bacia, também pode ser observada nos mapas de isópacas, onde estão acumuladas as maiores espessuras sedimentares. À medida em que se aproxima da ZFR, próximo à quebra da plataforma, fica evidente um aumento na intensidade de deformação pelo aumento na densidade das falhas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149363 - VALERIA CENTURION CORDOBA
Interno - ***.901.818-** - YOE ALAIN REYES PEREZ - UFRN
Externo ao Programa - 1755591 - CARLOS CESAR NASCIMENTO DA SILVA - UFRNExterna ao Programa - 1884342 - DEBORA DO CARMO SOUSA - UFRN
Notícia cadastrada em: 07/08/2023 15:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao