Banca de DEFESA: CRISTIANE PAULINO DE MENEZES SANTOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CRISTIANE PAULINO DE MENEZES SANTOS
DATA : 15/07/2019
HORA: 15:00
LOCAL: Auditório do Departamento de Geologia
TÍTULO:

Silicificação hidrotermal ao longo de falhas que afetam unidades carbonáticas e areníticas e seu impacto na qualidade dos reservatórios, Bacia Potiguar, Brasil


PALAVRAS-CHAVES:

Fluxo de fluidos, silicificação hidrotermal, zona de falha, reservatórios análogos


PÁGINAS: 100
RESUMO:

Analisamos a silicificação hidrotermal ao longo do Sistema de Falhas de Afonso Bezerra na Bacia Potiguar, margem equatorial do Brasil, para avaliar o papel dos fluidos ricos em Si na geometria, propriedades e evolução das falhas. A falha cortou toda a bacia, incluindo seu embasamento cristalino, uma unidade siliciclástica e uma unidade de carbonato inferior do Cretáceo Superior, e uma unidade de carbonato superior Paleogeno-Neógeno. A silicificação intensa controlada por falha causada pela migração ascendente de fluidos hidrotermais e sua difusão ocorreram repetidamente. A zona de falha é caracterizada por múltiplos eventos de silicificação sintética (dinâmica) com brechação hidráulica em todas as escalas no núcleo da falta e silicificação estática, onde nenhuma orientação ou deformação ocorreu, na zona de dano. Nas unidades de carbonato, a silicificação resultou na substituição completa da mineralogia do carbonato por quartzo, calcedônia e opala, e o teor de SiO2 aumentou de 3-15% nas unidades de carbonato hospedeiro para 94-97% nas porções silicificadas da falha. A zona de falha silicificada apresenta um alargamento abrupto de 150 m na unidade siliciclástica para até 800 m na unidade de carbonato inferior. A matriz da unidade siliciclástica exibe redução de porosidade de 27% para 4%. Em contraste, a porosidade da matriz da unidade de carbonato inferior exibe porosidade primária em torno de 5-10%, que é reduzida a ~ menos de 1% ou aumentada para mais de 15% na zona silicificada. Em ambas as unidades carbonáticas, a porosidade vugular em escala centimétrica ao longo das fraturas ocorre na zona silicificada. Esta porosidade vugular anômala  poderia servir como espaço de poroso do reservatório. A proximidade especial e a cronologia das intrusões de basalto ao longo e nas proximidades da falha sugerem que a intrusão vulcânica desempenha um papel importante na silicificação. Este trabalho pode lançar luz sobre a origem e provável geometria da distribuição de sílica controlada por falhas, causando heterogeneidades nos reservatórios carbonáticos e siliciclásticos.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - VICENZO LA BRUNA
Externo à Instituição - JAZIEL MARTINS SA - UFRN
Presidente - 277437 - MARCELA MARQUES VIEIRA
Externo ao Programa - 347536 - NARENDRA KUMAR SRIVASTAVA
Externo à Instituição - SÉRGIO VIEIRA FREIRE BORGES - IFRN
Notícia cadastrada em: 03/07/2019 09:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao