Banca de DEFESA: VIVIANE ALVES DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : VIVIANE ALVES DE OLIVEIRA
DATA : 25/01/2018
HORA: 14:30
LOCAL: AUDITÓRIO DO DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIAUFRN
TÍTULO:

IMUNOEXPRESSÃO DAS PROTEÍNAS APE1, XRCC1, p53 e Ki67 EM CARCINOMA DE CÉLULAS ESCAMOSAS DE LÍNGUA ORAL


PALAVRAS-CHAVES:

Câncer Oral. Carcinoma de células escamosas. Reparo do DNA. Proliferação celular. Imunoistoquímica.



PÁGINAS: 113
RESUMO:

 

A perda de controle do processo de proliferação celular é considerada um dos precursores do câncer oral. Após exposição do organismo a agentes genotóxicos, proteínas de reparo do DNA são produzidas para remoção do dano genético. Acredita-se que as proteínas XRCC1 e APE1 da via de reparo BER estejam envolvidas nesses processos. Assim, o objetivo desta pesquisa foi analisar a expressão imunoistoquímica das proteínas de reparo APE1, XRCC1 e das proteínas envolvidas no ciclo celular p53 e ki67, associando-as entre si e com parâmetros prognósticos clínicos e histopatológicos, em carcinoma de células escamosas de língua oral (CCELO), visando contribuir para o melhor entendimento da participação dessas proteínas no desenvolvimento desta neoplasia. A expressão imunoistoquímica de APE1 e XRCC1 foi avaliada de forma semiquantitativa e a de p53 e ki67 de forma quantitativa, em 58 casos de CCELO. Os dados clínicos foram coletados no prontuário médico de cada paciente e a gradação histopatológica de Brandwein-Gensler efetuada para cada caso. Para a análise estatística foram realizados os testes de Qui-quadrado e Exato de Fisher e adotou-se significância de p<0,05. A maioria dos casos apresentou alta imunoexpressão para APE1 (n = 36; 62,1%), assim como para XRCC1 (n = 38; 65,5%). Já para as proteínas Ki67 e p53, houve uma distribuição igual quando os casos foram categorizados em baixa e alta expressão (n = 29, 50%). A imunoexpressão de XRCC1 foi significativamente maior nos casos de lesão em estágio inicial I e II (n = 23; 62,2%) em relação aos estágios avançados III e IV (n=16, 80%, p= 0,05). A imunoexpressão de p53 foi significativamente maior nos casos de lesão em estágio avançado (n = 19; 65,5%) e baixa em estágios iniciais (n=17, 60,7%; p = 0,047). Nenhuma das proteínas estudadas mostrou associação entre si, nem com os demais parâmetros clínicos e a gradação histopatológica. Verificou-se associação significativa da maior imunoexpressão de XRCC1 com melhor estadiamento clínico e da p53 com o pior estadiamento clínico, no entanto, tal associação não se confirmou quando analisado o desfecho dos pacientes. Os resultados deste experimento indicam que a expressão imunoistoquímica das proteínas XRCC1, APE1, p53 e Ki67 não possui associação com parâmetros prognósticos do CCELO.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - BETANIA FACHETTI RIBEIRO - UNP
Interno - 1660087 - BRUNO CESAR DE VASCONCELOS GURGEL
Interno - 350485 - HEBEL CAVALCANTI GALVAO
Externo à Instituição - JAMILE MARINHO BEZERRA DE OLIVEIRA MOURA - UERN
Presidente - 350484 - ROSEANA DE ALMEIDA FREITAS
Notícia cadastrada em: 21/12/2017 08:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao