Banca de DEFESA: RICARDO DE SOUZA RODRIGUES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RICARDO DE SOUZA RODRIGUES
DATA : 14/12/2022
HORA: 08:00
LOCAL: videoconferência https://youtu.be/sCpbuzwrxQ4
TÍTULO:

Evolução tectônica do segmento extremo leste da Margem Equatorial Brasileira: contribuição do mapeamento estrutural (onshore) e da modelagem física


PALAVRAS-CHAVES:

Deformação frágil; Margens transformantes; Margem Equatorial; Modelagem Física.



PÁGINAS: 267
RESUMO:

A descoberta nas últimas décadas de províncias de hidrocarbonetos associadas a margem transformante Atlântica Equatorial gerou um crescente interesse em melhor entender a evolução dessa margem, sendo considerada uma nova fronteira exploratória. Os modelos geodinâmicos consolidados na literatura têm suas intepretações predominantemente com base na análise de dados indiretos. No presente trabalho, investigou-se a evolução pré- a sin-desenvolvimento da margem equatorial brasileira (MEB), a partir da aplicação da ferramenta modelagem estrutural física, e da análise multiescalar do registro da deformação frágil presente no embasamento cristalino onshore das bacias Potiguar e Ceará. Os dados da modelagem evidenciam que um regime cinemático dominantemente oblíquo (α = 20º) atuou durante o rifteamento dessa margem, resultando na formação de depocentros oblíquos e pull-apart diacrônicos. No segmento extremo leste da MEB têm-se evidências da superposição de eventos deformacionais frágeis relacionados a pré- e sin-estruturação dessa margem. O evento mais antigo (D1, Tardi-brasiliano) expressa uma transpressão dextral NE-SW intraplaca associado a exumação progressiva da cadeia orogênica brasiliana-panafricana. O evento D2 (Neojurássico ao Aptiano) assinala um paleocampo distensional NW-SE compatível ao atuante durante a formação da Margem Leste brasileira. O evento D3 (Aptiano), início da instalação da proto-margem equatorial, possui uma cinemática transtrativa dextral E-W. O evento mais jovem (D4) exibe um campo distensional E-W e compressional N-S. Esse evento pode ser interpretado como relacionado a rotação e drift entre as placas tectônicas pós-Aptiano. Anisotropias prévias, a exemplo do Lineamento Transbrasiliano (LTB), podem controlar a nucleação e estruturação de bacias sedimentares. O papel desempenhado pelo LTB na estruturação da MEB, entretanto, ainda é pouco entendido. Assim, os dados oriundos da modelagem física indicam que o LTB foi reativado durante o desenvolvimento da MEB, controlando a estruturação, configuração e partição da deformação entre as sub-bacias que compõem a Bacia Ceará.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1217847 - FERNANDO CESAR ALVES DA SILVA
Externo à Instituição - ANDRÉ DANDERFER FILHO - UFOP
Externo à Instituição - BARBARA TRZASKOS - UFPR
Externo à Instituição - MARIO NETO CAVALCANTI DE ARAÚJO - PETROBRAS
Externo à Instituição - NOBERTO MORALES - UNESP
Notícia cadastrada em: 13/12/2022 15:16
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao