Banca de DEFESA: CAIO VITOR MATOS MOREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CAIO VITOR MATOS MOREIRA
DATA : 29/07/2022
HORA: 14:30
LOCAL: videoconefência
TÍTULO:

IMPACTOS DE EVENTOS CLIMÁTICOS EXTREMOS NA QUALIDADE DA ÁGUA DE CORPOS HÍDRICOS CONTINENTAIS


PALAVRAS-CHAVES:

Mudanças climáticas, precipitação, secas, tempestades, eutrofização, cienciometria, qualidade da água, monitoramento, semiárido


PÁGINAS: 56
RESUMO:

Eventos climáticos extremos (ECEs) relacionados à precipitação, como seca e chuvas intensas, possuem grande potencial de alterar a qualidade hídrica de corpos hídricos continentais, devido as mudanças climáticas esses eventos têm se tornado mais frequentes. Portanto esses fenômenos são importantes ameaças a esses ambientes que cumprem diversos papeis em nossa sociedade. Entender como esses eventos impactam os corpos d’água continentais em escala temporal e espacial é uma importante ferramenta para gestão e mitigação desses futuros impactos. Por isso o objetivo deste estudo é encontrar padrões temporais e espaciais desses efeitos e compreender como as particularidades em escala local podem amplificar os impactos dos eventos climáticos extremos. Para isso desenvolvemos em nosso primeiro capítulo uma revisão sistemática utilizando a cienciometria, que é o ramo da ciência que se propõe a estudar os aspectos da produção científica, dessa forma se consegue entender tendências e lacunas de uma área da ciência. Na análise cienciométrica utilizamos como fonte de informações os estudos científicos publicados nas bases Web of Science e Scopus, utilizamos a expressão “extreme event” (i.e. representando os eventos climáticos extremos) associadas a uma das seguintes expressões: AND “water quality”, OR “freshwater” OR “limnol*” nas ferramentas de buscas dessas duas bases para obtermos como retorno as publicações relacionadas ao tema. Retiramos as seguintes informações de cada artigo: tipo de evento do estudo, zona climática da área de estudo, abordagem, ecossistema estudado, tipo de parâmetro estudado, comunidades biológicas (quando há estudo biológico), impacto no principal parâmetro e impacto na qualidade da água. 281 publicações foram utilizadas para análise de produção temporal de estudos e para as análises restante retiramos os artigos de revisão, resultando em 254 artigos. Observamos o aumento de publicações sobre a temática a partir do ano de 2014, encontramos que a zona climática temperada é a que mais produz esses artigos, os rios são os ecossistemas mais estudados e a grande maioria desses estudos reportam impactos negativos na qualidade da água desses ambientes. Além disso, esses eventos causam relevantes mudanças ecológicas devido as alterações físico-químicas sobrepostas a esses corpos hídricos. Entendemos que esse aumento do número de estudos tenha sido causado por publicações de relatórios de órgãos internacionais sobre mudanças climáticas e ECEs, o padrão regional de publicações está mais relacionado a produção científica geral dessas localidades do que maior ocorrência de ECEs nessas regiões. ECEs são capazes de introduzir e aumentar concentrações de sólidos, nutrientes e diversos poluentes. Estes eventos ainda intensificam o processo de eutrofização e a intensidade e duração desses impactos são controlados por características da bacia hidrográfica e condições antecedentes desses corpos hídricos. Em nosso segundo capítulo utilizamos dados limnológicos de monitoramento de 10 anos (2011-2021) para analisar o impacto da flutuação de nível de água durante uma seca prolongada sob um reservatório do semiárido brasileiro, em que no início da seca estava alto volume de água e teve sua profundidade diminuindo até secar completamente, no fim do período de monitoramento ainda observamos a reinundação do corpo hídrico. Verificamos se o período de seca intensificou a eutrofização desse reservatório. Utilizamos análise de agrupamento para a separação em clusters dos meses de monitoramento e as análises Kruskall-Wallis e Análise de Componentes Principais (ACP) para analisar as diferenças entre os períodos e das variáveis ambientais. Nossa análise de agrupamento dividiu em três períodos caracterizados por suas profundidades máximas (Zmax) como: intermediário (I), período seco (II) e período de cheia (III). As variáveis: sólidos suspensos (fixos e voláteis), turbidez, condutividade elétrica, ortofosfato, fósforo total e clorofila-a apresentaram menores valores durante o período de cheia (III), enquanto a transparência Secchi e as concentrações de oxigênio dissolvido observadas nos períodos de menores profundidades (I e II) foram inferiores quando comparadas ao período III. Assim pudemos constatar a degradação sofrida pelo reservatório durante a seca prolongada e que durante os períodos de menores níveis de água tivemos degradação da qualidade hídrica e agravamento de eutrofização. Concluímos com esse estudo que os ECEs de precipitação impactam negativamente os corpos hídricos continentais e esses impactos alteram a dinâmica física, química e biológica desses ecossistemas. Além disso, condições ambientais da bacia de drenagem em que esses corpos aquáticos estão inseridos são fatores importantes para controle desse impacto. Estudos como esse nos fornece subsídios para tomadas de decisão de gestão e recuperação dos corpos hídrico e se tornam ainda mais relevantes quando avaliamos as previsões de maior ocorrência devido as mudanças climáticas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1764855 - VANESSA BECKER
Externa ao Programa - 2412921 - JULIANA DEO DIAS - UFRNExterno à Instituição - JOSÉ NEUCIANO PINHEIRO DE OLIVEIRA - IFCE
Externa à Instituição - MARIANA RODRIGUES AMARAL DA COSTA - UFRN
Notícia cadastrada em: 18/07/2022 10:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao