Banca de DEFESA: THAÍS GOMES DE CARVALHO

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : THAÍS GOMES DE CARVALHO
DATA : 28/02/2024
HORA: 08:00
LOCAL: REMOTA - https://meet.google.com/sri-wcqm-kcr
TÍTULO:

Inibição de metástase do câncer colorretal murino direcionada às M2-TAM através da via de sinalização STAT3/NF-kB/AKT usando vesículas extracelulares derivadas de macrófago-1 carregadas com oxaliplatina, ácido retinóico e Libidibia ferrea.


PALAVRAS-CHAVES:

Evs, Macrofagos 1, STAT3, AKT; NF-κB, metástase, câncer colorretal


PÁGINAS: 41
RESUMO:

O câncer colorretal ainda é incontrolável, apesar dos avanços na terapia-alvo. No entanto, as vesículas extracelulares (EVs) têm demonstrado potencial na nanomedicina como sistemas de administração de medicamentos, especialmente para modular as células imunes no microambiente tumoral (TME). Neste estudo, EVs de macrófagos M1 (M1EVs) foram utilizados como nanocarreadores de oxaliplatina (M1EV1) associada ao ácido retinóico (M1EV2) e Libidibia ferrea (M1EV3), isoladamente ou em combinação (M1EV4) para avaliar seu potencial antiproliferativo e imunomodulador em CT-26 e MC-38 e linhas celulares de câncer colorretal e previnem metástases em camundongos de modelos de aloenxerto e câncer colorretal peritoneal. Os tumores foram avaliados por qRT-PCR e imuno-histoquímica. O perfil de morte celular e o processo de transição epitelial-mesenquimal (EMT) foram analisados in vitro em linhagens celulares de câncer colorretal. A polarização de macrófagos murinos (células RAW264.7) também foi realizada. M1EV2 e M1EV3 usados isoladamente ou particularmente M1EV4 regularam negativamente a progressão do tumor pela imunomodulação TME, levando a uma diminuição no tamanho do tumor primário e metástase no peritônio, fígado e pulmões. STAT3, NF-kB e AKT foram os principais genes regulados negativamente pelos sistemas M1EV. Macrófagos associados a tumores (TAMs) mudaram de um fenótipo M2 (CD163) para um fenótipo M1 (CD68), reduzindo os níveis de IL-10, TGF-β e CCL22. Além disso, as células malignas apresentaram superexpressão de FADD, APAF-1, caspase-3 e E-caderina, e diminuição da expressão de MDR1, survivina, vimentina e PD-L1 após tratamento com sistemas de M1EVs. O estudo mostra que EVs de macrófagos antitumorais M1 podem transportar drogas e aumentar sua atividade imunomoduladora e antitumoral modulando vias associadas à proliferação celular, migração, sobrevivência e resistência a medicamentos.


MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 2374605 - AURIGENA ANTUNES DE ARAUJO - nullExterno à Instituição - CLODOMIRO ALVES JUNIOR - UFERSA
Externa ao Programa - 1837354 - JULLIANE TAMARA ARAUJO DE MELO CAMPOS - nullPresidente - 2329140 - RAIMUNDO FERNANDES DE ARAUJO JUNIOR
Externo à Instituição - RENATA FERREIRA DE CARVALHO LEITÃO - UFC
Notícia cadastrada em: 24/01/2024 10:31
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao