Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRN

2024
Dissertações
1
  • BIANCA CAROLINE DA CUNHA GERMANO
  • USO DO ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, EXPRESSÃO DE MARCADORES DA PRÉ-ECLÂMPSIA E DOPPLER DE ARTÉRIAS UTERINAS NO SEGUNDO TRIMESTRE GESTACIONAL

  • Orientador : RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • DEYLA MOURA RAMOS
  • Data: 28/02/2024

  • Mostrar Resumo
  • A pré-eclâmpsia (PE) ocorre na gestação com hipertensão e proteinúria, ou falha em órgãos-alvo e está associada com morbimortalidade materna e fetal. Entre os fatores de riscos para a PE está a obesidade materna. Na fisiopatologia ocorre uma disfunção inflamatória vascular e placentária, alterando marcadores séricos e biofísicos. O Ácido Acetil Salicílico (AAS) pode prevenir a doença, reduzindo o processo inflamatório. O objetivo do estudo foi analisar, em gestantes no segundo trimestre gestacional, se o uso do AAS interfere no doppler das artérias uterinas e nos marcadores séricos da PE, e observar como eles se comportam em gestantes obesas. Este foi um estudo transversal, envolvendo 71 gestantes entre 20 e 24 semanas e 06 dias de gestação, recrutadas em dois municípios do Rio Grande do Norte entre dezembro de 2022 e outubro de 2023. Aplicou-se questionários para caracterização da população; realização de ultrassonografia morfológica do 2º trimestre com avaliação do doppler das artérias uterinas e medição de níveis séricos de PlGF (do inglês: Placental Growth Factor). Os dados foram tabulados no SPSS (Statistical Package for the Social Sciences – versão 4.2.2) para realização de análise descritiva, teste de Shapiro-wilk e correlação de Spearman. O nível de significância foi de 5%. O índice de massa corporal (IMC) médio da amostra foi de 31,02. 38 grávidas confirmaram uso do AAS e nesse grupo os valores do índice de pulsatibilidade (IP) médio das artérias uterinas foi de 1,03 e do PlGF 307,80, e naquelas que não utilizaram, os valores foram de 0,95 e 325,3, respectivamente. Nesse estudo, usar AAS não contribuiu para redução do IP das artérias uterinas e não houve diferença significativa da média do PIGF. Maiores estudos são importantes para confirmarem esses resultados.


  • Mostrar Abstract
  • Preeclampsia (PE) occurs in pregnancy with hypertension and proteinuria, or target organ failure, and is associated with maternal and fetal morbidity and mortality. Among the risk factors for PE is maternal obesity. In pathophysiology, vascular and placental inflammatory dysfunction occurs, altering serum and biophysical markers. Acetyl Salicylic Acid (AAS) can prevent the disease by reducing the inflammatory process. The objective of the study was to analyze, in pregnant women in the second trimester of pregnancy, whether the use of AAS interferes with the Doppler of the uterine arteries and serum PE markers, and observe how they behave in obese pregnant women. This was a cross-sectional study, involving 71 pregnant women between 20 and 24 weeks and 06 days of gestation, recruited in two municipalities in Rio Grande do Norte between December 2022 and October 2023. Questionnaires were applied to characterize the population; morphological ultrasound of the 2nd trimester with Doppler assessment of the uterine arteries and measurement of serum PlGF (Placental Growth Factor) levels. The data were tabulated in SPSS (Statistical Package for the Social Sciences – version 4.2.2) to perform descriptive analysis, Shapiro-Wilk test and Spearman correlation. The significance level was 5%. The average body mass index (BMI) of the sample was 31.02. 38 pregnant women confirmed the use of AAS and in this group the mean pulsatility index (PI) values of the uterine arteries were 1.03 and PlGF 307.80, and in those who did not use it, the values were 0.95 and 325. 3, respectively. In this study, using AAS did not contribute to reducing the PI of the uterine arteries and there was no significant difference in the mean PIGF. Larger studies are important to confirm these results. 

2
  • GEORGIA HACKRADT REGO
  • PREVALÊNCIA DE DISFUNÇÃO SEXUAL EM MULHERES SUBMETIDAS A COLETA DE PAPANICOLAU E DETECÇÃO MOLECULAR DO HPV EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE

  • Orientador : RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA ANDREA BARBOSA MAUX
  • DEYSE DE SOUZA DANTAS
  • RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • Data: 29/02/2024

  • Mostrar Resumo
  • A satisfatória função sexual da mulher é intimamente ligada à sua saúde e qualidade de vida. Diagnósticos como o de HPV podem causar impacto negativo na saúde emocional da mulher, provocando sentimentos de vergonha ou medo, agravando ansiedade e estresse. Foi realizado estudo transversal com o objetivo de verificar a prevalência de disfunção sexual em mulheres adultas atendidas em hospital universitário na cidade do Natal/RN. Foram incluídas 68 mulheres sexualmente ativas e em relacionamentos estáveis, com idade entre 18 e 45 anos, recrutadas no ambulatório de ginecologia para coleta do exame de citologia de colo uterino e detecção molecular do Papilomavírus (HPV). Para identificação de disfunção sexual, foram utilizados dois instrumentos validados: o Índice de Funcionamento Sexual Feminino (IFSF) e o Quociente Sexual – Versão Feminina (QS-F), em conjunto com uma ficha de dados sociodemográficos para coleta de informações de idade, raça, escolaridade, tempo de união/casamento, número de parceiros sexuais, entre outros. Para análise dos dados, foi utilizado o software SPSS (Statistical Package for the Social Sciences, Chicago, EUA) versão 28. A prevalência de disfunção sexual foi de 47,1% considerando os escores obtidos pelo IFSF e de 25% com os escores do QS-F. Houve uma correlação significativa apenas com a variável de escolaridade, indicada pela maior prevalência de disfunção sexual entre mulheres que concluíram até o ensino médio em comparação com as que possuíam ensino superior incompleto ou completo. Portanto, nesse estudo observacional, a prevalência de disfunção sexual foi alta, com quase metade das mulheres apresentando distúrbio quando a avaliação foi realizada com IFSF. Além disso, a razão de prevalência da disfunção foi significativamente superior no grupo de mulheres com escolaridade até o ensino médio, independente do instrumento utilizado para identificação. Assim, fica demonstrado que mulheres que buscam atendimento ginecológico de rotina podem apresentar disfunções sexuais. No entanto, muitas vezes, não recebem um diagnóstico, pois os médicos focam em ações de prevenção e controle de infecções ou lesões, raramente investigando o comportamento sexual. A realização de estudos observacionais multicêntricos se faz necessária para o estabelecimento de uma epidemiologia mais precisa e para a elaboração de estratégias de inclusão de protocolos de avaliação da função sexual na saúde da mulher.


  • Mostrar Abstract
  • Satisfactory sexual function in women is closely linked to their health and quality of life. Diagnoses such as HPV can have a negative impact on a woman’s emotional health, interfering with the expression of sexuality and causing feelings of shame or fear, exacerbating anxiety and stress. A cross-sectional study was conducted with the aim of assessing the prevalence of sexual dysfunction in adult women treated at a university hospital in Natal/RN. Sixty-eight sexually active women in stable relationships, aged between 18 and 45 years, were included in the study and recruited from the gynecology outpatient clinic for cervical cytology and molecular detection of Papillomavirus (HPV). Two validated instruments, the Female Sexual Function Index (FSFI) and the Sexual Quotient – Female Version (SQ-F), were used to identify sexual dysfunction, along with a sociodemographic data sheet collecting information on age, race, education, length of union/marriage, number of sexual partners, among others. Data analysis was performed using the SPSS software (Statistical Package for the Social Sciences, Chicago, USA) version 28. The prevalence of sexual dysfunction was 47.1% considering the scores obtained by FSFI and 25% with the scores of SQ-F. There was a significant correlation only with the education variable, indicated by a higher prevalence of sexual dysfunction among women who completed high school compared to those with incomplete or complete higher education. Therefore, in this observational study, the prevalence of sexual dysfunction was high, with almost half of the women presenting a disorder when evaluated with FSFI. Furthermore, the prevalence ratio of dysfunction was significantly higher in the group of women with education up to high school, regardless of the instrument used for identification. Thus, it is demonstrated that women seeking routine gynecological care may present sexual dysfunctions. However, they often do not receive a diagnosis, as doctors focus on prevention and control of infections or lesions, rarely investigating sexual behavior. The conduct of multicenter observational studies is necessary to establish a more accurate epidemiology and to develop strategies for including protocols for assessing sexual function in women’s health.

3
  • VERONICA LARYSSA SMITH
  • ANÁLISE ELETROMIOGRÁFICA DA FUNÇÃO DOS MÚSCULOS DO ASSOALHO PÉLVICO DE GESTANTES PÓS- MOBILIDADE PÉLVICA

  • Orientador : RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LARISSA RAMALHO DANTAS VARELLA
  • RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • SILVANA ALVES PEREIRA
  • Data: 13/03/2024

  • Mostrar Resumo
  • Compreender a intrincada relação entre a gravidez e o pavimento pélvico é crucial para gerir possíveis problemas relacionados com a disfunção do assoalho pélvico durante e após a gravidez. Os cuidados pré-natais adequados, incluindo exercícios e intervenções para apoiar a saúde da pelve, podem ajudar a mitigar complicações e promover o bem-estar geral das grávidas. O objetivo dessa série de casos foi analisar a função dos músculos do assoalho pélvico de gestantes após exercícios de mobilidade pélvica através da eletromiografia de superfície (EMG). A metodologia foi de um estudo observacional transversal, do tipo série de casos, que avaliou sete (7) gestantes no terceiro trimestre gestacional. A coleta de dados consistiu na avaliação funcional do assoalho pélvico através da eletromiografia de superfície, com o seguinte protocolo: trinta segundos de repouso para o registro da atividade basal, três contrações voluntárias máximas mantidas por dois segundos, com intervalo de um minuto entre cada uma e três contrações sustentadas, mantidas por seis segundos, com intervalo de um minuto entre cada uma. Após a avaliação foram realizados exercícios pélvicos de inclinação lateral do quadril, antero e retroversão pélvica e circundução e, posteriormente, todas foram reavaliadas pela EMG seguindo o mesmo protocolo da avaliação. Os dados coletados foram analisados utilizando o software SPSS, na versão 13.0. Os resultados indicaram melhora significativa na contração voluntária máxima, na variável média ajustada (p 0.040). Nos demais parâmetros avaliados, apesar de não haver diferença estatística significativa, os valores encontrados podem indicar melhora na funcionalidade dos músculos do assoalho pélvico após exercício de movimentação pélvica. O exercício pélvico aplicado nessa série de casos provocou modificações em todas as variáveis avaliadas no grupo estudado, considerando a resposta mioelétrica e a funcionalidade dos músculos do assoalho pélvico em gestantes no terceiro trimestre. Estudos com amostra maior e maior nível de evidência são necessários para confirmação desses resultados.


  • Mostrar Abstract
  • Understanding the intricate relationship between pregnancy and the pelvic floor is crucial to managing potential problems related to pelvic floor dysfunction during and after pregnancy. Appropriate prenatal care, including exercises and interventions to support pelvic health, can help mitigate complications and promote overall well-being for pregnant women. The objective of this case series was to analyze the function of the pelvic floor muscles of pregnant women after pelvic mobility exercises using surface electromyography (EMG). The methodology was a cross-sectional, case series observational study, which evaluated seven (7) pregnant women in the third trimester. Data collection consisted of functional assessment of the pelvic floor through surface electromyography, with the following protocol: thirty seconds of rest to record basal activity, three maximal voluntary contractions maintained for two seconds, with a one-minute interval between each one. and three sustained contractions, maintained for six seconds, with a one-minute interval between each one. After the evaluation, pelvic exercises of lateral hip tilt, pelvic antero- and retroversion and circumduction were performed and, subsequently, all were reevaluated by EMG following the same evaluation protocol. The collected data were analyzed using SPSS software, version 13.0. The results indicated a significant improvement in maximum voluntary contraction, in the adjusted mean variable (p 0.040). In the other parameters evaluated, although there was no significant statistical difference, the values found may indicate an improvement in the functionality of the pelvic floor muscles after pelvic movement exercise. The pelvic exercise applied in this series of cases caused changes in all variables evaluated in the studied group, considering the myoelectric response and the functionality of the pelvic floor muscles in pregnant women in the third trimester. Studies with a larger sample and higher level of evidence are needed to confirm these results.

2023
Dissertações
1
  • MARIA LETÍCIA DE LIMA MACHADO
  • COMPARAÇÃO DA RESPOSTA IMUNOLÓGICA PERIFÉRICA E ACHADOS HISTOPATOLÓGICOS PLACENTÁRIOS DE GESTANTES E PUÉRPERAS INFECTADAS OU NÃO POR SARS-COV-2

  • Orientador : RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DEBORAH DE MELO MAGALHÃES PADILHA
  • MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • Data: 18/01/2023

  • Mostrar Resumo
  • A resposta imunológica de parturientes com a COVID-19, bem como, as alterações histopatológicas na placenta ocasionadas pela infecção ainda não foram bem esclarecidas. Dessa forma, a caracterização de subpopulações linfocitárias e células natural killer (NK), via citometria de fluxo, no sangue periférico de gestantes e puérperas infectadas ou não pelo SARS-CoV-2, em conjunto com a análise histopatológica placentária, podem contribuir com mais evidências sobre efeitos causados pela COVID-19 durante o período gravídico puerperal. Neste estudo transversal, os níveis periféricos de linfócitos T totais, linfócitos TCD4+ (ThL), linfócitos TCD8+ (TcL), linfócitos B e células NK, de gestantes e puérperas com PCR positivo e negativo para SARS-CoV- 2 foram comparados. Além disso, foi realizada a comparação dos achados histopatológicos placentários, pelo método de coloração Hematoxilina/Eosina, de parte das parturientes incluídas no estudo. A coleta das amostras de sangue periférico e do tecido placentário ocorreram entre os meses de maio de 2021 e março de 2022, em um hospital universitário da região nordeste do Brasil. A imunofenotipagem foi realizada em 99 mulheres, das quais 78 (78,8%) tiveram o diagnóstico de COVID-19 confirmado. Gestantes e puérperas infectadas pelo SARS-CoV-2 apresentaram níveis mais elevados de células T citotóxicas, mediana (ME) = 574.2; intervalo interquartil (IIQ) = 382.4, quando comparadas com pacientes não infectadas, ME = 404.7 ; IIQ = 363.5); p = 0.032. Foi realizada a análise histopatológica em 30 placentas das quais 10 parturientes tiveram diagnóstico de COVID-19 confirmado por PCR (33,3%). Os resultados revelaram níveis mais elevados de congestão, vilite crônica focal e funisite aguda em placentas de parturientes positivas para COVID-19. Parturientes negativas tiveram maior porcentagem de hemorragia intervilosa com formação de trombo, calcificação distrófica, infarto placentário exceto marginal e deciduíte aguda capsular. Entretanto, não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos e nem um padrão histopatológico predominante nas parturientes infectadas pelo vírus na amostra estudada para comparação dos achados placentários. Gestantes e puérperas com COVID-19 apresentaram níveis significativamente mais elevados de células T citotóxicas no sangue periférico, mas não houve diferença nos achados histopatológicos placentários, apesar do grupo com a infecção confirmada ter apresentado maior percentual de congestão, vilite crônica focal e funisite aguda.

     


  • Mostrar Abstract
  • The immune response of pregnant women with COVID-19, as well as the histopathological changes in the placenta caused by the infection, have not yet been elucidated. The characterization of lymphocyte subpopulations and natural killer (NK) cells, via flow cytometry, in the peripheral blood of pregnant and postpartum women infected or not by SARS-CoV-2, together with placental histopathological analysis, can contribute with more evidence on the effects caused by COVID-19 during the puerperal pregnancy period. In this cross-sectional study, the peripheral levels of total T lymphocytes, TCD4+ lymphocytes (ThL), TCD8+ lymphocytes (TcL), B lymphocytes and NK cells, in pregnant and postpartum women with positive and negative PCR for SARS-CoV-2 were compared. In addition, a comparison of placental histopathological findings was performed, using the Hematoxylin/Eosin staining method, of part of the parturients included in the study. The collection of peripheral blood and placental tissue samples took place between May 2021 and March 2022, in a teaching hospital in the northeast region of Brazil. Immunophenotyping was performed in 99 women, of which 78 (78.8%) had a confirmed diagnosis of COVID-19. Pregnant women and postpartum women infected with SARS-CoV-2 had higher levels of cytotoxic T cells, median (ME) = 574.2; interquartile range (IIQ) = 382.4, when compared with uninfected patients, ME = 404.7; IIQ = 363.5); p = 0.032. Histopathological analysis was performed on 30 placentas, of which 10 parturients had a diagnosis of COVID-19 confirmed by PCR (33.3%). Results revealed higher levels of congestion, focal chronic villitis, and acute funisitis in placentas from COVID-19 positive parturients. Negative parturients had a higher percentage of intervillous hemorrhage with thrombus formation, dystrophic calcification, placental infarction except marginal and acute capsular deciduitis. However, there was no statistically significant difference between the groups, nor a predominant histopathological pattern in pregnant women infected by the virus in the sample studied for comparison of placental findings. Pregnant women and postpartum women with COVID-19 had significantly higher levels of cytotoxic T cells in peripheral blood, but there was no difference in placental histopathological findings, although the group with confirmed infection had a higher percentage of congestion, focal chronic vilitis and acute funisitis.

2
  • JESSICA DAYANNA LANDIVAR COUTINHO
  • O impacto positivo do aconselhamento genético em pacientes de alto risco para câncer familiar/hereditário.

  • Orientador : DANIELLA REGINA ARANTES MARTINS SALHA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIELLA REGINA ARANTES MARTINS SALHA
  • ANA KATHERINE DA SILVEIRA GONCALVES DE OLIVEIRA
  • KLEYTON SANTOS DE MEDEIROS
  • Data: 23/03/2023

  • Mostrar Resumo
  • O aconselhamento genético (AG) tornou-se um serviço de estratégia preventiva essencial para o manejo de pacientes de alto risco para câncer hereditário na era pós-genômica. A identificação de variantes de alto risco ao câncer em portadoras assintomáticas e o controle do seu risco demonstraram reduzir o câncer de mama e a taxa de mortalidade. O Brasil é um país continental de renda média com uma população heterogênea que se sugere ter a maior variação genética interna das populações amostradas. O presente estudo tem como objetivo avaliar os indicadores clínicos, sociodemográficos e comportamentais em pacientes de alto risco submetidos ao AG para câncer hereditário desde 2009, em um hospital de atenção ao câncer. O serviço recebeu 139 pacientes, sendo que 63,3% dos pacientes não tinham ensino superior, 89,3% tinham menos de 60 anos; 94% tiveram câncer de mama como diagnóstico primário e 23,7% carregam uma variante germinativa em genes de alto risco. A sobrevida global em 5 anos foi de 88,6%, sem diferença significativa entre os pacientes com mutação germinativa (IC 95%, p = 0,138). Após AG, 68,7% e 55,6% dos pacientes apresentaram score normal para depressão e ansiedade, respectivamente, independentemente da idade ao diagnóstico. Além disso, a decisão de se submeter à mastectomia redutora de risco (MRR) não foi influenciada pelos sintomas depressivos ou ansiosos. No entanto, 44,4% das mulheres com mais de 60 anos não apresentaram vontade de realizar a MRR. Entre os pacientes com variante patogênica, 58% afirmam que o diagnóstico de mutação germinativa foi capaz de modificar hábitos cotidianos, 91,7% das mulheres conseguiram entender o significado da mutação germinativa e as implicações para a saúde delas e da família, porém, isso estava diretamente relacionado ao nível de escolaridade. Esses resultados reafirmam o impacto do AG em uma região subdesenvolvida do país com alta consanguinidade parental, heterogeneidade fenotípica e destaca a disparidade de saúde do câncer que existe para a população de alto risco.


  • Mostrar Abstract
  • Genetic counseling (GC) has become a pivotal health preventive strategy service to manage high-risk patients for hereditary cancer in the genomic era. Identifying high-risk cancer variants in asymptomatic carriers and controlling their risk has been shown to reduce breast cancer and mortality. Brazil is a continental middleincome country with an admixture population that are suggested to have the highest internal genetic variation of sampled populations. The present study aims to evaluate clinical, sociodemographic and behavioral indicators in high-risk patients undergoing GC for hereditary cancer since 2009, in a cancer care hospital. The service has received 139 patients, where 63.3% of patients did not have higher education, 69.3% had less than 60 y; 91% had breast cancer as a primary diagnosis and 23.7% carries a germline variant in high-risk genes. The 5 years overall survival was 88.6%, with no significant difference between patients with germline mutation (95% CI, p = 0.138). After GC, 90.9% and 73.3% of the patients had mild/normal score for depression and anxiety, respectively, and regardless of age at diagnosis. Moreover, the decision of undergoing risk-reducing mastectomy (RRM) was not influenced by the depressive or anxious symptoms. However, 44.4% of women aged more than 60y did not present willingness to undergo RRM. Among patients with pathogenic variant, 58% state that the diagnosis of germline mutation was able to modify unhealth habits, 91.7% of the women could understand the meaning of germline mutation and the implications to their and family’s health, however, this was directly related to the education level. These results reaffirm the challenges of GC in an underdeveloped region of the country with high parental consanguinity, phenotypic heterogeneity and highlight the cancer health disparity that exists for the high-risk population.

3
  • FERNANDA CATARINA RIBEIRO
  • ANÁLISE COMPARATIVA DA EFETIVIDADE DOS POLIFENÓIS TÓPICOS E ORAIS NO ENVELHECIMENTO DA PELE EM MULHERES: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA.

  • Orientador : RAND RANDALL MARTINS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RAND RANDALL MARTINS
  • RODRIGO DOS SANTOS DINIZ
  • FRANCISCA SUELI MONTE MOREIRA
  • Data: 26/04/2023
    Ata de defesa assinada:

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O envelhecimento da pele em mulheres correlaciona-se sobretudo a exposição à irradiação solar com eventos da menopausa, como o hipoestrogenismo. Paralelamente ao aumento da expectativa de vida, ambos se associam a indução do estresse oxidativo, motivando os sinais e sintomas da senescência. O desenvolvimento de fitoterápicos a base de polifenóis pode minimizar os efeitos indesejados do desgaste cutâneo, destacando os flavonoides. Apesar do seu provável potencial benéfico, há limitações na literatura. Objetivo: Elaborar uma revisão sistemática de ensaios clínicos, abordando a eficácia dos compostos polifenóis no retardo do envelhecimento cutâneo em mulheres comparando as vias orais e tópicas. Metodologia: Uma pesquisa bibliográfica foi realizada nas bases de dados eletrônicas MEDLINE (via PubMed), Cochrane, Embase e Web of Science, publicados no período entre os anos de 2012 e 2022. Os estudos elegíveis foram ensaios randomizados, duplocegos e controlados, com exceção de um estudo que não abrangeu um grupo comparador. Foram selecionados estudos que avaliaram a eficácia de um fitoterápico isolado ou combinado, que relataram seguintes desfechos: elasticidade (R2) e rugosidade ou volume das rugas (visiômetro ou Primos). Resultados: Após a recuperação dos artigos, foram selecionados 13 estudos, apresentando número total de participantes variando entre 20 e 120 indivíduos, composto por mulheres saudáveis com idade entre 30 e 65 anos, com o critério de inclusão predominante sendo presença de rugas (usualmente o Wrinkles score ≥ 3) e com protocolo de intervenção aplicado na face. Foram identificados quatro estudos com baixo risco de viés e numerosa heterogeneidade quanto as plantas utilizadas. Resultados favoráveis foram exibidos na elasticidade e rugosidade, sendo atestados com oito semanas de administração tópica, e doze pela via oral. Conclusão: Destacamos que os fitoterápicos a base de polifenóis impacta positivamente na elasticidade e rugosidade da pele. Além da biomolécula, ressaltamos a importância do tempo e da via de administração para atingir o efeito esperado, visto que a via tópica revelou brevidade na resposta comparado a via oral. Ademais, identificamos na literatura a diversidade de compostos testados e fragilidades metodológicas, fazendo-se necessário mais ensaios metodologicamente consolidados.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Skin aging in women is mainly correlated with exposure to solar radiation with menopausal events, such as hypoestrogenism. In parallel with the increase in life expectancy, both are associated with the induction of oxidative stress, motivating the signs and symptoms of senescence. The development of phytotherapics based on polyphenols can minimize the unwanted effects of skin wear, highlighting flavonoids. Despite its probable beneficial potential, there are limitations in the literature. Objective: To develop a systematic review of clinical trials, addressing the effectiveness of polyphenol compounds in delaying skin aging in women, comparing oral and topical routes. Methodology: A literature search was carried out in the electronic databases MEDLINE (via PubMed), Cochrane, Embase and Web of Science, published between the years 2012 and 2022. Eligible studies were randomized, double-blind, controlled trials, with the exception of one study that did not include a comparator group. Studies were selected that evaluated the effectiveness of an isolated or combined herbal medicine, which reported the following outcomes: elasticity (R2) and roughness or volume of wrinkles (visiometer or Primos). Results: After retrieving the articles, 13 studies were selected, with a total number of participants ranging from 20 to 120 individuals, composed of healthy women aged between 30 and 65 years, with the predominant inclusion criterion being the presence of wrinkles (usually the Wrinkles score ≥ 3) and with intervention protocol applied on the face. Four studies with low risk of bias and high heterogeneity regarding the plants used were identified. Favorable results were shown in elasticity and roughness, being attested after eight weeks of topical administration, and twelve orally. Conclusion: We emphasize that herbal medicines based on polyphenols have a positive impact on skin elasticity and roughness. In addition to the biomolecule, we emphasize the importance of time and route of administration to achieve the expected effect, since the topical route revealed brevity in the response compared to the oral route. Furthermore, we identified in the literature the diversity of tested compounds and methodological weaknesses, making more methodologically consolidated tests necessary.

4
  • LISIEUX DE LOURDES MARTINS NOBREGA
  • LASERTERAPIA NO TRATAMENTO DA SÍNDROME GENITOURINÁRIA DA MENOPAUSA: REVISÃO SISTEMÁTICA E METANÁLISE DE ENSAIOS CLÍNICOS RANDOMIZADOS.

     

  • Orientador : RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RICARDO NEY OLIVEIRA COBUCCI
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MARIA IRANY KNACKFUSS
  • Data: 27/04/2023

  • Mostrar Resumo
  • A terapia a laser tem sido proposta para melhorar os sintomas da síndrome geniturinária da menopausa (SGM), principalmente em mulheres que não aceitam ou apresentam alto risco de complicações se forem submetidas à terapia hormonal. No entanto, estudos avaliando a eficácia e segurança do tratamento a laser para SGM, têm mostrado resultados controversos. Dessa maneira, o objetivo do estudo consiste em avaliar os efeitos da laserterapia em pacientes menopausadas com SGM. Foi realizado uma Revisão sistemática e Metanálise de Ensaios Clínicos Randomizados (ECR) a partir de protocolo  publicado em revista científica, registrado prospectivamente através do Registro Prospectivo Internacional de Revisões Sistemáticas (PROSPERO/ CRD42021253605) e de acordo com Preferred Reporting Items for Systematic Review and Meta-analysis (PRISMA 2020), usando a estratégia PICOS para encontrar ECR com mulheres na pós-menopausa submetidas a terapia com laser, placebo, nenhuma terapia ou estrogênio vaginal para SGM. Os ensaios clínicos randomizados e quase randomizados, independentemente do idioma de publicação, foram pesquisados nas bases de dados por meio de termos-chaves, sendo incluídos doze em que nos resultados foram avaliados a atrofia vaginal, pH, secura, dispareunia, prurido, ardor, disúria, frequência e/ou urgência e incontinência urinária. O laser de dióxido de carbono (CO2) aumenta o escore do índice de saúde vaginal (VHI) e diminui a dispareunia, a secura e a ardência, especialmente quando comparado ao placebo (SHAM). No entanto, com baixa certeza de evidência, comprometendo a recomendação para uso na SGM.


  • Mostrar Abstract
  • Laser therapy has been proposed to improve the symptoms of genitourinary syndrome of menopause (GSM), especially in women who do not accept or have a high risk of complications if they undergo hormonal therapy. However, studies evaluating the efficacy and safety of laser treatment for GSM have shown controversial results. Therefore, the objective of the study is to evaluate the effects of laser therapy in menopausal patients with GSM. A systematic review and meta-analysis of randomized clinical trials (RCTs) was carried out based on a protocol published in a scientific journal, prospectively registered through the International Prospective Register of Systematic Reviews (PROSPERO/CRD42021253605) and following the Preferred Reporting Items for Systematic Review and Meta-analysis Protocol, using the PICOS strategy to find studies with postmenopausal women without treatment, or undergoing laser therapy, placebo, or vaginal estrogen for GSM. According to the protocol, randomized and quasi-randomized clinical trials, regardless of the language of publication, were searched in databases using keywords, and 12 were included whose results were systematically evaluated for vaginal atrophy, pH, dryness, dyspareunia, itching, burning, dysuria, frequency, urgency, and urinary incontinence. The review provided evidence that carbon dioxide (CO2) laser increases the Vaginal Health Index (VHI) score and decreases dyspareunia, dryness, and burning, especially when compared to placebo, but with low certainty of evidence.

5
  • STEPHANY ANN COSTA ROSARIO
  • Associação da presença de proteinúria na pré-eclâmpsia com os desfechos maternos e neonatais.

  • Orientador : MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • DANIELLA REGINA ARANTES MARTINS SALHA
  • JEFFERSON ROMÁRYO DUARTE DA LUZ
  • Data: 11/05/2023

  • Mostrar Resumo
  • A pré-eclâmpsia (PE) durante muito tempo foi diagnosticada baseada na tríade edema, proteinúria e hipertensão, com o avanço dos estudos o edema e a proteinúria tornaram-se critérios relacionados a gravidade e não necessariamente ao diagnóstico. Nesse sentido este trabalho buscou identificar qual a correlação entre piores desfechos de gestantes com diagnóstico de PE e neonatos, considerando que a proteinúria hoje é critério diagnóstico dispensável da doença. Esse trabalho trata-se de um estudo longitudinal, prospectivo e observacional realizado no período de janeiro a outubro de 2022 na Maternidade Escola Januário Cicco, aprovado pelo comitê de ética em pesquisa do HUOL. A população do estudo foi constituída por 32 gestantes e seus recém-nascidos (RN), classificadas de acordo com a avaliação da proteinúria qualitativa na tira, sendo Proteinúria negativa ou traços (n=13) e Proteinúria ≥ 1+ (n=19). Foram coletadas amostras de sangue das gestantes em jejum, em tubo sem anticoagulante para avaliação bioquímica, utilizando o equipamento Dimension RxL (Siemens, São Paulo, SP, Brasil) e em tubo com anticoagulante ácido etilenodiamino tetra-acético (EDTA) a fim de avaliar os parâmetros hematológicos, no equipamento Advia 2120i (Siemens, São Paulo, SP, Brasil). A proteinúria foi mensurada na admissão por avaliação qualitativa em amostra de urina isolada (tira reativa Uri-Color Check da WAMA diagnóstica, São Carlos, SP, Brasil), foram coletados dados do prontuário eletrônico das gestantes e de seus respectivos neonatos, no Aplicativo de Gestão dos Hospitais Universitários (AGHU). Na análise estatística foram utilizados os testes de Shapiro-Wilk, Mann-Whitney, Spearman e qui-quadrado.  As avaliações foram realizadas usando SPSS Statistics versão 20.0 (IBM, Nova York, EUA). Valores de p menores que 0,05 foram considerados estatisticamente significativos. Dentre os resultados obtidos podemos destacar que 28 (87,5%) das gestantes estavam internadas no setor de alto risco, sendo 12 (92,3%) do grupo proteinúria negativa ou traços e 16 (84,2%) do grupo proteinúria ≥1+, a via de parto predominante foi cesárea, em sua maioria os RN apresentaram prematuridade, baixo peso ao nascer, em sua maioria necessitaram de internação (p=0,007). Além disso, 15 (78,9%) RN do grupo proteinúria ≥ 1+ necessitaram de suporte ventilatório (p=0,020). Foram observadas diferença entre os grupos em relação a pressão arterial diastólica no momento do parto (p<0,018), acido úrico (p<0,012), ureia (p<0,030), AST (p<0,001), ALT (p<0,033), LDH (p<0,005), proteínas totais (p<0,004), albumina (p<0,001). As principais correlações positivas observadas foram entre idade materna e proteínas totais (r=0,404; p<0,024), peso ao nascer e proteína total (r=0,511; p<0,009) e LDH e AST (r=0,727;p=0,001), as correlações negativas observadas foram pressão arterial no parto e proteínas totais (r=0,670; p=0,001), proteínas totais e AST (r=0,719;p=0,001), albumina e AST (r=0,728;p=0,001), Albumina e proteínas totais (r=0,882;p=0,001), ureia e IG ao nascer (r=0,721;p=0,001), Ureia e peso ao nascer (r=0,667;p<0,001). Assim, pode-se concluir que a presença de proteinúria esteve associada a desfechos negativos tanto maternos quanto neonatais.


  • Mostrar Abstract
  • Preeclampsia (PE) for a long time was diagnosed based on the triad of edema, proteinuria and hypertension; with the advance of studies, edema and proteinuria became criteria related to severity and not necessarily to diagnosis, thus the presence of hypertension together with isolated proteinuria are not decisive criteria for the diagnosis of PE. In this sense, this study aimed at identifying the correlation between worsening of the clinical picture of pregnant women diagnosed with preeclampsia and neonates, considering that proteinuria is nowadays an unnecessary diagnostic criterion for the disease.

    This is a longitudinal, prospective, observational study carried out from January to October 2022 at the Januário Cicco Maternity School. The study population consisted of 32 pregnant women and their newborns (NB), classified according to the assessment of qualitative proteinuria in the strip, being Proteinuria negative or traces (n=13) and Proteinuria ≥ 1+ (n=19). Blood samples were collected from fasting pregnant women in a tube without anticoagulant for biochemical evaluation (10ml), analyzed using the Dimension RxL equipment (Siemens, São Paulo, SP, Brazil) and collected (4ml) in a tube with anticoagulant ethylenediaminetetraacetic acid (EDTA) in order to assess hematological parameters, analyzed by Advia 2120i equipment (Siemens, São Paulo, SP, Brazil). Proteinuria was measured at admission by qualitative evaluation in isolated urine sample (Uri-Color Check reactive strip from WAMA Diagnóstica, São Carlos, SP, Brazil).

    Data were collected from the electronic medical records of pregnant women and their respective neonates in the University Hospitals Management Application (AGHU). The distribution of continuous variables was assessed by the Shapiro-Wilk test, and all variables were considered nonparametric. Non-parametric data were 

    analyzed by the Mann-Whitney test and correlated by Spearman. Regarding differences between categorical variables, these were tested by chi-square analysis.  The evaluations were performed using SPSS Statistics version 20.0 (IBM, New York, USA). P values lower than 0.05 were considered statistically significant.

     Among the results obtained we can highlight that 28 (87.5%) of the pregnant women were admitted to the high-risk sector, 12 (92.3%) from the negative or trace proteinuria group and 16 (84.2%) from the proteinuria ≥1+ group, the predominant route of delivery was cesarean section, most of the NB presented prematurity, low birth weight, and most of them required hospitalization (p=0.007). In addition, 15 (78.9%) RNs in the proteinuria ≥ 1+ group required ventilatory support (p=0.020). Differences were observed between groups regarding diastolic blood pressure at the time of delivery (p<0.018), uric acid (p<0.012), urea (p<0.030), AST (p<0.001), ALT (p<0.033), LDH (p<0.005), total protein (p<0.004), albumin (p<0.001). The main positive correlations observed were between maternal age and total proteins (r=0.404; p<0.024), birth weight and total protein (r=0.511; p<0.009) and LDH and AST (r=0.727;p=0.001), the negative correlations observed were blood pressure at delivery and total proteins (r=0.670; p=0.001), total proteins and AST (r=0.719;p=0.001), albumin and AST (r=0.728;p=0.001), Albumin and total proteins (r=0.882;p=0.001), urea and GI at birth (r=0.721;p=0.001), Urea and birth weight (r=0.667;p<0.001).Thus, proteinúria was associated to poorer mother and neonatal outcomes.

6
  • MARIA APARECIDA FELICIANO DE SOUZA
  • Expressão de dupla coloração de P16/KI-67 em citologia líquida em amostras de câncer cervical: uma revisão de escopo.

  • Orientador : JANAINA CRISTIANA DE OLIVEIRA CRISPIM FREITAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DEYSE DE SOUZA DANTAS
  • JANAINA CRISTIANA DE OLIVEIRA CRISPIM FREITAS
  • KLEYTON SANTOS DE MEDEIROS
  • Data: 16/10/2023

  • Mostrar Resumo
  • Esta revisão tem como objetivo apresentar uma visão geral acerca da expressão da dupla-coloração (DS) p16/Ki-67 em citologia de Base líquida (LBC), em amostras de pacientes com câncer cervical (CC). Material e Métodos: Esta revisão de escopo foi desenvolvida seguindo as diretrizes para revisões sistemáticas e meta-análises para revisões de escopo (PRISMA-ScR). Uma pesquisa bibliográfica usando as bases de dados eletrônicas PubMed, Lilacs, Web of Science e Scopus foi conduzida para identificar estudos que usaram DC para expressão de p16/Ki-67 em CC em imunocitoquímica em LBC. O processo de seleção e extração de dados de forma pareada e independente. A qualidade dos estudos incluídos foi avaliada usando os níveis de evidência do Joanna Briggs Institute Levels of Evidence. A revisão foi registrada no Open Science Framework (OSF): DOI 10.17605/OSF.IO/9MUBQ. Resultados: Dos 149 estudos analisados, 7 estudos, publicados entre janeiro de 2018 e maio de 2023, foram incluídos na síntese qualitativa. Como parâmetros de expressão, p16/Ki-67 foi relatado para DS em LBC em CC. Além disso, verificamos que p16/Ki-67 na amostra de LBC foram expressos em carcinoma de células escamosas (SCC). Conclusões: O estudo sugeriu que a DS p16/Ki-67 está mais frequentemente relacionada ao grupo CC quando comparada ao grupo HSIL e NILM.


  • Mostrar Abstract
  • This review aims to present an overview of p16/Ki-67 dual-staining (DS) expression in Liquid Based Cytology (LBC) in samples from patients with cervical cancer (CC). Material and Methods: This scoping review was developed following the guidelines for systematic reviews and meta-analyses for scoping reviews (PRISMA-ScR). A literature search using PubMed, Lilacs, Web of Science and Scopus electronic databases was conducted to identify studies that used DC for expression of p16/Ki-67 in CC in immunocytochemistry in LCB. The process of selecting and extracting data in a paired and independent way. The quality of included studies was assessed using the Joanna Briggs Institute Levels of Evidence. The review was registered in the Open Science Framework (OSF): DOI 10.17605/OSF.IO/9MUBQ. Results: Of the 149 studies analyzed, 7 studies, published between January 2018 and May 2023, were included in the qualitative synthesis. As expression parameters, p16/Ki-67 has been reported for DS in CBL in CC. Furthermore, we found that p16/Ki-67 in the CBL sample were expressed in squamous cell carcinoma (SCC). Conclusions: The study suggested that DC p16/Ki-67 is more frequently related to the CC group when compared to the HSIL and NILM group.

7
  • SUERDA EMILIANA CAVALCANTI DANTAS
  • Diagnóstico situacional das cardiopatias congênitas cirúrgicas no estado do Rio Grande do Norte.

  • Orientador : VIVIANE SOUZA DO AMARAL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CIPRIANO MAIA DE VASCONCELOS
  • DANIELLA REGINA ARANTES MARTINS SALHA
  • VIVIANE SOUZA DO AMARAL
  • Data: 20/10/2023

  • Mostrar Resumo
  • Introdução - A doença cardíaca congênita é o defeito congênito mais comum e representa 8% da mortalidade infantil, causando grande impacto na morbimortalidade na faixa etária pediátrica. Entretanto, no Brasil, a subnotificação das malformações cardíacas sugere que o diagnóstico é realizado de forma tardia, o que impede o tratamento cirúrgico precoce. No Rio Grande do Norte (RN) a dimensão dessa situação é desconhecida, necessitando de maior detalhamento, para que políticas públicas para a redução da morbimortalidade por malformações cardíacas possam ser implantadas a nível estadual. Diante deste cenário, o objetivo deste trabalho foi descrever a prevalência de doença cardíaca congênita cirúrgica infantil a partir dos casos observados no Hospital Rio Grande, único centro de referência em cirurgia cardíaca pediátrica do estado. Metodologia - Após aprovação por Comitê de Ética em Pesquisa, foi iniciado um estudo transversal com análise de prontuário eletrônico dos pacientes com cardiopatia congênita cirúrgica admitidos na UTI cardiológica pediátrica do estado,
    que funciona do Hospital Rio Grande, no período de outubro de 2018 a dezembro de 2022. Os dados coletados foram analisados, primeiramente, através de estatística descritiva utilizando o software JAMOVI 2.3.21. A frequência dos casos por município e Região de Saúde (RS) foi representada mediante mapas, utilizado o software Qgis 3.22.6. Foi também realizado um modelo linear generalizado utilizando distribuição binomial. Resultados - Ocorreram 594 admissões de crianças, com idade média à admissão de 2 anos e 1 mês, sendo 86% dos procedimentos realizados pelo SUS. Foi observado que 41,7% dos pacientes residiam na VII RS, que inclui a capital do estado e municípios adjacentes. Verificou-se maior prevalência de cardiopatias congênitas cirúrgicas nas Regiões de Saúde localizadas na faixa territorial ao sul do estado. Houve predomínio dos procedimentos classificados como escore de gravidade RACHS-1 categorias 2 (38,6%) e 3 (33,7%). Ocorreram 59 óbitos, sendo 77,9% pacientes com cardiopatias cianogênicas, com idade média de 6,9 meses. Foi observada maior mortalidade nos procedimentos RACHS-1 de categoria 6. Os fatores de risco para óbito pós-cirúrgico foram tempo de permanência em UTI (p<0,001), nível de complexidade cirúrgica (p<0,01), necessidade de reoperação (p<0,005) e diagnóstico de cardiopatia cianogênica (p<0,05). Em contrapartida, IDH municipal e distância até o serviço não tiveram associação com risco de óbito. O tempo total de internamento hospitalar foi um fator protetor de morte. Avaliação de dados do DATASUS de 2019 a 2022 indicaram um cenário de subnotificação e de déficit de procedimentos cirúrgicos no RN. Conclusão - Os resultados encontrados servem como subsídio potencial para elaboração e implantação de políticas públicas que permitam melhorar a assistência às crianças cardiopatas, desde o pré-natal ao tratamento clínico e cirúrgico, no estado do RN e em outras localidades do Brasil. Além disso, o achado de faixa territorial específica com maior prevalência de cardiopatias congênitas cirúrgicas enseja maior investigação a respeito dos fatores genéticos e ambientais envolvidos na etiologia das cardiopatias congênitas nessa região e em zonas territoriais adjacentes da região semiárida em outros estados.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction - Congenital heart defects are the most common congenital anomalies and account for 8% of infant mortality, causing a great impact on morbidity and mortality in the pediatric age group. However, in Brazil, underreporting of cardiac malformations suggests that the diagnosis is made late, which prevents early surgical treatment. In Rio Grande do Norte (RN) the dimension of this situation is unknown, requiring greater detail, so that public policies to reduce morbidity and mortality due to cardiac malformations can be implemented at the state level. Given this scenario, the objective of this study was to describe the prevalence of surgical congenital heart defects in children from the cases observed at Hospital Rio Grande, the only reference center in pediatric cardiac surgery in the state. Methodology - After approval by the Research Ethics Committee, a cross-sectional study was started with analysis of electronic medical records of patients with surgical congenital heart disease admitted to the state's pediatric cardiology ICU, which operates at Hospital Rio Grande, from October 2018 to December 2022. The collected data were analyzed, firstly, through descriptive statistics using the JAMOVI 2.3.21 software. The frequency of cases by municipality and Health Region (HR) was represented by maps, using the Qgis 3.22.6 software. A generalized linear model using binomial distribution was also performed. Results –There were 594 admissions of children, with a mean age at admission of 2 years and 1 month, with 86% of the procedures performed by the SUS. It was observed that 41.7% of the patients resided in the VII HR, which includes the state capital and adjacent municipalities. There was a higher prevalence of surgical congenital heart diseases in the Health Regions located in the territorial strip to the south of the state. There was a predominance of procedures classified as severity score RACHS-1 categories 2 (38.6%) and 3 (33.7%). There were 59 deaths, 77.9% of which were patients with cyanotic defects, with a mean age of 6.9 months. Higher mortality was observed in category 6 RACHS-1 procedures. Risk factors for postoperative death were length of stay in the ICU (p<0.001), level of surgical complexity (p<0.01), need for reoperation (p<0.005) and diagnosis of cyanotic heart disease (p<0.05). On the other hand, municipal HDI and distance to the service were not associated with risk of death. The total length of hospital stay was a protective factor for death. Evaluation of DATASUS data from 2019 to 2022 indicated a scenario of underreporting and deficit of surgical procedures in RN. Conclusion – The results found serve as potential support for the development and implementation of public policies that allow improving care for children with heart defect, from prenatal care to clinical and surgical treatment, in the state of RN and in other locations in Brazil. Furthermore, the finding of a specific territorial area with a higher prevalence of surgical congenital heart disease calls for further investigation into the genetic and environmental factors involved in the etiology of congenital heart defect in this region and in adjacent territorial areas of the semi-arid region in other states.

8
  • ANDREIA SUELLE MOURA FONSECA
  • Ferramenta gatilho para a otimização do seguimento farmacoterapêutico em gestantes de alto risco: desenvolvimento e validação.

  • Orientador : RAND RANDALL MARTINS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FRANCISCA SUELI MONTE MOREIRA
  • RAND RANDALL MARTINS
  • RODRIGO DOS SANTOS DINIZ
  • Data: 25/10/2023

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: a farmácia clínica busca melhorar os cuidados a farmacoterapia e utiliza estratégias e ferramentas para esse fim. Contudo, inexistem ferramentas voltadas para o cuidado farmacêutico a gestantes de alto risco. Objetivo: desenvolver e validar uma ferramenta gatilho para otimizara identificação de problemas relacionados a medicamentos (PRM) em gestantes hospitalizadas. Métodos: estudo observacional descritivo desenvolvido em uma maternidade escola brasileira setembro de 2019 a julho de 2022. A partir do perfil e frequência de prescrição, os principais parâmetros de monitorização de efetividade e segurança foram empregados para o desenvolvimento de gatilhos. A ferramenta gatilho foi validada com 150 gestantes avaliadas concomitantemente pelo método SOAP por dois grupos: grupo teste (apenas aplicado o método SOAP se ao menos um gatilho positivo) e grupo standard (todas as pacientes avaliadas). A investigação envolvia identificação e caracterização de PRMs via PCNE. A ferramenta foi caracterizada quanto a acurácia, sensibilidade, especificidade e valores preditivos, além de utilizado o método de Brier para validação. Resultados: A ferramenta gatilho apresentou uma sensibilidade de 74,1% (IC95% 67,7 - 81,1), especificidade de 70,7% (IC95%63,4 - 78,0) e acurácia de 73,2 % (IC95%65,3 - 79,7). A validação interna mostrou um o score de Brier de 0,269. Conclusão: A ferramenta avaliada apresentou uma sensibilidade moderada e um valor preditivo positivo aceitável, tornando-se uma ferramenta útil na triagem inicial e
    identificação de possíveis PRM em pacientes.


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: clinical pharmacy seeks to improve pharmacotherapy care and uses strategies and tools for this purpose. However, there are no tools aimed at pharmaceutical care for high-risk pregnant women. Objective: to develop and validate a trigger tool to optimize the identification of drug-related problems (DRP) in hospitalized pregnant women. Methods: descriptive observational study developed in a Brazilian maternity hospital from September 2019 to July 2022. Based on the profile and frequency of prescription, the main parameters for monitoring effectiveness and safety were used to develop triggers. The trigger tool was validated with 150 pregnant women simultaneously evaluated using the SOAP method by two groups: test group (only applied the SOAP method if at least one positive trigger) and standard group (all patients evaluated). The investigation involved identification and characterization of PRMs via PCNE. The tool was characterized in terms of accuracy, sensitivity, specificity and predictive values, in addition to using the Brier method for validation. Results: The trigger tool had a sensitivity of 74.1% (95%CI 67.7 - 81.1), specificity of 70.7% (95%CI63.4 - 78.0) and accuracy of 73.2% ( 95%CI65.3 - 79.7). Internal validation showed a Brier score of 0.269. Conclusion: The evaluated tool showed moderate sensitivity and predictive value acceptable positive, making it a useful tool in the initial screening and identification of possible DRPs in patients.

9
  • RENATA POLLIANA DE OLIVEIRA NASCIMENTO
  • EFICÁCIA DO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO PARA VULVODÍNIA: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

  • Orientador : ANA KATHERINE DA SILVEIRA GONCALVES DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA KATHERINE DA SILVEIRA GONCALVES DE OLIVEIRA
  • MICHELLY NOBREGA MONTEIRO
  • ANA PAULA FERREIRA COSTA
  • Data: 27/10/2023

  • Mostrar Resumo
  • A vulvodinia é descrita como dor na região vulvar que pode ser espontânea ou ao toque, pode ser generalizada ou localizada sem causa identificável clara. Gerando impacto na vida das mulheres, levando à disfunção sexual, redução da autoestima e diminuição da qualidade de vida. Nosso objetivo foi avaliar a eficácia da fisioterapia nos sintomas provenientes da vulvodinia. A presente revisão sistemática foi projetada e realizada de acordo com o PRISMA (Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses). As buscas foram realizadas no PubMed, Embase, Scopus, Web of Science, SciELO, PEDro, Cochrane Central Register of Controlled Trials e ClinicalTrials.gov em fevereiro de 2023. Dois autores selecionaram e extraíram os dados independentemente. Foram incluídos artigos de texto completo de ensaios clínicos que compararam terapias físicas com nenhum tratamento ou outros tratamentos para vulvodinia. O risco de viés foi avaliado usando a ferramenta Cochrane Risk of Bias. A avaliação da força da evidência dos resultados foi realizada usando o Recommendations Assessment Development and Evaluation (GRADE). Registro no PROSPERO: CRD42023394207. Um total de 2.274 artigos foram recuperados das bases de dados. Sete estudos preencheram os critérios de inclusão e foram incluídos em uma revisão sistemática, totalizando 477 pacientes. As intervenções incluídas foram biofeedback eletromiográfico (n= 2), estimulação elétrica nervosa transcutânea TENS (n= 1), estimulação transcraniana por corrente contínua (TDSC) (n= 1), onda de choque de baixa intensidade (LISWT) (n= 1), tratamento fisioterapêutico (n= 1), e exercício do assoalho pélvico mais modificações comportamentais (n= 1). Dos sete estudos presentes no artigo, todos avaliaram a redução da dor, cinco avaliaram a função sexual e dois avaliaram a qualidade de vida. Todas as intervenções foram eficazes para os principais resultados; apenas a intervenção TDSC não teve diferença significativa quando comparada ao grupo placebo (Sham). Três estudos apresentaram alto risco de viés devido principalmente à falta de cegamento dos estudos. As intervenções estudadas (biofeedback eletromiográfico, TENS, ondas de choque, fisioterapia e exercícios do assoalho pélvico) parecem melhorar a dor, a função sexual e a qualidade de vida. No entanto, a heterogeneidade dos estudos impediu a metanálise. Além disso, estudos bem desenhados são necessários para melhorar a certeza das evidências.


  • Mostrar Abstract
  • Background: Vulvodynia is described as pain in the vulvar region that impacts dramatically women's lives leading to sexual dysfunction, reduction in self-esteem and decrease in the quality of life. Neurologic (central and peripheral) mechanisms may be associated to this condition, thus systematic reviews focusing the efficacy and benefits of physiotherapy on this population are necessary for consolidated evidence to aid clinical practice. Objectives: To assess the efficacy of physiotherapy for vulvodynia. Methods: The present systematic review was designed and reported according to the PRISMA (Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses). PubMed, Embase, Scopus, Web of Science, SciELO, PEDro, Cochrane Central Register of Controlled Trials, and ClinicalTrials.gov were searched on February 2023. Two authors selected and extracted the data independently. The risk of bias was assessed using the Cochrane Risk of Bias tool (Rob 2). Due to the high heterogeneity presented between the studies, it was not possible to carry out the qualitative analysis. The results were presented in narratively. PROSPERO registration: CRD42023394207. Results: A total of 2.274 articles were retrieved from the databases. Seven studies met the criteria and were included in a systematic review, a total of 477 patients. The interventions included were electromyography biofeedback (n= 2), Transcutaneous electrical nerve stimulation TENS (n= 1), Transcranial direct current stimulation (TDSC) (n= 1), LowIntensity Shockwave (LISWT) (n= 1), physiotherapy treatment (n= 1), and pelvic floor exercise more behavioral modifications (n= 1). Of the seven studies present in the article, all evaluated pain reduction, five evaluated sexual function, and two evaluated qualities of life. All interventions were effective for the main outcomes; only the TDSC intervention had no significant difference when compared to the placebo group (Sham). Three studies presented a high risk of bias due to the lack of studies blinding. Conclusions: The studied interventions (electromyography biofeedback, TENS, Shockwave, physiotherapy, and pelvic floor exercise) seem to improve pain, sexual function, and quality of life. However, the heterogeneity of the studies prevented the metaanalysis. Additionally, well-designed trials are needed to improve the certainty of the evidence.

10
  • MARCELA QUEIROZ LOPES DE MELO MARTINS
  • Avaliação de citocinas em mulheres com infertilidade submetidas à fertilização in vitro antes e após protocolo de estimulação ovariana.

  • Orientador : JANAINA CRISTIANA DE OLIVEIRA CRISPIM FREITAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JULIANA MEOLA LOVATO
  • DANIEL CARLOS FERREIRA LANZA
  • JANAINA CRISTIANA DE OLIVEIRA CRISPIM FREITAS
  • Data: 30/10/2023

  • Mostrar Resumo
  • A busca por biomarcadores que tenham um valor preditivo e prognóstico na fisiopatologia do processo de  infertilidade conjugal é um dos objetivos no campo de estudo da imunobiologia reprodutiva. Sabe-se que moléculas imunoregulatórias e a expressão de mediadores pró/anti-inflamatório têm uma contribuição na  edicina reprodutiva. No entanto, o papel dessas moléculas na fisiopatogênese da infertilidade ainda é desconhecido. Este trabalho tem como objetivo avaliar a expressão proteica do eixo de citocinas das respostas Th1, Th2 e Th17 em mulheres que apresentam quadro de infertilidade antes e após protocolo de estimulação ovariana. Foi realizado um estudo piloto do tipo coorte prospectivo com 20 mulheres seguidas pelo ambulatório de reprodução assistida no período de setembro de 2021 a setembro de 2022 em um Hospital Universitário. Como critério de inclusão, selecionamos mulheres maiores de 18 anos com diagnóstico de infertilidade por diferentes etiologias com indicação clínica para o tratamento de Fertilização in vitro (FIV). Não participaram do estudo mulheres com doenças autoimunes, imunodeficiências, doenças crônicas e síndromes genéticas ligadas aos cromossomos sexuais. Foi coletado 5ml de sangue total por punção venosa para a quantificação de citocinas por citometria de fluxo em dois diferentes momentos: Tempo 0: Antes do início do protocolo de estimulação ovariana (sem medicação) e no tempo 1: No dia da punção ovariana para coleta de oócitos (após medicação para estimulação ovariana). Para análise estatística foi realizada a correlação de Spearman com valores p&lt;0,05. Observou-se uma correlação negativa entre a taxa de fertilização e a produção de TNF-α (p0,041) independente da resposta Th17. Nesse contexto, observamos uma modulação da resposta Th1, sugerindo uma contribuição da resposta imune adaptativa bem como modulação das citocinas pro inflamatórias no processo de maturação oocitária e de fertilização sugerindo uma contribuição da resposta imune na fertilidade. Estratégias para regular essa imunomodulação são ainda pouco estudadas.


  • Mostrar Abstract
  • The search for biomarkers that have a predictive and prognostic value in the pathophysiology of the infertility process between couples is one of the objectives of reproductive immunobiology studies. It is known that immunoregulatory molecules and expression of pro/anti-inflammatory mediators have a contribution in reproductive medicine. However, the role of these molecules in the physio pathogenesis of infertility is still unknown. This study aims to evaluate the protein expression of the cytokine axis of Th1, Th2 and Th17 responses in women who present infertility before and after ovarian stimulation protocol. A prospective cohort pilot study was conducted with 20 women followed by the assisted reproduction outpatient clinic from September 2021 to September 2022 at a University Hospital. As an inclusion criterion, we selected women over 18 years of age diagnosed with infertility due to different etiologies and causes with clinical indication for the treatment of in vitro fertilization (IVF). Women with autoimmune diseases, immunodeficiencies, chronic diseases and genetic syndromes linked to sex chromosomes did not participate in the study. 5ml of whole blood was collected by venous puncture for the quantification of cytokines by flow cytometry at two different times: Time 0: Before the start of the ovarian stimulation protocol (without medication) and at time 1: On the day of ovarian puncture for collection of oocytes (after medication for ovarian stimulation). For statistical analysis, Spearman correlation with p&lt;0.05 values was performed. We observed a negative correlation between the fertilization rate and the production of TNF-α (p0.041) independent of the Th17 response. In this context, we observed a modulation of the Th1 response, suggesting a contribution of the adaptive immune response, as well as modulation of pro-inflammatory cytokines in the process of oocyte maturation and fertilization, suggesting a contribution of the immune response in fertility. Strategies to regulate this immunomodulation are still poorly studied.

11
  • AMANDA GABRIELA ARAUJO DA SILVA
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE O CONSUMO DE ALIMENTOS ULTRAPROCESSADOS E O PERFIL GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL E SEUS RECÉM-NASCIDOS

  • Orientador : KARLA DANIELLY DA SILVA RIBEIRO RODRIGUES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FERNANDA RAUBER
  • DANIELLE SOARES BEZERRA
  • KARLA DANIELLY DA SILVA RIBEIRO RODRIGUES
  • Data: 29/11/2023

  • Mostrar Resumo
  • O alto consumo de alimentos ultraprocessados (AUP) tem provocado efeitos desfavoráveis na saúde da população e na qualidade nutricional da dieta, porém, ainda são escassos estudos que avaliam o impacto desse consumo em desfechos metabólicos dos pares mãe-filho na Diabetes Mellitus Gestacional (DMG). Assim, o objetivo do trabalho foi avaliar a associação entre o consumo de AUP e o perfil glicêmico de mulheres com DMG acompanhadas em um ambulatório de pré-natal de alto risco e na ocorrência de hipoglicemia de seus recém-nascidos. O estudo foi observacional, longitudinal, prospectivo, do tipo coorte, com mulheres com diagnóstico de
    DMG e seus recém-nascidos. A coleta de dados aconteceu em no mínimo dois momentos durante a assistência pré-natal (durante o 2º e 3º trimestre de gestação) e no pós parto imediato. A avaliação do consumo alimentar foi realizada segundo a classificação NOVA, sendo os pares agrupados segundo tercis de contribuição energética de AUP na dieta. O perfil glicêmico foi avaliado pela glicemia de jejum, automonitoramento da glicemia capilar (jejum, uma hora após café, uma hora após almoço e uma hora após jantar) em gestantes, e segundo glicemia capilar de seus neonatos nas primeiras 48 horas de vida. Análises de regressão logística binária foram realizadas para avaliar a relação do aumento da participação de AUP considerando o tercil mais alto de consumo de AUP como categoria de referência, no controle da glicemia de mulheres com DMG nos tempos da pesquisa e da ocorrência de hipoglicemia nos seus neonatos (&lt;50 mg/dL). Participaram do estudo 94 pares, cujo consumo médio calórico das mulheres foi de 1.936 Kcal (1228 – 3124 Kcal), com 15% da energia proveniente dos AUP. Quanto ao perfil glicêmico, 33,3% (n=30) e 52,3% (n=45) delas apresentaram hiperglicemia no segundo e no terceiro trimestre de gestação, respectivamente. Observou-se que o consumo de AUP não teve associação significativa com o controle glicêmico materna, porém mostrou associação positiva com a ocorrência de hipoglicemia neonatal (OR: 1,14; IC95%:1,037-1,262; p=0,007). Assim, os dados sugerem que o consumo de AUP pode impactar na ocorrência de hipoglicemia neonatal em recém-nascidos de gestantes de alto risco, reforçando a inclusão das diretrizes para promoção da alimentação saudável na gestação nos protocolos de assistência nutricional para gestantes com DMG.


  • Mostrar Abstract
  • The high consumption of ultra-processed foods (UPF) has caused unfavorable effects on the health of the population and on the nutritional quality of the diet, however, there are still few studies that evaluate the impact of this consumption on metabolic outcomes of mother-child pairs in Gestational Diabetes Mellitus (DMG). Thus, the objective of the study was to evaluate the association between UPF consumption and the glycemic profile of women with GDM followed at a high-risk prenatal clinic and the occurrence of hypoglycemia in their newborns. The study was observational, longitudinal, prospective, cohort, with women diagnosed with GDM and their newborns. Data collection took place at least two times during prenatal care (during the 2nd and 3rd trimester of pregnancy) and immediately after birth. The assessment of food consumption was carried out according to the NOVA classification, with pairs grouped according to tertiles of energy contribution of UPF in the diet. The glycemic profile was assessed by fasting blood glucose, self-monitoring of capillary blood glucose (fasting, one hour after breakfast, one hour after lunch and one hour after dinner) in pregnant women, and according to capillary blood glucose levels in their newborns in the first 48 hours of life. Binary logistic regression analyzes were performed to evaluate the relationship between the increase in UPF participation, considering the highest tertile of UPF consumption as a reference category, in the control of glycemia in women with GDM at the time of the research and the occurrence of hypoglycemia in their neonates (&lt;50 mg/dL). 94 couples participated in the study, whose average caloric intake for women was 1,936 Kcal (1228 – 3124 Kcal), with 15% of the energy coming from UPF. Regarding the glycemic profile, 33.3% (n=30) and 52.3% (n=45) of them presented hyperglycemia in the second and third trimester of pregnancy, respectively. It was observed that UPF consumption had no significant association with maternal glycemic control, but showed a positive association with the occurrence of neonatal hypoglycemia (OR: 1.14; 95% CI: 1.037-1.262; p=0.007). Thus, the data suggest that the consumption of UPF can impact the occurrence of neonatal hypoglycemia in newborns of high-risk pregnant women, reinforcing the inclusion of guidelines for promoting healthy eating during pregnancy in nutritional assistance protocols for pregnant women with GDM.

12
  • HÍVILA NAYANNA DA SILVA MOREIRA
  • Fator tumoral de Wilms 1 como biomarcador na pré-eclâmpsia.

  • Orientador : MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JEFFERSON ROMÁRYO DUARTE DA LUZ
  • MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • VICTOR HUGO REZENDE DUARTE
  • Data: 21/12/2023

  • Mostrar Resumo
  • A pré-eclâmpsia (PE) é um distúrbio multissistêmico da gravidez associado à hipertensão de início recente, a partir de 20 semanas de gestação. Outros sinais e sintomas podem estar presentes, como proteinúria, trombocitopenia e/ou hemólise, alteração hepática, dor epigástrica, alteração renal, cefaleia e distúrbios visuais. De acordo com o momento do desenvolvimento da doença, a PE pode ser classificada em precoce ou tardia, com diferentes processos fisiopatológicos associados. Nos últimos anos, estudos de danos renais relacionados à PE têm mostrado associação com os podócitos. Portanto, biomarcadores podocitários, como o fator tumoral de Wilms 1 (WT-1), vêm sendo estudados. Diante disto, o presente estudo buscou avaliar a expressão do WT-1, presente nas vesículas extracelulares urinárias (VEus), a fim de investigar seu potencial como biomarcador na pré-eclâmpsia. Foram incluídas no estudo 23 gestantes com pré-eclâmpsia e 9 gestantes normotensas. As gestantes com PE foram classificadas, ainda, quanto ao período de desenvolvimento da PE, assim como, quanto a apresentar hipertensão resistente ou não. A quantificação do WT-1 presente nas VEus foi realizada por Western-blot, após isolamento das vesículas por ultracentrifugação. Além disso, foram determinados parâmetros bioquímicos séricos e coletados dados demográficos para caracterização da população estudada. Embora tenham sido encontradas diferenças significativas para o WT-1 nos grupos PE comparados com o grupo controle, não foi observada diferença entre os grupos com PE. Assim, sugere-se que o WT-1 tem potencial como marcador da doença.


  • Mostrar Abstract
  • Preeclampsia (PE) is a pregnancy multisystemic injury characterized associated to hypertension, since the 20th week of pregnancy. Other signal and symptoms may be present, including proteinuria, thrombocytopenia, and/or hemolysis, kidney and liver injury, epigastric pain, headache and visual injuries. According to the moment of onset, PE may be classified in early or late, with different associated pathophysiological processes. In recent years, studies of PE related kidney damage have shown an association with podocytes. Therefore, podocyte biomarkers, such as Wilms’ Tumour 1 (WT-1), have been studied. Given this, the present study sought to evaluate the expression of WT-1, present in urinary extracellular vesicles (EVs), in order to investigate its potential as a biomarker in pre-eclampsia. 23 pregnant women with preeclampsia and 9 normotensive pregnant women were included in the study. Pregnant women with PE were also classified according to the period of development of PE, as well as whether they had resistant hypertension or not. Quantification of WT-1 present in EVs was performed by Western-blot, after isolation of the vesicles by ultracentrifugation. In addition, serum biochemical parameters were determined and demographic data was collected to characterize the studied population. Although significant differences were found for WT-1 in the PE groups compared to the control group, no difference was observed between the PE groups. Thus, it is suggested that WT-1 has potential as a disease marker.

13
  • MARIA CLARA DE ARAUJO SILVA CAVALCANTI
  • Associação entre as concentrações de 25-hidroxivitamina D em gestantes com pré-eclâmpsia e os desfechos neonatais.

  • Orientador : MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANNA CHRISTINA DO NASCIMENTO GRANJEIRO BARRETO
  • DANIELLA REGINA ARANTES MARTINS SALHA
  • MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
  • Data: 22/12/2023

  • Mostrar Resumo
  • A pré-eclâmpsia é uma doença multifatorial e multissistêmica, específica da gestação, que se manifesta em gestante previamente normotensa, após a 20a semana de gestação. Por seu caráter sistêmico ela está associada a situações de gravidade materna, perinatal e neonatal. A hipovitaminose D está relacionada com a pré-eclâmpsia, aumenta o risco de parto prematuro, baixo peso ao nascer, displasia broncopulmonar, síndrome do desconforto respiratório e sepse neonatal, sugerindo um papel protetor desta vitamina na interface materno-fetal. O objetivo do estudo é determinar a associação entre as concentrações de 25-hidroxivitamina D de gestantes com pré-eclâmpsia e os desfechos neonatais. Até o momento foram incluídas no estudo 7 gestantes e seus recém-nascidos, cujas mães, com idade superior a 18 anos foram previamente diagnosticadas com pré-eclâmpsia e foram acompanhadas pelo grupo de pesquisa. A vitamina D foi dosada por quimioluminescência e os dados coletados em prontuário eletrônico. Para análise estatística foi aplicada a correlação de Spearman. Para as variáveis contínuas foi determinada o valor da mediana dentro do intervalo interquartílico referente ao percentil 25 e 75. O valor de P < 0,05 foi considerado estatisticamente significativo. Como dados do perfil materno tivemos uma média de idade de 28,4 anos. O índice de massa corporal das gestantes as classificou como obesas e o tempo médio de exposição solar foi de 2,7 horas. A concentração sérica média de vitamina D nas gestantes foi 29,1 ng/mL. Todos os recém-nascidos nasceram de parto cesáreo, 57,1% foram do sexo feminino, a idade gestacional e o peso médio ao nascer foram de 35,4 semanas e 2580g, respectivamente. Todos os RNs ficaram internados na MEJC. O tempo médio de internação na UTIN e nas demais enfermarias foi 32,3 e 7,4 dias, respectivamente. Nenhum óbito foi registrado entre os participantes maternos e neonatais. Devido ao tamanho insuficiente da amostra até o momento, não foi possível correlacionar os níveis de vitamina D maternos com a pré-eclâmpsia e os desfechos neonatais. Assim, foi relizada uma caracterização da amostra. 


  • Mostrar Abstract
  • Preeclampsia is a multifactorial and multisystem disease, specific to pregnancy, which manifests itself in previously normotensive pregnant women after the 20th week of pregnancy. Due to its systemic character, it is associated with maternal, perinatal and neonatal severity situations. Hypovitaminosis D is related to preeclampsia, increases the risk of premature birth, low birth weight, metabolic bone disease, bronchopulmonary dysplasia,  respiratory distress syndrome and neonatal sepsis, suggesting a protective role for this vitamin in the maternal-fetal interface. The aim of the study is to determine the association between 25-hydroxyvitamin D concentrations in pregnant women with preeclampsia and neonatal outcomes. So far, 7 pregnant women and their newborns have been included in the study, whose mothers, aged over 18 years, were previously diagnosed with preeclampsia and were followed up by the research group. Vitamin D was measured by chemiluminescence and data collected from electronic medical records. For statistical analysis, Spearman's aid was applied. For continuous variables, the median value was determined within the interquartile range referring to the 25th and 75th percentiles. P value < 0.05 was considered statistically significant. As the maternal profile data had a mean age of 28.4 years. The pregnant women's body mass index was classified as obese and the average time of sun exposure was 2.7 hours. The mean serum concentration vitamin D in pregnant women was 29.1 ng/mL. All newborns were born by cesarean delivery, 57.1% were female, gestational age and mean birth weight were 35.4 weeks and 2580g, respectively. All RNs were admitted to the MEJC. The mean length of stay in the NICU and in the other wards was 32.3 and 7.4 days, respectively. No deaths were recorded among maternal and neonatal participants. Due to insufficient sample size to date, it has not been possible to correlate maternal vitamin D levels with preeclampsia and neonatal deaths. Thus, the characterization of the sample was carried out.

2022
Dissertações
1
  • MAIARA COSTA DE OLIVEIRA
  • Rumo A Maternidade: Validação De Um Aplicativo De Telemonitoramento Para Mulheres Gestantes.

  • Orientador : MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • ANNA GISELLE CAMARA DANTAS RIBEIRO RODRIGUES
  • BELISA DUARTE RIBEIRO
  • Data: 27/09/2022

  • Mostrar Resumo
  • O período gestacional como também o início do trabalho de parto, evolução do parto e pós-parto são momentos vivenciados com grande expectativa pela mulher como também pela família. É esperado que essa fase que antecede o parto seja marcada pela ansiedade. Fato este que favorece a antecipação de idas às maternidades mesmo que não seja observado o trabalho de parto na fase ativa. Assim, o objetivo deste estudo é desenvolver e validar um aplicativo de telemonitoramento de gestantes no último trimestre gestacional. Trata-se de um estudo de validação envolvendo 40 participantes, sendo destes 10 profissionais da área da obstetrícia, 10 da área de tecnologia e 20 gestantes a partir da 36ª semana de gestação. Os participantes da saúde avaliaram o conteúdo do aplicativo por meio do Content Validity Index, os profissionais da tecnologia responderam a parte do questionário sobre a aparência do software e todos, incluindo as gestantes, responderam ao System Usability Scale, para avaliar a usabilidade. O aplicativo “Rumo à maternidade” foi desenvolvido com tecnologia React Native e apresenta três interfaces: Informativo, Registro de Sintomas e Minha Gestação. Observou-se que o score final do Content Validity Index foi de 0,91 para conteúdo e 0,78 para aparência. O resultado da usabilidade mostrou um valor de 0,85. Uma vez que os scores obtidos pelas avaliações foram mantidos dentro da faixa esperada para o uso do aplicativo, não foram necessárias entrevistas adicionais para a validação da ferramenta. É possível concluir que o aplicativo ‘Rumo à Maternidade’ desenvolvido e validado para o uso em língua portuguesa no Brasil, é uma ferramenta útil com boa aceitação para uso com o intuito de promover educação em saúde no terceiro trimestre de gestação e facilitar a identificação do trabalho de parto.


  • Mostrar Abstract
  • Pregnancy, the latent phase of labor, labor, and the puerperiumare are periods of
    increased expectancy not only of the woman but also of the complete family. This
    phase of life is expected to be marked by anxiety, which may favor the anticipation of
    hospital departure before the active phase of labor. Therefore, this study aimed to
    develop and validate a telemonitoring mobile application for pregnant women in their
    last gestational trimester. This validation study involved 40 volunteers, of whom 10
    were obstetrician professionals, 10 were professionals of technology, and 20 were
    pregnant women of at least 36 weeks of gestation. The health professionals evaluated
    the app content through the Content Validity Index, the technology professionals
    through the software appearance questionnaire, and the pregnant volunteers through
    the System Usability Scale to evaluate the app usability. The “Rumo à maternidade”
    app was developed with React Native technology and is composed of three interfaces
    as follows: Educational, Symptoms Record, and My Pregnancy. The final score of the
    Content Validity Index was 0.91 for content and 0.78 for appearance. Additionally,
    the usability score was 0.85. Once all obtained scores were in the expected range for
    the app usage, additional interviews were not necessary. To conclude, the mobile app
    “Rumo à Maternidade,” which was developed and validated in the Portuguese
    language in Brazil, is a helpful tool with good usage acceptance to promote health
    education during the third trimester of pregnancy and facilitate labor identification.

2
  • JÉSSIKA ALINE DO NASCIMENTO MEDEIROS
  • "Caracterização do perfil de citocinas do eixo Th1/Th2 e Th17 e do polimorfismo gênico de pacientes com câncer cervical."

  • Orientador : JANAINA CRISTIANA DE OLIVEIRA CRISPIM FREITAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JANAINA CRISTIANA DE OLIVEIRA CRISPIM FREITAS
  • PAULA RENATA LIMA MACHADO
  • MARCIA EDILAINE LOPES CONSOLARO
  • Data: 24/10/2022

  • Mostrar Resumo
  • O câncer de colo de útero (CCU) é um problema de saúde pública que acomete inúmeras mulheres em todo o mundo e sua etiologia e patogenia estão intrinsecamente ligadas ao Papilomavírus Humano (HPV), representando a quarta causa de mortes entre as mulheres. Estimativas relatam que cerca de 80% das mulheres sexualmente ativas irão adquirir uma infecção ao longo da vida. Sabe-se que o sistema imune do hospedeiro, na grande maioria dos casos, consegue eliminar o vírus HPV, porém em alguns casos a paciente evoluirá para infecção persistente, que culminará com o surgimento do câncer cervical. Considerando a importância do sistema imune nesse processo, fazse necessário a compreensão das células e mecanismos envolvidos. Portanto, avaliar o padrão células T helper 1, 2 e 17 (Th1, Th2 e Th17) via quantificação de citocinas e associar o polimorfismo gênico do eixo IL-17-RA17 é o objetivo do presente estudo. Trata-se de um estudo observacional do tipo casocontrole, com aquisição dos dados e amostras de forma retrospectiva, tendo sido coletados no período de 2015 a 2019, sendo a população de estudo foi composta por 428 amostras de um grupo de pacientes com indicação de lesão intraepitelial e câncer cervical do ambulatório de Patologia Cervical e Oncologia da Maternidade Escola Januário Cicco e o Hospital Luiz Antônio da Liga Contra o Câncer, as mesmas foram estratificadas em 104 (24 %) com câncer cervical (CC), 125 (29 %) com lesão de alto grau, 86 (20 %) com lesão de baixo grau, 104 (24%) eram NILM, e 9 (3%) de lesões indeterminadas, sendo as pacientes identificadas como NILM classificadas como controle, nesse estudo. A execução desse trabalho envolve a realização do polimorfismo gênico de IL17A e IL17RA nas seguintes etapas: extração e quantificação de DNA; Reação em Cadeia da Polimerase (PCR); e eletroforese, enquanto a quantificação de citocinas foi realizada por meio do kit para citocinas BD™ Cytometric Bead Array (CBA) Human Th1/Th2/Th17. Em nossa casuística os dados apontaram que parece não haver associação do polimorfismo gênico do eixo IL-17-RA17 com o diagnóstico de CCU, ademais em nosso estudo as citocinas apresentaram valores abaixo do limite de detecção, o que pode ser justificado pela ação do HPV ser um vírus pouco citopático, imperceptível ao sistema imunológico.


  • Mostrar Abstract
  • Cervical cancer (CCU) is a public health problem that affects many women around the world and its etiology and pathogenesis are intrinsically linked to Human Papillomavirus (HPV), representing the fourth cause of death among women. Estimates report that about 80% of sexually active women will acquire an infection in their lifetime. It is known that the host's immune system, in most cases, is able to eliminate the HPV virus, but in some cases the patient will develop a persistent infection, which will culminate in the emergence of cervical cancer. Considering the importance of the immune system in this process, it is necessary to understand the cells and mechanisms involved. Therefore, evaluating the T helper cell pattern 1, 2 and 17 (Th1, Th2 and Th17) via cytokine quantification and associating the gene polymorphism of the IL-17-RA17 axis is the objective of the present study. This is a case-control observational study, with retrospective data and samples acquisition, having been collected from 2015 to 2019, and the study population consisted of 428 samples from a group of patients with indication of intraepithelial lesion and cervical cancer at the Cervical Pathology and Oncology outpatient clinic of the Januário Cicco Maternity School and the Hospital Luiz Antônio da Liga Contra o Câncer, they were stratified into 104 (24 %) with cervical cancer (CC), 125 (29 % ) with high-grade lesions, 86 (20%) with low-grade lesions, 104 (24%) were NILM, and 9 (3%) had indeterminate lesions, and the patients identified as NILM were classified as controls in this study. The execution of this work involves carrying out the gene polymorphism of IL17A and IL17RA in the following steps: DNA extraction and quantification; Polymerase Chain Reaction (PCR); and electrophoresis, while cytokine quantification was performed using the BD™ Cytometric Bead Array (CBA) Human Th1/Th2/Th17 cytokine kit. In our series, the data showed that there seems to be no association between the gene polymorphism of the IL-17-RA17 axis and the diagnosis of CC, in addition, in our study, the cytokines presented values below the detection limit, which can be justified by the action of HPV being a little cytopathic virus, imperceptible to the immune system.

3
  • ARTHUR NORONHA COSTA DO NASCIMENTO
  • TRANSMISSÃO PERINATAL DO CITOMEGALOVÍRUS EM RECÉM-NASCIDOS PRÉ-TERMO ATRAVÉS DO LEITE MATERNO.

  • Orientador : PAULA RENATA LIMA MACHADO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • PAULA RENATA LIMA MACHADO
  • NAYARA GONÇALVES BARBOSA
  • KLEBER JUVENAL SILVA FARIAS
  • Data: 27/10/2022

  • Mostrar Resumo
  • O Citomegalovírus humano (CMV) é um vírus de DNA linear de cadeia dupla e possui uma ampla distribuição mundial, variando a sua soroprevalência conforme diversos fatores epidemiológicos. A amamentação representa uma importante via de transmissão de várias infecções da mãe para o filho incluindo a infecção perinatal por CMV. O presente estudo justifica-se pela necessidade de trabalhos que abordem a incidência de casos da transmissão perinatal e a correlação com os fatores de risco e o desfecho clínico dos neonatos prematuros, contribuindo com a melhor decisão a ser tomada para o aleitamento materno, pesando os riscos e benefícios e, por conseguinte, adotando a melhor conduta médica nas Unidades de Terapia Intensiva de Neonatologia (UTIN) acerca da segurança do leite materno. O objetivo geral desse estudo foi avaliar a transmissão perinatal do CMV em recém-nascidos (RN) prematuros provenientes de uma UTIN através do aleitamento materno. O estudo foi observacional, de coorte longitudinal, prospectivo, envolvendo RNs prematuros internados na UTIN da Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC) durante o período de 30 de setembro de 2021 a 2 de junho de 2022 com idade gestacional inferior a 33 semanas ou peso ao nascimento inferior a 1500g, excluindo-se os casos de malformações graves ao nascimento. Todas as mães foram submetidas a coletas de sangue após o parto e testadas quanto à soropositividade para o CMV. Já as amostras biológicas de urina dos prematuros e o leite materno foram submetidas às técnicas de biologia molecular (extração, PCR e eletroforese). Os dados clínicos e laboratoriais foram obtidos a partir dos registros dos prontuários médicos obtidos pela equipe de Neonatologia da maternidade. Como resultados parciais, constatou-se a ocorrência de soropositividade para anticorpos IgG anti-CMV em 76/77 mães (98,70%) e de IgM em 3/77 pacientes (3,90%). A taxa de detecção do vírus no leite materno foi analisada em 21/63 (33%) mães com amostras de leite disponíveis. A incidência da infecção perinatal via leite materno foi analisada em 3/45 (6,66%) RNs com amostras de urina disponíveis. Não foi possível associar a infecção perinatal com os sintomas clínicos e os fatores de risco para o desenvolvimento da doença devido a limitada incidência de casos da infecção perinatal.


  • Mostrar Abstract
  •  

    Human cytomegalovirus (CMV) is a double-stranded linear DNA virus and has a wide distribution worldwide, with its seroprevalence varying according to several epidemiological factors. Breastfeeding represents an important route of transmission of several infections from mother to child, including perinatal CMV infection. The present study is justified by the need for studies that address the incidence of cases of perinatal transmission and the correlation with risk factors and clinical outcome of premature neonates, contributing to the best decision to be made regarding breastfeeding, weighing the risks and benefits and, therefore, adopting the best medical conduct in Neonatal Intensive Care Units (NICU) regarding the safety of breast milk. The overall objective of this study was to evaluate the perinatal transmission of CMV in premature newborns (NB) from a NICU through breastfeeding. The study was observational, longitudinal cohort, prospective, involving premature newborns admitted to the NICU of the Januário Cicco Maternity School (MEJC) during the period from September 30, 2021 to June 2, 2022 with gestational age less than 33 weeks or birth weight less than 1500g, excluding cases of severe birth defects. All mothers underwent postpartum blood draws and were tested for CMV seropositivity. The biological samples of preterm infants' urine and breast milk were submitted to molecular biology techniques (extraction, PCR, and electrophoresis). Clinical and laboratory data were obtained from medical records obtained by the Neonatology team of the maternity ward. Partial results showed seropositivity for IgG anti-CMV antibodies in 76/77 mothers (98.70%) and IgM in 3/77 patients (3.90%). The rate of virus detection in breast milk was analyzed in 21/63 (33%) mothers with available milk samples. The incidence of perinatal infection via breast milk was analyzed in 3/45 (6.66%) RNs with available urine samples. It was not possible to associate perinatal infection with clinical symptoms and risk factors for disease development due to the limited incidence of perinatal infection cases.

4
  • AURORA TATIANA SOARES DA ROCHA
  • Predição de sucesso na inserção do catéter central de inserção periférica em recém-nascidos.

  • Orientador : SILVANA ALVES PEREIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SILVANA ALVES PEREIRA
  • CECILIA OLIVIA PARAGUAI DE OLIVEIRA SARAIVA
  • EDIENNE ROSANGELA SARMENTO DINIZ
  • Data: 31/10/2022

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: Recém-nascidos em estado crítico internados em Unidades de Terapia Intensiva Neonatais necessitam muitas vezes de terapia intravenosa prolongada para a recuperação da sua saúde e o catéter central de inserção periférica  é o mais indicado para a infusão segura dessas soluções. No entanto, a colocação deste catéter em recém-nascidos pode ser difícil, tornando-se um desafio para a equipe de enfermagem, predispondo o bebê a múltiplas punções periféricas, ao estresse e à dor. Um aspecto particularmente importante para esta população é a falta de dados sobre equações de predição para o sucesso na inserção desse dispositivo. Dessa forma, este estudo tem como objetivo desenvolver uma equação de predição para o sucesso na inserção do catéter central de inserção periférica em recém-nascidos. Métodos: Trata-se de um estudo observacional, retrospectivo, realizado com os prontuários de recém-nascidos internados na unidade de terapia intensiva neonatal que fizeram uso do catéter central de inserção periférica entre o período de agosto de 2018 a julho de 2021, cuja amostra foi de 359 recém-nascidos. Foram excluídos os dados de recém-nascidos duplicados ou preenchidos de forma incompleta e/ou incorreta. Foi considerado sucesso na inserção do catéter quando a ponta deste estava inserida no terço inferior da veia cava superior a partir de uma extremidade superior e no terço superior da veia cava inferior a partir de uma extremidade inferior. Foram aplicados testes de associação binária e regressão logística. Variáveis com p<0.05 mantiveram-se no modelo final da regressão. Resultados: Foram incluídos 359 recém-nascidos entre 23 a 41 semanas (mediana de 31 semanas e 4 dias), 284 estavam em ventilação mecânica (invasiva ou não invasiva) e 70 evoluíram para o sucesso de inserção do PICC. Ser prematuro extremo, muito prematuro e prematuro reduziu a probabilidade de sucesso do PICC em média de 31,2% (IC95%: 25,5 a 38,1%), 21,4% (IC95%: 17,8 a 25,7%) e 16,7% (IC95%: 14,0 a 19,8%) respectivamente. Além disso, estar em ventilação invasiva e não invasiva reduziu a probabilidade de sucesso do PICC em média de 82,4% (IC95%: 72,3 a 93,9%) e 85,3% (IC95%: 75,0 a 97,1%), respectivamente. Já  o peso do recém-nascido acima de 1500 gramas e o acesso realizado na região superior do corpo favoreceram  o sucesso do PICC em 2,5 e 2,93 vezes, respectivamente. A classificação do peso, idade gestacional, local de inserção e estar ou não em ventilação mecânica foram variáveis mantidas na equação. A equação preditiva para sucesso do PICC encontrada foi: OR sucesso PICC = 0,178 x (classif. IG) x (região) x (sup. vent.) x (classif. peso). Conclusão: A classificação de idade gestacional e estar em ventilação mecânica reduzem a probabilidade de sucesso na introdução do PICC. Enquanto que o peso > 1500 gramas e inserir o catéter na região superior aumentam a chance de sucesso do PICC. A equação preditiva encontrada é uma ferramenta prática e reprodutível que pode reduzir o risco e as complicações relacionadas ao insucesso na inserção do catéter.

  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Newborns in critical condition hospitalized in Neonatal Intensive Care Units often need prolonged intravenous therapy for the recovery of their health and the peripherally inserted central catheter is the most indicated for the safe infusion of these solutions. However, the placement of this catheter in newborns can be difficult, becoming a challenge for the nursing team, predisposing the baby to multiple peripheral punctures, stress and pain. A particularly important aspect for this population is the lack of data on prediction equations for successful insertion of this device. Thus, this study aims to develop a prediction equation for success in peripherally inserted central catheter insertion in newborns. Methods: This is an observational, retrospective study carried out with the medical records of newborns admitted to the neonatal intensive care unit who used peripherally inserted central catheters between August 2018 and July 2021, whose sample was 359 newborns. Data on duplicated or incompletely and/or incorrectly completed newborns were excluded. Catheter insertion was considered successful when the tip of the catheter was inserted into the lower third of the superior vena cava from an upper extremity and into the upper third of the inferior vena cava from a lower extremity. Binary association tests and logistic regression were applied. Variables with p<0.05 remained in the final regression model. Results: 359 newborns were included between 23 and 41 weeks (median of 31 weeks and 4 days), 284 were on mechanical ventilation (invasive or non-invasive) and 70 progressed to successful PICC insertion. Being extremely premature, very premature and premature reduced the probability of PICC success by an average of 31.2% (95%CI: 25.5 to 38.1%), 21.4% (95%CI: 17.8 to 25. 7%) and 16.7% (95%CI: 14.0 to 19.8%) respectively. In addition, being on invasive and noninvasive ventilation reduced the probability of PICC success by an average of 82.4% (95%CI: 72.3 to 93.9%) and 85.3% (95%CI: 75.0 to 97.1%), respectively. The newborn's weight above 1500 grams and the access performed in the upper body region favored the success of the PICC in 2.5 and 2.93 times, respectively. Weight classification, gestational age, insertion site and being or not on mechanical ventilation were variables that were kept in the equation. The predictive equation for PICC success found was: OR PICC success = 0.178 x (IG classification) x (region) x (sup. vent.) x (weight classification). Conclusion: Gestational age classification and being on mechanical ventilation reduce the probability of successful introduction of PICC. While weight > 1500 grams and insertion of the catheter in the upper region increase the chance of success of the PICC. The predictive equation found is a practical and reproducible tool that can reduce the risk and complications related to unsuccessful catheter insertion.

5
  • IVETE MATIAS XAVIER
  • DESFECHOS MATERNO/FETAIS NAS SÍNDROMES HIPERTENSIVAS DA GRAVIDEZ.

  • Orientador : ANA KATHERINE DA SILVEIRA GONCALVES DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA KATHERINE DA SILVEIRA GONCALVES DE OLIVEIRA
  • ROBINSON DIAS DE MEDEIROS
  • KLEYTON SANTOS DE MEDEIROS
  • Data: 31/10/2022
    Ata de defesa assinada:

  • Mostrar Resumo
  • Objetivo: Avaliar e comparar os desfechos materno/fetais entre mulheres com distúrbios hipertensivos na gravidez (DHGs). Métodos: Estudo observacional de coorte transversal, realizado na Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC). Maternidade da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), referência para atendimento à gestante de alto risco. A população será composta por mulheres internadas com diagnóstico de Distúrbios hipertensivos gestacional. Como critérios de inclusão para a coorte será adotado: Todas as mulheres portadoras de Distúrbios hipertensivos gestacional. Serão excluídas: As pacientes com diagnóstico de Distúrbios hipertensivos gestacional associada com outras comorbidades , fumantes , dependentes químicas e sem condições de responder ao questionário. As informações serão coletadas nos prontuários das mulheres e dos seus recém-nascidos assistidos na MEJC, de junho de 2020 a junho de 2021, após o registro do projeto na Gerência de Ensino e Pesquisa (GEP) da MEJC e em seguida a aprovação pelo Comitê de Ética e Pesquisa do Hospital Universitário Onofre Lopes (CEP/HUOL). Resultados: Será realizada uma análise dos dados através do software estatístico SPSS 17.0, sendo estes apresentados em forma de quadros, gráficos e/ou tabelas. O teste de Qui-quadrado de Pearson e o teste exato de Fisher, quando pertinentes, serão usados para comparação dos resultados. A pesquisa seguirá as normas éticas e legais preconizadas pela Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde. Conclusão: Espera-se, com o conhecimento dos fatores determinantes dos Distúrbios hipertensivos gestacional possa contribuir para uma melhora no cuidado, de forma a diminuir a ocorrência das complicações desses problemas, beneficiando a gestante e o recém-nascido, bem como a equipe de saúde, com o aprimoramento do cuidado clínico ao binômio materno/fetal.


  • Mostrar Abstract
  • Objective: To assess and compare maternal/fetal outcomes among women with hypertensive disorders in pregnancy (DHGs). Methods: Cross-sectional observational study, carried out at the Januário Cicco Maternity School (MEJC). Maternity of the Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN), a reference for the care of high-risk pregnant women. The population will be composed of women hospitalized with a diagnosis of Gestational Hypertensive Disorders. As inclusion criteria for the cohort will be adopted: All women with gestational hypertensive disorders. Will be excluded: Patients diagnosed with gestational hypertensive disorders associated with other comorbidities, smokers, chemical dependents and unable to respond to the questionnaire. Information will be collected from the medical records of women and their newborns assisted at the MEJC, from June 2020 to June 2021, after the project is registered with the Teaching and Research Management (GEP) of the MEJC and after approval by the Committee of Ethics and Research of the Onofre Lopes University Hospital (CEP/HUOL). Results: Data analysis will be performed using the SPSS 17.0 statistical software, which will be presented in the form of tables, graphs and/or tables. Pearson&#39;s Chi-square test and Fisher&#39;s exact test, when relevant, will be used to compare the results. The research will follow the ethical and legal norms recommended by Resolution 466/12 of the National Health Council. Conclusion: It is hoped, with the knowledge of the determining factors of Gestational Hypertensive Disorders, can contribute to an improvement in care, in order to reduce the occurrence of complications of these problems, benefiting the pregnant woman and the newborn, as well as the health team. , with the improvement of clinical care for the maternal/fetal binomial.

6
  • TATIANA CAMILA DE LIMA ALVES DA SILVA
  • AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE FADIGA DE MULHERES NO PUERPÉRIO: UM ESTUDO DE COORTE

  • Orientador : MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA THEREZA ALBUQUERQUE BARBOSA CABRAL MICUSSI
  • ADRIANA GOMES MAGALHAES
  • GUILHERME PERTINNI DE MORAIS GOUVEIA
  • Data: 31/10/2022

  • Mostrar Resumo
  • O puerpério é um período de vulnerabilidade devido às modificações emocionais e físicas que ocorrem após o parto e que podem influenciar a qualidade de vida da mulher. Nesse contexto, a diminuição da capacidade física e mental associada à falta persistente de energia, deficiências na concentração, diminuição do tempo de repouso e sono podem favorecer a instalação da fadiga física e mental. A prevalência e incidência da fadiga no pós-parto ainda não foi estudada extensivamente e é considerada um sintoma inevitável, temporário e frequentemente vivenciado. Este estudo objetiva avaliar o nível de fadiga de mulheres no puerpério imediato e tardio e associar a fatores sociodemográficos e clínicos. Por meio de um estudo de coorte prospectivo foram recrutadas 469 mulheres em uma maternidade pública na cidade de Natal-RN, no período de Maio a Dezembro de 2021. As avaliações ocorreram no pós-parto imediato (entre 24-48 horas) e no puerpério tardio (no 1° e 3°mês após o parto). Uma ficha de avaliação contendo informações de dados sociodemográficos, clínicos, gineco-obstétrico e dados do recém-nascido foi aplicada na primeira avaliação juntamente com três questionários para avaliação da fadiga: formulário Global Short Form de saúde global autorrelatada do Sistema de informação de Medição de Resultados pelo paciente (PROMIS-GSF); inventário multidimensional de fadiga (MFI) e pictograma de fadiga. Esses dados, com exceção das informações sociodemográficas foram aplicadas um mês após a avaliação (AV2) e três mês após o parto (AV3). Foi utilizada a análise descritiva das variáveis com média, desviopadrão, mediana, percentis 25 e 75, frequências absolutas e relativas. A ANOVA de medidas repetidas foi utilizada para comparar os resultados das três avaliações de fadiga. O modelo multivariado foi ajustado para as variáveis independentes com significância ≤ 0,20 na análise bivariada e considerando a relevância clínica para a ocorrência do desfecho. A faixa etária mais prevalente foi de 26 a 34 anos, 59,5% concluíram o ensino fundamental, 47,6% apresentaram renda salarial de até um salário mínimo e 76,1% relataram ter companheiro. Nas informações obstétricas, 70,6% eram multíparas com a mediana de idade gestacional de 38 semanas, 60,5% tiveram parto normal, 95,7% amamentaram após o parto e 80,2% amamentaram em gravidezes passadas, A avaliação da fadiga nas três avaliações mostrou diferença significativa no PROMIS-GSF (p < 0,01), domínios de fadiga geral, fadiga física e redução da motivação do MFI (p < 0,01) e ao pictograma de fadiga (p < 0,01). Na AV3, o PROMIS-GSF mostrou associação da fadiga com partos prematuros (RR = 1,18; IC95%: 1,02–1,37), ausência de rede de apoio (RR = 1,14; IC95%: 1,02–1,27), baixo desempenho na amamentação (RR = 1,16; IC95%: 1,03–1,31) e maior índice de massa corporal (IMC), (RR = 1,01; IC95%: 1,005–1,018). A partir da análise dos resultados desse estudo pode-se observar a presença da fadiga no puerpério imediato e seu aumento ao longo de três meses do pós-parto. Prematuridade, ausência de rede de apoio, desempenho ruim na amamentação e maior IMC foram fatores associados a permanência da fadiga no puerpério tardio.


  • Mostrar Abstract
  • The puerperium is a period of vulnerability due to the emotional and physical changes that occur after childbirth and that can influence a woman's quality of life. In this context, the decrease in physical andmental capacity associated with a persistent lack of energy, deficiencies in concentration, decreased rest and sleep time can favor the installation of physical and mental fatigue. The prevalence and incidence of postpartum fatigue has not been studied extensively and is considered an inevitable, temporary and frequently experienced symptom. This study aims to assess the level of fatigue of women in the immediate and late postpartum period and to associate it with sociodemographic and clinical factors. Through a prospective cohort study, 469 women were recruited from a public maternity hospital in the city of Natal-RN, from May to December 2021. The evaluations took place in the immediate postpartum period (between 24-48 hours) and in the puerperium. late (in the 1st and 3rd month after delivery). An evaluation form containing information on sociodemographic, clinical, gynecological-obstetric and newborn data was applied in the first evaluation along with three questionnaires for fatigue assessment: Global Short Form of selfreported global health from the Information System of Measurement of Outcomes by patient (PROMIS-GSF); multidimensional fatigue inventory (MFI) and fatigue pictogram. These data, with the exception of sociodemographic information, were applied one month after the assessment (AV2) and three months after delivery (AV3). Descriptive analysis of variables was used with mean, standard deviation, median, 25th and 75th percentiles, absolute and relative frequencies. Repeated measures ANOVA was used to compare the results of the three fatigue assessments. The multivariate model was adjusted for independent variables with significance ≤ 0.20 in the bivariate analysis and considering the clinical relevance for the occurrence of the outcome. The most prevalent age group was 26 to 34 years old, 59.5% completed elementary school, 47.6% had a salary income of up to one minimum wage and 76.1% reported having a partner. In obstetric information, 70.6% were multiparous with a median gestational age of 38 weeks, 60.5% had normal delivery, 95.7% breastfed after delivery, and 80.2% breastfed in past pregnancies. in the three evaluations showed a significant difference in the PROMIS-GSF (p < 0.01), general fatigue domains, physical fatigue and reduced motivation of the MFI (p < 0.01) and the fatigue pictogram (p < 0.01). In AV3, the PROMIS-GSF showed an association between fatigue and premature births (RR = 1.18; 95%CI: 1.02–1.37), absence of a support network (RR = 1.14; 95%CI: 1, 02–1.27), poor breastfeeding performance (RR = 1.16; 95%CI: 1.03– 1.31) and higher body mass index (BMI), (RR = 1.01; 95%CI: 1.005 –1.018). From the analysis of the results of this study, one can observe the presence of fatigue in the immediate postpartum period and its increase over three months postpartum. Prematurity, lack of a support network, poor performance in breastfeeding and higher BMI were factors associated with the persistence of fatigue in the late postpartum period.

7
  • JÉSSICA ESCOREL CHAVES CAVALCANTI
  • Reações Adversas a Medicamentos em Gestantes Diabéticas e Hipertensas Hospitalizadas.

  • Orientador : RAND RANDALL MARTINS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RAND RANDALL MARTINS
  • RODRIGO DOS SANTOS DINIZ
  • SARA IASMIN VIEIRA CUNHA LIMA
  • Data: 06/12/2022
    Ata de defesa assinada:

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: As gestantes são particularmente vulneráveis a reações adversas a medicamentos (RAM), principalmente as diabéticas e hipertensas. A ocorrência de RAMs é um problema para segurança do paciente e qualidade do cuidado em saúde. Objetivo: Detectar a incidência e fatores associados a RAMs em gestantes diabéticas e hipertensas hospitalizadas. Método: Estudo observacional, longitudinal e prospectivo com intuito de avaliar a incidência de RAMs em gestantes diabéticas e hipertensas, suas características e os fatores relacionados à sua ocorrência, envolvendo 572 gestantes diabéticas e hipertensas. Para a determinação dos fatores associados as RAMs serão utilizadas um modelo multivariado por regressão logística. Resultados:  A taxa de incidência de RAMs foi de 634.4 ADR por 1,000 pacientes dias (95%CI: 522.7 - 787.1) e 21.5% das pacientes apresentaram pelo menos uma. A hiperglicemia, a visão turva e o aumento das transaminases foram as ADRs mais relacionadas ao uso de corticoides de uso sistêmico, antimetéicos e antinauseantes e antiadrenérico de ação central. Maior tempo de hospitalização (OR 1.052, 95%CI: 1.010 – 1.097, p = 0.016) e maior número de medicamentos prescritos (OR 1.200, 95%CI: 1.099 – 1.310, p < 0.001) foram relacionados à ocorrência de RAMs. Conclusão: Em geral, observamos que as ADRs são acometidas nas primeiras 24h e que gestantes com maior tempo de hospitalização e usando maior quantidade de medicamentos apresentam maior risco de RAM.

     


  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Pregnant women are particularly vulnerable to adverse drug reactions (ADRs), especially those with diabetes and hypertension. The occurrence of ADRs is a problem for patient safety and quality of health care. Objective: To detect the incidence and factors associated with ADRs in hospitalized diabetic and hypertensive pregnant women. Method: Observational, longitudinal and prospective study with the aim of evaluating the incidence of ADRs in diabetic and hypertensive pregnant women, their characteristics and factors related to their occurrence, involving 572 diabetic and hypertensive pregnant women. To determine the factors associated with the ADRs, a multivariate model by logistic regression will be used. Results:The incidence rate of ADRs was 634.4 ADR per 1,000 patient days (95%CI: 522.7 - 787.1) and 21.5% of patients had at least one. Hyperglycemia, blurred vision and increased transaminases were the ADRs most related to the use of systemic corticosteroids, antimetheic and anti-nausea drugs, and centrally acting anti-adrenal drugs. Longer hospitalization time (OR 1052, 95%CI: 1010 – 1097, p = 0.016) and greater number of prescribed medications (OR 1200, 95%CI: 1099 – 1310, p < 0.001) were related to the occurrence of ADRs. Conclusion: In general, we observed that ADRs are affected in the first 24 hours and that pregnant women with longer hospital stays and using more medications are at greater risk of ADR.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao