Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA EMANUELLA FIRMINO BARBOSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA EMANUELLA FIRMINO BARBOSA
DATA: 22/12/2014
HORA: 08:00
LOCAL: Sala de aula do PPGG
TÍTULO:

 

 

VARIAÇÕES DO NÍVEL DO QUATERNÁRIO TARDIO NA ÁREA ESTUÁRINA DO RIO ASSU [UTF-8?]– INTERPRETAÇÃO DO REGISTRO SEDIMENTAR-TECTÔNICO E MODELAGEM MORFODINÂMICA 


PALAVRAS-CHAVES:

 

 

 

Neotectônica, Quaternário, Sistema de Informação Geográfica, Delta do Assu 


PÁGINAS: 40
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Geociências
RESUMO:

 

 

A geologia da região do delta do Assu, Bacia Potiguar, é caracterizada por um mosaico complexo de litologias que refletem episódios repetidos de deposição, erosão e falhamentos no Quaternário. Este projeto tem como objetivo integrar a geomorfologia, geologia de superfície e do subsolo para mapear com precisão a área em questão para analisar a relação entre tectônica, preenchimento sedimentar e variação do nível do mar no Quaternário. A área escolhida para a realização dessa pesquisa foi o delta do rio Assu, Bacia Potiguar, estado do Rio Grande do Norte. A região é delimitada pelos meridianos 9453000 mN e 9405000 mN e pelos paralelos 735000 mE e 775000 mE, possuindo 39 km de largura e 48,59 km de comprimento. A metodologia consiste na análise de produtos de sensoriamento remoto, especialmente tratamento de dados de LiDAR aéreo; coleta e análise de dados geológicos de superfície e subsuperfície; analise de foraminíferos e datação por radiocarbono e luminescência oticamente estimulada de sedimentos. Os dados e resultados obtidos serão integrados em um Sistema de Informação Geográfica (SIG). Os procedimentos propostos nesse projeto de pesquisa serão adequados à realidade regional, entretanto, posteriormente, poderão ser aplicados em outros ambientes costeiros, com os devidos ajustes. Os primeiros resultados obtidos com levantamento geomorfológico detalhado realizado no flanco ocidental do rio Assu, permitiu identificar paleolinha de costa desenvolvido na frente de uma falésia fóssil esculpida nas areias do Pleistoceno superior de uma formação em leque aluvial. A linha de costa citada foi datada com idade de 5kyr cal BP. A paleolinha de costa tornou-se progressivamente inativa durante a deposição de sedimentos arenosos principalmente de origem continental e marinha na enseada rasa formada no máximo de transgressão do Holoceno. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 350640 - FRANCISCO HILARIO REGO BEZERRA
Externo ao Programa - 277437 - MARCELA MARQUES VIEIRA
Externo ao Programa - 2042405 - MOAB PRAXEDES GOMES
Notícia cadastrada em: 18/12/2014 15:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao