Banca de DEFESA: CAMILA CARVALHO DE ALMEIDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CAMILA CARVALHO DE ALMEIDA
DATA: 26/01/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de treinamento do NUP-ER
TÍTULO:

 Estudo do tratamento sequencial (adsorção e eletro-oxidação) para remediação de efluente sintético contaminado com BTX


PALAVRAS-CHAVES:

BTX; Eletro-oxidação; Adsorção; Tratamento Integrado


PÁGINAS: 102
GRANDE ÁREA: Engenharias
ÁREA: Engenharia Química
RESUMO:
A contaminação das águas subterrâneas por compostos orgânicos voláteis, como o BTX, tem gerado um grande problema ambiental nas últimas décadas. O presente trabalho propôs o estudo do tratamento de efluente sintético contaminado com BTX por eletro-oxidação em batelada utilizando o ânodo de Ti/PbO2, e da adsorção de BTX utilizando perlita expandida como material adsorvente, tendo como objetivo avaliar as melhores condições operacionais em ambos os tratamentos a fim de integrá-los (adsorção/eletro-oxidação) e obter uma maior eficiência na remoção dos compostos. As condições operacionais avaliadas foram a temperatura, densidade de corrente aplicada, e a quantidade de material adsorvente, através de análises de UV-vis e Demanda Química de Oxigênio (DQO). De acordo com os resultados experimentais obtidos, o tratamento eletro-oxidativo se mostrou eficiente na degradação dos compostos BTX no efluente sintético em razão das propriedades eletrocatalíticas do ânodo de Ti/PbO2. A densidade de corrente aplicada e a temperatura promoveram o aumento da eficiência da remoção de DQO, chegando a obter percentuais superiores a 70%. No processo de adsorção, o aumento da temperatura não se mostrou um fator determinante para a remoção da matéria orgânica, enquanto que o aumento na quantidade de material adsorvente levou a um acréscimo no percentual de remoção, obtendo 66,30% utilizando 2g de adsorvente. A caracterização da perlita expandida pura e perlita adsorvida com BTX através das técnicas termoanalíticas (TG/DTG), e Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) confirmaram que o material adsorvente passou por um processo de adsorção físico ou químico em sua superfície.
As condições operacionais selecionadas de ambos os tratamentos realizados separadamente levaram em consideração a eficiência de remoção da matéria orgânica, e o baixo consumo de energia e custos, logo, o tratamento sequencial se mostrou satisfatório atingindo 87,26% de remoção de DQO utilizando a adsorção como um pré-tratamento. A quantificação do BTX através das análises de cromatografia gasosa ao término dos tratamentos também confirmou a eficiência da remoção dos compostos orgânicos, outorgando proeminentes vantagens ao tratamento sequencial.

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1645110 - CARLOS ALBERTO MARTINEZ HUITLE
Externo à Instituição - DANYELLE MEDEIROS DE ARAUJO - CAPES
Externo à Instituição - DAYANNE CHIANCA DE MOURA - UFRN
Externo ao Programa - 1308577 - SIBELE BERENICE CASTELLA PERGHER
Notícia cadastrada em: 11/12/2014 10:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao