Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIANA DA FONSECA PEREIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANA DA FONSECA PEREIRA
DATA: 11/06/2013
HORA: 09:00
LOCAL: Sala de Seminários do Leap
TÍTULO:

ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DA TORTUOSIDADE NAS OPERAÇÕES DE FRATURAMENTO HIDRÁULICO EM POÇOS DE GÁS DE ALTA PROFUNDIDADE


PALAVRAS-CHAVES:

Fraturamento Hidráulico, Tight-gas, Tortuosidade.


PÁGINAS: 110
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Civil
RESUMO:

Na indústria do petróleo, o aumento da produção de hidrocarbonetos é um objetivo buscado em todo o mundo, como uma forma de se maximizar os lucros. Nesse contexto, o fraturamento hidráulico é uma das estratégias de estimulação mais utilizadas para aumentar a produção de poços de petróleo e gás. Em poços de baixa permeabilidade, o fraturamento hidráulico deve possibilitar a produção do reservatório a uma vazão economicamente viável, aumentando o volume de óleo passível de recuperação. Devido aos problemas nas proximidades do poço, um trabalho de fraturamento hidráulico bem sucedido muitas vezes é prejudicado. Nesse tipo de operação, a perda de carga devido ao atrito, ocorrido nas proximidades do poço, tem sido um fator limitante para a utilização de vazões mais elevadas, o que é desejável para a maior efetividade da operação. Os problemas nas proximidades do poço, eventualmente, podem ser classificados como: perda de carga por fricção nos canhoneados e perda de carga por fricção na entrada da fratura (tortuosidade). A tortuosidade é definida como a dificuldade de ligação entre o poço e o corpo principal da fratura. Vários estudos têm identificado a tortuosidade como um fenômeno importante que pode afetar a execução do tratamento de fraturamento quando os furos do canhoneado e/ou o poço estão desalinhados com as tensões dos campos. A tortuosidade tem sido um dos maiores desafios para tratamento de fraturamento hidráulico, principalmente em reservatórios fechados produtores de gás (Tight-gas), levando a uma alta queda de pressão na região próxima do poço, embuchamentos prematuros, redução da vazão de tratamento e pobres resultados de produção. A pressão de bombeio na superfície está diretamente relacionada à pressão de entrada do fluido no interior da fratura, de modo que o aumento da perda de pressão entre o fundo do poço e a entrada da fratura devido à tortuosidade provoca um aumento na pressão de bombeio na superfície necessária à execução do fraturamento hidráulico.  Ao diminuir as perdas de carga nas proximidades do poço, consequentemente, haverá a diminuição da pressão de superfície do tratamento, permitindo que a vazão do tratamento seja alcançada. Neste trabalho foram pesquisadas técnicas, utilizadas na indústria do petróleo, para reduzir as perdas de carga por tortuosidade. As técnicas analisadas foram o uso de slugs de propante e slugs de gel viscoso, projeto de canhoneio a jato, substituição do canhoneio por jateamento abrasivo, canhoneio com propelente, injeção de ácido Fosfônico/Hidrofluorídrico e uso de cimento solúvel em ácido HCl. Como conclusão, foi verificada que as técnicas analisadas tiveram bons resultados na redução das perdas de carga por tortuosidade, sendo métodos promissores para melhorar a capacidade de executar os tratamentos de fraturamento hidráulico em formações Tight-gas ou com sérios problemas de tortuosidade. No entanto, noções da condição do reservatório e o planejamento da completação do poço poder permitir mudanças preventivas dos problemas nas proximidades do poço, que ajudam a melhorar (em vez de pôr em risco) o sucesso da estimulação por fraturamento. Isso é especificamente verdade com o projeto global de canhoneio e a necessidade do uso de cimento carbonático. A utilização do canhoneio com propelente precisa ser mais analisada, para comprovar se essa técnica realmente pode ser considerada como uma opção na estratégia de completação inicial de poços candidatos a fraturamento, ou se mesma traz risco à formação de múltiplas fraturas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 347559 - WILSON DA MATA
Externo ao Programa - 1714865 - FLAVIO MEDEIROS JUNIOR
Externo ao Programa - 1715039 - JOSE ALTAMIRO CARRILHO MOTA DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 05/06/2013 09:18
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao