Banca de QUALIFICAÇÃO: MAGDA ESTRELA OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAGDA ESTRELA OLIVEIRA
DATA: 11/08/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Auditório do Laboratório de Geologia e Geofísica do Petróleo (LGGP) – UFRN
TÍTULO:

SISTEMAS DE FALHAS EXTENSIONAIS EM RIFTES E MARGENS PASSIVAS: CONTRIBUIÇÃO DA MODELAGEM FÍSICA


PALAVRAS-CHAVES:

Modelagem física; Contraste reológico; Bacias conjugadas; Bacias ortogonais; Falhas.


PÁGINAS: 34
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Geociências
RESUMO:

A modelagem física analógica é atualmente uma ferramenta cada vez mais utilizada para melhorar o entendimento da formação e desenvolvimento das estruturas geológicas. Esse incremento na utilização dessa ferramenta é impulsionado, principalmente (mas não exclusivamente) pela indústria do petróleo onde a análise estrutural é importante para a definição da geometria das estruturas que possam constituir armadilhas para o hidrocarboneto. Nesse sentido o presente trabalho teve como objetivo estudar a nucleação de falhas e fraturas em função do contraste reológico em bacias ortogonais (Série experimental I) e a nucleação, desenvolvimento e a disposição geométrica de falhas em bacias oblíquas conjugadas (Série experimental II). Os materiais utilizados foram pó de gesso (sulfato de cálcio semi-hidratado), microesfera de vidro e ainda areia quartzosa. No acompanhamento dos experimentos da série experimental I foi utilizado o PIV (Particule Image Velocimeter), instrumento que mostra a movimentação das partículas a cada instante deformacional. Como resultado da série I, observou-se diferenças de comportamento das falhas nas camadas de material diferente. As camadas de pó de gesso comportam-se de modo mais competente, sendo geradas grande número de fraturas e as falhas apresentam mergulho mais elevado do que quando atravessam as camadas de areia quartzosa. Por outro lado, quando atravessam as camadas de microesfera de vidro essas falhas têm comportamento semelhante a quando cortam as camadas de areia quartzosa. Quanto à série II observou-se que ambas as sub-bacias apresentam dois depocentros limitados por falhas e contendo um conjunto de falhas oblíquas, com comportamento semelhante, embora com orientação distinta em função da orientação das falhas de bordas. As falhas internas tendem, no geral, a ser ortogonais à direção principal de distensão. Na intersecção das duas sub-bacias, tem-se um grande número de segmentos de falha, que são menores que nas sub-bacias propriamente ditas e fazem a ligação entre algumas falhas das duas sub-bacias.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2490483 - ALEX FRANCISCO ANTUNES
Interno - 346469 - EMANUEL FERRAZ JARDIM DE SA
Presidente - 1217847 - FERNANDO CESAR ALVES DA SILVA
Notícia cadastrada em: 01/08/2014 08:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao