Banca de DEFESA: KAUÊ SEOANE SOUZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KAUÊ SEOANE SOUZA
DATA : 08/06/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 01 PPGG
TÍTULO:

ANÁLISE ESTRUTURAL DO SISTEMA DE GRABEN DO RIO TOCANTINS,

BORDA OESTE DA BACIA DO PARNAÍBA (TOCANTINS, PARÁ E MARANHÃO).


PALAVRAS-CHAVES:

Bacia do Parnaíba; Sistema de Grabens; Estruturas Distensionais.


PÁGINAS: 100
RESUMO:

A borda oeste da Bacia do Parnaíba apresenta um marcante sistema de fotolineamentos N-S, imediatamente a leste do contato com o embasamento. A distribuição das unidades litoestratigráficas nesta região segue essa orientação N-S, diferindo do padrão de faixa aflorante ovalada da bacia. Esse padrão N-S corresponde a um sistema de grabens já abordado nas cartas geológicas da CPRM, composto por um graben principal, no interior da bacia, e outro secundário, encravado no embasamento cristalino. Nas bordas do graben principal, as faixas aflorantes das formações Motuca e Sambaíba são balizadas por falhas normais ou normais oblíquas sinistrais, que ocasionam a omissão de unidades estratigráficas sotopostas. Mais a sul, na região de Palmas-Miracema do Tocantins, o Grupo Serra Grande, a Formação Pimenteiras e o embasamento cristalino estão em contato por falhas normais. O outro graben, localizado a oeste do principal, também acomoda a Formação Motuca e possui a mesma orientação. A análise de imagens SRTM auxiliou na cartografia dos fotolineamentos e dos limites dos grabens. A orientação N-S das falhas envolve uma variação de 20º-30º para E ou W, que é controlada pelas anisotropias do embasamento cristalino nesta borda da bacia, relacionado à Faixa Araguaia. Falhas de regime normal e normal sinistral evidenciam a uma distensão NE durante a formação do graben. A idade mínima para a formação do graben é estimada no intervalo Permo-Triássico, baseada nas relações estruturais e nas unidades litoestratigráficas afetadas por esses eventos. Na região norte do mesmo, fotolineamentos E-W/ENE controlam as ocorrências de basaltos e diabásios eojurássicos da Suíte Mosquito, que interceptam as estruturas do graben principal. A  distensão N/NNW na Suíte Mosquito, e falhas normais ou transcorrentes ainda mais jovens, acomodando distensão NW, são tentativamente correlacionadas aos eventos de abertura do Atlântico Central e Sul, respectivamente.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2490483 - ALEX FRANCISCO ANTUNES
Presidente - 346469 - EMANUEL FERRAZ JARDIM DE SA
Externo à Instituição - LILIANE RABELO CRUZ - PETROBRAS
Notícia cadastrada em: 31/05/2016 15:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao