Notícias > Defesa de Relatório de Graduação em Geofísica (RGG) - 2022.2 - CHAYANE FONSECA - 16/12/2022 - 8h30

Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências Exatas e da Terra
Departamento de Geofísica
Curso de Graduação em Geofísica

 

DEFESA PÚBLICA DE RELATÓRIO DE GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA (GEF0161)
Semestre 2022.2

 

Título do Relatório:

 

"CARACTERIZAÇÃO TECTONO-DEPOSICIONAL DO ALTO DE TUTÓIA NA PORÇÃO SUBMERSA DA BACIA DE BARREIRINHAS – MARGEM EQUATORIAL DO BRASIL"

 

 

Autora: CHAYANE VITORIA FELIX FONSECA   



Resumo: 


A Bacia de Barreirinhas integra um grupo de bacias sedimentares pertencentes à Margem Equatorial Brasileira. Sua gênese está associada à separação dos continentes Sul-Americano e Africano na região equatorial do Oceano Atlântico durante o Cretáceo Inferior. Esta margem é regida por um regime tectônico misto relacionado a esforços distensionais resultantes da ruptura do continente Pangea associados a esforços cisalhantes, influenciados pela Zona de Fratura Romanche. As principais estruturas que estão inseridas ou limitadas pela Bacia de Barreirinhas são: a Plataforma do Parnaíba e os altos de Tutóia, Atlântico e Ceará. O Alto de Tutóia é reconhecido na literatura como uma extensa estrutura anticlinal de orientação NNE-SSW que delimita as bacias do Piauí e Barreirinhas. Embora alguns autores descrevam as feições arquiteturais deste segmento, ainda é necessária uma maior investigação acerca das características geológicas e geofísicas que certifiquem o entendimento da sua evolução tectônica regional, no contexto da abertura das margens continentais do Atlântico Equatorial. Para isto, foram interpretadas vinte e quatro seções sísmicas de reflexão 2D integradas a dados geofísicos de três poços. A aplicação de atributos sísmicos junto ao espectro de cor apontou características e padrões que evidenciaram feições estruturais e permitiram a interpretação de falhas normais que delimitam o Alto de Tutóia a NNE-SSW, bem como a identificação da feição anticlinal, no qual a literatura define o Alto de Tutóia, além da presença de semi-grabens N-S que acompanham sua zona de charneira. O destaque dos horizontes sísmicos permitiu ainda a interpretação de descontinuidades erosivas e truncamentos, que, por meio da amarração poço-sísmica, foram interpretadas como pertencentes às formações Bom Gosto/Arpoador indivisas e Bom Gosto, do Albiano médio inferior. Um outro horizonte, pertencente ao Aptiano, também foi mapeado. A integração dos dados geofísicos resultou na construção de um modelo estrutural simplificado característico das principais falhas que delimitam o Alto de Tutóia na Bacia de Barreirinhas.

 

Palavras-chaves: Margem Equatorial Brasileira; Bacia de Barreirinhas; Alto de Tutóia; Interpretação Sísmica; Caracterização Tectono-Deposicional.

 
Banca Examinadora:


Prof. Dr. David de Castro Lopes (Presidente – Orientador – DGEO/UFRN)
Prof. Dr. Moab Praxedes Gomes (Membro interno – DGEO/UFRN)
Dra. Alanny Christiny Costa de Melo (Membro externo – UFRN)


Data: 16 de dezembro de 2022 (sexta-feira)
Horário: 8h30

Local: Auditório do Departamento de Geofísica (1º Andar - prédio Reuni)

Carga Horária: 1h para Atividades Complementares (Curso de Geofísica)

 

 



Notícia cadastrada em 15/12/2022 17:15  
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao