Banca de QUALIFICAÇÃO: CAMILLA BEZERRA DE ALMEIDA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILLA BEZERRA DE ALMEIDA
DATA: 11/12/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório do Laboratório de Geologia e Geofísica do Petróleo - UFRN
TÍTULO:

Caracterização tectono-estratigráfica do Graben Externo da Bacia de Pernambuco


PALAVRAS-CHAVES:

Bacia de Pernambuco, graben externo, rifte aptiano-albiano, sal


PÁGINAS: 35
GRANDE ÁREA: Ciências Exatas e da Terra
ÁREA: Geociências
RESUMO:

A área estudada está localizada na porção submersa da Bacia de Pernambuco, mais especificamente um baixo externo no Platô de Pernambuco, no qual a contratação de blocos exploratórios ensejou a aquisição dos novos dados sísmicos que dão suporte à presente dissertação. A interpretação sísmica, que vem sendo baseada no mapeamento das principais discordâncias-limites e portanto na separação das simosequências, está sendo capaz de distinguir as diversas fases de evolução tectônica da bacia desde a fase rifte continental até a marinha regressiva.

O Graben Externo é formado por uma sucessão de falhas normais com direção aproximadamente N-S e que mergulham para leste, formando pelo menos dois meio-grabens alongados na mesma direção das falhas de borda e separados por altos internos. Modelos prévios sobre a continuidade da fase rifte até o Albiano são corroborados. Neste trabalho, um rifte mais jovem (rifte II) foi evidenciado através da observação da relação entre formação de falhas normais mais jovens e espessamento sedimentar contra essas falhas (deposição sin-tectônica). Além disso, essas falhas parecem se propagar em direção offshore, onde pacotes sedimentares mais jovens (Albianos ?) mostram-se mais espessos à medida em que se distanciam da costa.

A interpretação da ocorrência de sal é sem dúvida a maior contribuição deste trabalho, pois apesar de vários autores já terem citado a possibilidade de sua existência, ainda não haviam dados que realmente fossem capazes de mostrar todos os estilos estruturais associados a uma tectônica de sal e que pudessem caracterizá-lo com maior segurança. O seu posicionamento estratigráfico parece corresponder ao que foi sugerido por Córdoba et. al. (2007), onde o sal teria sido depositado devido a entrada de água do mar em um baixo formado no início do estágio rifte.

A história evolutiva da bacia tem se mostrado interessante para a indústria do petróleo, uma vez que existe grande chance de ocorrido geração de HC, em virtude do alto gradiente geotérmico regional e de uma calha sedimentar que atinge mais de 7 km de espessura. Além disso, a estruturação complexa que vem sendo observada permite a formação de rotas de migração (falhas e fraturas) e de trapas (altos estruturais, anticlinais), podendo configurar importantes alvos exploratórios na Bacia de Pernambuco.


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 2490483 - ALEX FRANCISCO ANTUNES
Presidente - 346469 - EMANUEL FERRAZ JARDIM DE SA
Interno - 1149363 - VALERIA CENTURLON CORDOBA
Notícia cadastrada em: 03/12/2013 08:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao