Banca de DEFESA: FLÁVIA GLAUCE SILVA DE ALBUQUERQUE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FLÁVIA GLAUCE SILVA DE ALBUQUERQUE
DATA : 26/04/2024
HORA: 10:00
LOCAL: MODO REMOTO - https://meet.google.com/jyd-hdyo-sig
TÍTULO:

APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DE ALGODÃO DA INDÚSTRIA TÊXTIL PARA SÍNTESE DE HIDROGEL DE CELULOSE


PALAVRAS-CHAVES:

Celulose; Resíduo de celulose; Hidrogéis; Algodão; Síntese.


PÁGINAS: 65
RESUMO:

O Brasil é um dos maiores exportadores de algodão do mundo e um dos grandes produtores de produtos têxteis 100% algodão como fibras, fios, tecidos planos e de malha. O processo de transformação desses produtos envolve uma cadeia produtiva composta por diversos elos a qual gera grandes impactos ao meio ambiente. Um desses impactos negativos é a geração de resíduos têxteis produzidos ao longo de todo esse processo. Esses resíduos descartados são ricos em celulose, que é um dos polímeros natural mais abundante da natureza com importantes propriedades como grande poder de absorção, resistência mecânica, insolubilidade em água, elasticidade e biodegradabilidade. Essa capacidade de absorção é uma característica importante e primordial para o desenvolvimento e fabricação de um biomaterial muito utilizado atualmente, o hidrogel. O hidrogel é uma rede polimérica 3D e sua principal característica é a grande capacidade de absorção de água, por esse motivo é muito utilizado pela biomedicina, agricultura e biotecnologia para a liberação de drogas e engenharia de tecidos. No entanto, sua fabricação hoje é majoritariamente a partir de materiais sintéticos, derivados de petróleo ou de celulose pura fornecida por grandes laboratórios químicos. Dessa forma, o objetivo desse trabalho é produzir o hidrogel utilizando a celulose obtida, a partir do resíduo do algodão oriundo da etapa de beneficiamento no processo de acabamento final utilizando a máquina lixadeira. Para obtenção do hidrogel, inicialmente foi dissolvido o resíduo em proporções de NaOH/Ureia com temperatura e tempo controlados. Em seguida, foi reticulado essa amostra com epicloridrina. Este reticulador foi utilizado por ser o único liberado para fins dermatológicos. A solução resultante passou por processo de pós tratamento por congelamento e descongelamento para obtenção do hidrogel. O material obtido foi caracterizado quanto a sua microestrutura por FTIR, DRX, TGA, DSC e MEV-FEG bem como, por análise termogravimétrica (TGA). O resultado alcançado comprova que o processo de obtenção do hidrogel depende da quantidade de celulose, do pós-tratamento e da concentração do agente reticulante. Conclui-se então que o uso do resíduo da celulose da indústria têxtil, tem potencial de aplicação na obtenção de hidrogeis de celulose.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 2254759 - AMANDA MELISSA DAMIAO LEITE
Interna - 1150673 - IRIS OLIVEIRA DA SILVA
Presidente - 2941160 - JOSE HERIBERTO OLIVEIRA DO NASCIMENTO
Interna - 2614285 - KESIA KARINA DE OLIVEIRA SOUTO SILVA
Externa ao Programa - 2857497 - LUCIANI PAOLA ROCHA CRUZ BARROS - UFRNExterno à Instituição - RAPHAEL LUCAS JACINTO ALMEIDA - UFRN
Notícia cadastrada em: 17/04/2024 23:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao