Banca de QUALIFICAÇÃO: LUANNA CELLY SILVA DE AZEVEDO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUANNA CELLY SILVA DE AZEVEDO
DATA : 14/12/2022
HORA: 14:30
LOCAL: videoconferência https://www.youtube.com/c/PPGGUFRNTransmiss%C3%A3odeBancas
TÍTULO:

PRODUÇÃO DE CALOR RADIOGÊNICO E SUSCEPTIBILIDADE MAGNÉTICA DE GRANITOS EDIACARANOS DO EXTREMO NORDESTE DA PROVÍNCIA BORBOREMA


PALAVRAS-CHAVES:

Calor Radiogênico; Susceptibilidade Magnética; Litoquímica; Petrofísica; Plutonismo.


PÁGINAS: 73
RESUMO:

Os Domínios Rio Piranhas-Seridó (DPS) e São José do Campestre (DJC), no extremo mais setentrional da Província Borborema são marcados por um volumoso magmatismo plutônico de idade ediacarana-cambriana. Esse magmatismo deu origem a dezenas de batólitos, stocks e plutons de características petrográficas e geoquímicas contrastantes. Diversos trabalhos vêm sendo feitos com o objetivo de caracterizar esse magmatismo, mas ainda há ausência de uma análise desses granitoides à luz de seus parâmetros petrofísicos e da produção de calor radiogênico. O presente trabalho compara, do ponto de vista litoquímico, da produção de calor radiogênico (A) e da susceptibilidade magnética (K), granitos dos domínios DPS e DJC. As rochas estudadas incluem desde quartzo dioritos, granodioritos até granitos e quartzo sienitos com biotita ± hornblenda como máficos principais, de caráter metaluminoso a peraluminoso e assinaturas cálcio-alcalinas a alcalinas. Os granitoides de ambos os domínios são classificados como granitos de baixa produção de calor (LHP) e média produção de calor (MHP), com valores de A entre 0,51 – 4,82 µW/m3 no DJC e 0,66 – 4,92 µW/m3 no DPS. A contribuição do Th para os valores de A é dominante para ambos os domínios, seguido por U e K no DJC, e por K e U no DPS. Os valores de A correlacionam-se positivamente com os conteúdos modais de quartzo e os teores (% peso) de SiO2 e álcalis totais e negativamente com os conteúdos de minerais máficos e os teores de TiO2, FeOT, MgO, CaO e P2O5. Os granitoides do DJC exibem valores de K entre 0,95 – 32,6 x 10-3 SI (média de 5,08 x 10-3), enquanto aqueles no DPS registram K entre 0,2 – 16,2 x 10-3 SI (média de 3,93 x 10-3). Não há correlações significativas entre K e a composição química das rochas estudadas. Por outro lado, maiores conteúdos modais de minerais opacos (e em menor proporção plagioclásio e máficos) estão associados com valores mais altos de K.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - SUZE NEI PEREIRA GUIMARÃES - ON/MCT
Presidente - 2042352 - FREDERICO CASTRO JOBIM VILALVA
Interno - 1513243 - MARCOS ANTONIO LEITE DO NASCIMENTO
Notícia cadastrada em: 29/11/2022 16:07
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao