Banca de QUALIFICAÇÃO: ÚRSULA MARTIN DAMASCENO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ÚRSULA MARTIN DAMASCENO
DATA : 16/06/2019
HORA: 08:00
LOCAL: Sala 1 do PPGG
TÍTULO:

FISIOGRAFIA DA MARGEM CONTINENTAL DO RN E INTERAÇÕES COM AS CORRENTES DE CONTORNO DO OESTE


PALAVRAS-CHAVES:

Talude continental; Margem Equatorial; correntes de contorno do oeste; vórtices


PÁGINAS: 27
RESUMO:

As correntes de contorno do oeste (CCOs) afetam a circulação oceânica e o clima global e produzem impacto localizado ao longo de suas interações com as margens de baixas latitudes das bacias oceânicas. Este estudo analisa a resposta da interação entre as CCOs e a margem sul-americana, particularmente no Rio Grande do Norte (RN), com base na fisiografia da margem, medidas de correntes in situ e uma simulação numérica utilizando o modelo ROMS. Os dados de relevo batimétrico foram modelados em ambiente GIS e integrados à simulação das correntes utilizando rotinas em Matlab, posteriormente validados com os dados in situ. Os contornos da simulação hidrodinâmica regional foram alimentados por um dowscalling dinâmico a partir de uma simulação previa das correntes na bacia oceânica. A margem do RN fornece caminho para as CCOs ao longo da borda de suas plataformas leste e norte, que são estreitas (até 40 km da costa) e com talude de alto gradiente topográfico (1:11), separadas pelo Alto de Touros que estende a plataforma em 80 km na direção offshore. Os resultados apontam que a interação da Subcorrente Norte do Brasil (SNB) com o ramo central da Corrente Sul Equatorial (CSE) e com a fisiografia da margem setentrional do RN produz uma região de recirculação das correntes onde vórtices anticiclônicos e meandros se desenvolvem. Esse fenômeno é evidente nos meses de fevereiro e agosto ao norte da plataforma continental do RN. Os vórtices em águas superficiais (profundidades de 20 m) no mês de fevereiro apresentam diâmetros de aproximadamente 50 km e 20 km. E em agosto houve ocorrência de meandros com extensão aproximada de 120 km. Enquanto na profundidade de 70 m observou-se uma retroflexão da corrente nessa mesma região de recirculação. No mês de fevereiro, o fenômeno mostrou velocidades mais intensas com média de 30 cm.s-¹. Em agosto, a corrente mostrou-se quase estacionária, com velocidade média inferior a 10 cm.s-¹. A presença desses eventos oceânicos próximos a borda da plataforma norte do RN podem explicar as diferenças ecológicas e de sedimentação no Holoceno entre as margens leste e norte.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 1858120 - DAVID MENDES
Interna - 2218779 - HELENICE VITAL
Externo ao Programa - 2276514 - MARCIO MACHADO CINTRA
Presidente - 2042405 - MOAB PRAXEDES GOMES
Notícia cadastrada em: 05/06/2019 16:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao