Banca de DEFESA: LUZIA LINIANE DO NASCIMENTO SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LUZIA LINIANE DO NASCIMENTO SILVA
DATA : 24/02/2017
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 1 PPGG
TÍTULO:

GEOMORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA DOS RECIFES DA PLATAFORMA CONTINENTAL EXTERNA NORTE DO RN


PALAVRAS-CHAVES:

plataforma externa, recifes, sedimentologia, geomorfologia, sonografia


PÁGINAS: 89
RESUMO:

A plataforma continental externa setentrional do Rio Grande do Norte é uma zona de transição fisiográfica, sedimentológica e de processos oceanográficos físicos e biológicos marcada pelas variações eustáticas do Quaternário. A evolução sedimentar dessas áreas de transição pode ser revelada através de dados geomorfológicos e sedimentológicos, para tanto, o método de sonografia e a técnica de amostragem de fundo vêm sendo aplicados em mapeamento geológicos e de habitats. Neste estudo o sonar de varredura lateral foi utilizado para mapear uma área de 413 km², paralelamente à quebra da plataforma, entre Macau (ao norte), e São Bento do Norte (a leste). Como resultados, foram identificados 12 padrões de retroespalhamento (P1 a P12) associados a 12 fáceis sedimentares (frações bioclásticas e siliciclásticas), manchas recifais que se estendem por mais de 30 km paralelamente à costa, e o paleovale do rio Açu que cruza toda a região da plataforma em estudo. A fácies areia bioclástica com grânulos é predominante, estando relacionada ao padrão de retroespalhamento P4, sendo a principal fáceis responsável pela elevada porcentagem dos teores de matéria orgânica e carbonato. As fáceis sedimentares caracterizadas demonstram relação entre sua distribuição e os recifes mapeados, indicando uma migração de sedimentos para o oeste da área estudada, onde os sedimentos mais finos se concentram dentro do vale inciso e entre os recifes. Em torno do vale inciso ocorre os maiores teores de carbonato e matéria orgânica, isso pode ser devido à barreira geomorfológica por ele formada que favorece a circulação e a permanência dos nutrientes nessa região. No entanto, essa região não concentra as maiores quantidades de recifes, o que pode indicar excesso de nutrientes capaz de desfavorecer seu crescimento, devido à competição por espaço gerada com as esponjas. Os recifes foram classificados em manchas e alongados na direção NW-SE, alinhados por vários quilômetros. Estão situados entre 30,68 – 33,91 m de profundidade, com valores médios de 5 m para a altura, 135 m para o comprimento e 26 m para o diâmetro. O alinhamento dos recifes podem ser indícios de substratos que representem feições sujeitas ao efeito de ondas e marés, como antigas linhas de costa. A distribuição das fácies sedimentares sugere que a sedimentação da plataforma externa é constituída sob um regime hidrodinâmico de energia variável. Adicionalmente, observou-se que o campo recifal serve de armadilha para os sedimentos tornando a sedimentação distinta no interior e exterior do campo recifal. Assim, a sedimentação das regiões acima de 30 m de profundidade são essencialmente bioclásticas, e representam a porção mais rica em recifes da plataforma.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2042405 - MOAB PRAXEDES GOMES
Externo à Instituição - TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO - UFPE
Externo à Instituição - WERNER FARKATT TABOSA - UNI-RN
Notícia cadastrada em: 22/02/2017 10:14
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao