Banca de DEFESA: CAMILA GISELE DAMASCENO PEIXOTO MORAIS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CAMILA GISELE DAMASCENO PEIXOTO MORAIS
DATA : 13/09/2019
HORA: 15:00
LOCAL: Anfiteatro A do CCET
TÍTULO:

Beneficiamento de resíduo atmosférico de petróleo por destilação catalítica


PALAVRAS-CHAVES:

Resíduo atmosférico de petróleo, destilação catalítica, zeólita, material mesoporoso e diesel


PÁGINAS: 100
RESUMO:

O refino do petróleo compreende uma série de operações físicas e químicas cuja função é separar suas várias frações e processá-las, gerando produtos de grande utilidade para a sociedade. Uma das etapas do refino consiste na destilação atmosférica, quando é formado um produto de fundo chamado resíduo atmosférico (RAT), que consiste em uma fração de elevado peso molecular, composta de saturados, aromáticos, resinas e asfaltenos. A recuperação desse resíduo é importante, uma vez que existe aumento na demanda mundial por petróleo. Isto aponta para a necessidade de desenvolvimento de novas tecnologias de processamento,  inclusive dos resíduos. A destilação catalítica é um método que combina separação de componentes com processo de reatividade para obtenção de derivados mais leves, como a gasolina e diesel. Neste trabalho, o RAT foi submetido a destilação, sob pressão atmosférica, na sua forma pura (convencional) e também com adição de zeólita HY e material mesoporoso MCM-41 (catalítica). A efetividade do beneficiamento foi investigada por meio de análises termogravimétricas e de cromatografia gasosa. A fim de caracterizar o RAT, foram determinados parâmetros físico-químicos e reológicos. Os produtos obtidos via destilação convencional e catalítica, aqui chamados destilados, foram avaliados por termogravimetria não-isotérmica e sua composição estimada por cromatografia gasosa de alta temperatura. Os resultados mostraram que o resíduo utilizado pode ser classificado como um óleo pesado e de alto ponto de fluidez. Os parâmetros reológicos apontam que a viscosidade do RAT aumenta com a diminuição da temperatura, entretanto, o aumento na taxa de cisalhamento diminui essa característica. Quanto as curvas de destilação, a utilização de HY como catalisador mostrou temperaturas mais baixas durante toda a análise, o que indica uma maior eficiência na quebra das moléculas do resíduo atmosférico. Além disso, na presença dessa zeólita houve maior variedade de produtos formados, sendo produzidos gasolina, querosene e, principalmente, diesel. Os dados também apontam que a mistura de catalisadores HY/MCM-41 foi seletiva para a formação de diesel. Os dados termogravimétricos mostraram dois eventos de perda de massa para o RAT puro e o aparecimento de um terceiro evento, inicial, para os destilados. Dentre esses, o produzido a partir da destilação do resíduo com HY teve as menores faixas de temperatura nos segundo e terceiro eventos de perda de massa, confirmando os resultados encontrados na curva de ebulição. Essas constatações mostram a eficiência do processo de destilação e da aplicação da zeólita e do material mesoporoso como catalisador, uma vez que as perdas de massa foram antecipadas. A antecipação do início das reações de degradação térmica são ainda mais evidentes com o uso da zeólita HY.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ANA CATARINA FERNANDES CORIOLANO - UnP
Presidente - 350509 - ANTONIO SOUZA DE ARAUJO
Externo à Instituição - GLAUBER JOSE TUROLLA FERNANDES - UnP
Externa à Instituição - REGINA CELIA DE OLIVEIRA BRASIL DELGADO - UFERSA
Interno - 1149328 - VALTER JOSE FERNANDES JUNIOR
Notícia cadastrada em: 05/09/2019 17:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao