Banca de DEFESA: MARIA RAYLA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA RAYLA DOS SANTOS
DATA : 28/02/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório CCET
TÍTULO:

ONDAS OCEÂNICAS SUPERFICIAIS A PARTIR DE RUÍDO SÍSMICO NO LITORAL LESTE DO NORDESTE BRASILEIRO


PALAVRAS-CHAVES:

Microssismo. Ondas oceânicas de gravidade. PNBOIA. Variabilidade costeira.


PÁGINAS: 69
RESUMO:

O estudo da propagação e dissipação das ondas oceânicas é de extrema importância para segurança e eficiência de obras de engenharia em alto-mar, assim como para gestão da orla marítima costeira. Entretanto, existem dificuldades ligadas à obtenção de dados observados no mar que tornam uma boa amostragem espaço-temporal difícil de se obter. Uma alternativa para o preenchimento desses vazios nas observações provém da produção de dados de ondas oceânicas indiretamente através do efeito geofísico registrado por meio dos microssismos. As frequências dos sinais de interesse para esse fim estão em frequências menores do que 1 Hz (períodos > 1 s). Nesse contexto, esta pesquisa visa avaliar a associação de parâmetros das ondas oceânicas de gravidade e os sinais microssísmicos registrados no litoral leste do Nordeste brasileiro. Os dados oceanográficos são provenientes da boia Recife, única do Programa Nacional de Boias (PNBOIA) situada na costa oriental do Nordeste do Brasil, para o período de 12 de junho a 16 de novembro de 2015, além da saída do modelo WAVEWATCH III, quando necessário. Os dados meteorológicos são da reanálise ERA5 e imagens no canal infravermelho dos satélites GOES-13 e METEOSAT-10. Os dados sismológicos são oriundos da estação NBRF, instalada em Rio Formoso – PE (estação mais próxima a boia oceânica). A partir das análises de características das ondas de gravidade foi observado que Hs possui mediana de 1,99 m no inverno e 1,53 na primavera, predominantemente de sudeste, com Tp mediana de 8,3 s. A partir da investigação dos principais eventos oceânicos foi encontrado que os maiores Hs estão relacionados a sinótica de avanço de frente fria que intensificou os ventos nas extremidades da ASAS e os alísios de sudeste, junto a formação de cavado de menor dimensão próximo a costa leste do Nordeste. Já associando o pré-processamento e espectrogramas dos sismogramas revelou que para a área de trabalho os microssismos se encontram nas faixas 0,04 – 0,12 Hz (8 – 25 s) para microssismo primário e em 0,12 – 0,70 Hz (1 – 8 s) para microssismo secundário. As amplitudes do microssismo secundário, a partir de 0,7*(1e-7) nanômetros, mostraram um comportamento linear com a variação de Hs o que permitiu a estimativa de uma equação de transferência dada por . Diante disso, foi demonstrada a eficiência do uso de microssismos para o estudo oceanográfico e, consequentemente, meteorológico.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1164414 - WEBER ANDRADE GONCALVES
Interno - 1858120 - DAVID MENDES
Externo ao Programa - 1451214 - ADERSON FARIAS DO NASCIMENTO
Externo ao Programa - 2276514 - MARCIO MACHADO CINTRA
Externo à Instituição - MARCUS ANDRÉ SILVA - UFPE
Notícia cadastrada em: 11/02/2020 10:21
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2020 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao