Banca de DEFESA: STEPHANY ANN COSTA ROSARIO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : STEPHANY ANN COSTA ROSARIO
DATA : 26/05/2023
HORA: 19:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

Associação da presença de proteinúria na pré-eclâmpsia com os desfechos maternos e neonatais.


PALAVRAS-CHAVES:

Pré-eclâmpsia, proteinúria, desfechos. 


PÁGINAS: 73
RESUMO:

A pré-eclâmpsia (PE) durante muito tempo foi diagnosticada baseada na tríade edema, proteinúria e hipertensão, com o avanço dos estudos o edema e a proteinúria tornaram-se critérios relacionados a gravidade e não necessariamente ao diagnóstico. Nesse sentido este trabalho buscou identificar qual a correlação entre piores desfechos de gestantes com diagnóstico de PE e neonatos, considerando que a proteinúria hoje é critério diagnóstico dispensável da doença. Esse trabalho trata-se de um estudo longitudinal, prospectivo e observacional realizado no período de janeiro a outubro de 2022 na Maternidade Escola Januário Cicco, aprovado pelo comitê de ética em pesquisa do HUOL. A população do estudo foi constituída por 32 gestantes e seus recém-nascidos (RN), classificadas de acordo com a avaliação da proteinúria qualitativa na tira, sendo Proteinúria negativa ou traços (n=13) e Proteinúria ≥ 1+ (n=19). Foram coletadas amostras de sangue das gestantes em jejum, em tubo sem anticoagulante para avaliação bioquímica, utilizando o equipamento Dimension RxL (Siemens, São Paulo, SP, Brasil) e em tubo com anticoagulante ácido etilenodiamino tetra-acético (EDTA) a fim de avaliar os parâmetros hematológicos, no equipamento Advia 2120i (Siemens, São Paulo, SP, Brasil). A proteinúria foi mensurada na admissão por avaliação qualitativa em amostra de urina isolada (tira reativa Uri-Color Check da WAMA diagnóstica, São Carlos, SP, Brasil), foram coletados dados do prontuário eletrônico das gestantes e de seus respectivos neonatos, no Aplicativo de Gestão dos Hospitais Universitários (AGHU). Na análise estatística foram utilizados os testes de Shapiro-Wilk, Mann-Whitney, Spearman e qui-quadrado.  As avaliações foram realizadas usando SPSS Statistics versão 20.0 (IBM, Nova York, EUA). Valores de p menores que 0,05 foram considerados estatisticamente significativos. Dentre os resultados obtidos podemos destacar que 28 (87,5%) das gestantes estavam internadas no setor de alto risco, sendo 12 (92,3%) do grupo proteinúria negativa ou traços e 16 (84,2%) do grupo proteinúria ≥1+, a via de parto predominante foi cesárea, em sua maioria os RN apresentaram prematuridade, baixo peso ao nascer, em sua maioria necessitaram de internação (p=0,007). Além disso, 15 (78,9%) RN do grupo proteinúria ≥ 1+ necessitaram de suporte ventilatório (p=0,020). Foram observadas diferença entre os grupos em relação a pressão arterial diastólica no momento do parto (p<0,018), acido úrico (p<0,012), ureia (p<0,030), AST (p<0,001), ALT (p<0,033), LDH (p<0,005), proteínas totais (p<0,004), albumina (p<0,001). As principais correlações positivas observadas foram entre idade materna e proteínas totais (r=0,404; p<0,024), peso ao nascer e proteína total (r=0,511; p<0,009) e LDH e AST (r=0,727;p=0,001), as correlações negativas observadas foram pressão arterial no parto e proteínas totais (r=0,670; p=0,001), proteínas totais e AST (r=0,719;p=0,001), albumina e AST (r=0,728;p=0,001), Albumina e proteínas totais (r=0,882;p=0,001), ureia e IG ao nascer (r=0,721;p=0,001), Ureia e peso ao nascer (r=0,667;p<0,001). Assim, pode-se concluir que a presença de proteinúria esteve associada a desfechos negativos tanto maternos quanto neonatais.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 1714243 - DANIELLA REGINA ARANTES MARTINS SALHA
Externo à Instituição - JEFFERSON ROMÁRYO DUARTE DA LUZ
Presidente - 1055045 - MARCELA ABBOTT GALVAO URURAHY
Notícia cadastrada em: 05/05/2023 13:25
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao