Banca de DEFESA: BIANCA CAROLINE DA CUNHA GERMANO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BIANCA CAROLINE DA CUNHA GERMANO
DATA : 28/02/2024
HORA: 16:30
LOCAL: Sala de Aulas I GEP/MEJC
TÍTULO:

USO DO ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, EXPRESSÃO DE MARCADORES DA PRÉ-ECLÂMPSIA E DOPPLER DE ARTÉRIAS UTERINAS NO SEGUNDO TRIMESTRE GESTACIONAL


PALAVRAS-CHAVES:

AAS, Idade Gestacional, Predição, pré-eclâmpsia.


PÁGINAS: 57
RESUMO:

A pré-eclâmpsia (PE) ocorre na gestação com hipertensão e proteinúria, ou falha em órgãos-alvo e está associada com morbimortalidade materna e fetal. Entre os fatores de riscos para a PE está a obesidade materna. Na fisiopatologia ocorre uma disfunção inflamatória vascular e placentária, alterando marcadores séricos e biofísicos. O Ácido Acetil Salicílico (AAS) pode prevenir a doença, reduzindo o processo inflamatório. O objetivo do estudo foi analisar, em gestantes no segundo trimestre gestacional, se o uso do AAS interfere no doppler das artérias uterinas e nos marcadores séricos da PE, e observar como eles se comportam em gestantes obesas. Este foi um estudo transversal, envolvendo 71 gestantes entre 20 e 24 semanas e 06 dias de gestação, recrutadas em dois municípios do Rio Grande do Norte entre dezembro de 2022 e outubro de 2023. Aplicou-se questionários para caracterização da população; realização de ultrassonografia morfológica do 2º trimestre com avaliação do doppler das artérias uterinas e medição de níveis séricos de PlGF (do inglês: Placental Growth Factor). Os dados foram tabulados no SPSS (Statistical Package for the Social Sciences – versão 4.2.2) para realização de análise descritiva, teste de Shapiro-wilk e correlação de Spearman. O nível de significância foi de 5%. O índice de massa corporal (IMC) médio da amostra foi de 31,02. 38 grávidas confirmaram uso do AAS e nesse grupo os valores do índice de pulsatibilidade (IP) médio das artérias uterinas foi de 1,03 e do PlGF 307,80, e naquelas que não utilizaram, os valores foram de 0,95 e 325,3, respectivamente. Nesse estudo, usar AAS não contribuiu para redução do IP das artérias uterinas e não houve diferença significativa da média do PIGF. Maiores estudos são importantes para confirmarem esses resultados.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - ***.283.220-** - RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI - UFRN
Interna - 1055045 - MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
Externa à Instituição - DEYLA MOURA RAMOS - UNIFACEX
Notícia cadastrada em: 15/02/2024 11:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao