Banca de DEFESA: GILBERTO DA SILVA LEITE NETO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GILBERTO DA SILVA LEITE NETO
DATA : 02/12/2019
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do departamento de geofísica
TÍTULO:

Modelagem Numérica de Esforços no Nordeste do Brasil


PALAVRAS-CHAVES:

Esforços Flexurais; Modelagem Numérica de Esforços; Superposição de Esforços; Esforços no Nordeste do Brasil; Reativação da Zona de Cisalhamento Pernambuco.


PÁGINAS: 147
RESUMO:

Nesta dissertação, modelamos a contribuição dos esforços gerados pela topografia e heterogeneidades de densidade no campo de esforços do NE do Brasil, e a interação entre estes e os esforços regionais. Nosso modelo consiste em uma placa elástica subdividida em camadas horizontais (a litosfera) que flutua sobre um fluido não-viscoso (a astenosfera), onde a carga superficial é gerada pela topografia e batimetria, e as cargas internas são calculadas por meio das anomalias Bouguer. Os esforços flexurais desviatórios são calculados no domínio de Fourier. Nossos resultados apresentaram esforços flexurais locais com magnitudes comparáveis às dos esforços tectônicos de escala de placa, e, principalmente, controlados pelas anomalias Bouguer de longo comprimento de onda. Cenários para o campo de esforços total foram calculados superpondo diferentes valores para uma compressão regional orientada E-W. Previmos as orientações dos eixos de esforços e o regime de esforços para a margem equatorial e para a região da Zona de Cisalhamento Pernambuco (PESZ, Pernambuco Shear Zone), embora ressaltamos a importância dos spreading stresses, não considerados no presente trabalho, na rotação das previsões de compressão horizontal máxima (SHmax). A previsão do regime de esforços e orientação dos eixos de esforços na PESZ usando valores baixos a nulos de compressão regional sugere que um desacoplamento dos esforços mais rasos dos de escala de placa pode ocorrer nessa região. Outra possível explicação obtida foi que os spreading stresses podem estar contrabalanceando os esforços regionais. Concluimos que a superposição de, principalmente, esforços flexurais e de escala de placa explica razoavelmente os regimes de esforços e orientações de SHmax observados em grande parte do NE do Brasil. Além disso, esforços flexurais estão desempenhando um papel importante na reativação da PESZ, possivelmente controlando o campo de esforços.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1315614 - DAVID LOPES DE CASTRO
Externo à Instituição - HELENO CARLOS DE LIMA NETO - UnP
Presidente - 583.103.478-04 - JOAQUIM MENDES FERREIRA - UFRN
Notícia cadastrada em: 12/11/2019 16:41
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao