Banca de DEFESA: MARIANNA SAMPAIO SERPA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIANNA SAMPAIO SERPA
DATA: 12/02/2016
HORA: 09:00
LOCAL: AUDITÓRIO DO DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA
TÍTULO:

Expressão imuno-histoquímica do ativador de plasminogênio do tipo uroquinase e seu receptor em carcinoma epidermóide de língua oral e sua relação e sua relação com parâmetros clínico-patológicos


PALAVRAS-CHAVES:

carcinoma de células escamosas; imuno-histoquímica; ativador de plasminogênio tipo uroquinase; receptores de ativador de plasminogênio tipo uroquinase.


PÁGINAS: 114
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

O carcinoma epidermoide oral (CEO) é a neoplasia maligna mais comum da cavidade oral, apresentando uma alta taxa de mortalidade. Devido a isto, a descoberta de biomarcadores que facilitem a compreensão do comportamento biológico desse tumor e aprimorem o tratamento é necessário. O ativador de plasminogênio do tipo uroquinase (uPA) e o seu receptor, uPAR, têm se destacado por atuarem na proteólise de estruturas da membrana basal e matriz extracelular, facilitando a invasão tumoral. O presente estudo se propôs a avaliar a imunoexpressão dessas proteínas em 46 casos de carcinoma epidermoide de língua oral (CELO). Esses resultados foram relacionados com a presença de metástase, estadiamento clínico TNM, recidiva locoregional, desfecho da lesão e gradação histológica de malignidade. A imunomarcação de cada caso foi avaliada semiquantitativamente, tanto no front de invasão como no centro do tumor, na qual foram atribuídos os escores: 0 (0% de células positivas), 1(1-10% de células positivas), 2 (11-50% de células positivas), 3 (mais de 50% de células positivas). A expressão do uPA foi observada em 93,5% dos casos no front de invasão, com predomínio do escore 2 (34,8%), e em 67,9% dos casos no centro do tumor, com predomínio do escore 1 (32,6%). De modo geral, os parâmetros clínicos não exerceram influência na imunoexpressão do uPA. Em relação à gradação histológica, foi observada uma maior expressão de uPA nos casos de alto grau de malignidade em relação aos de baixo grau de malignidade (p=0,05). Quando analisado em relação aos parâmetros morfológicos, foi identificado uma maior expressão do uPA nos casos de pior padrão de invasão (p=0,03). A expressão do uPAR foi observada em 73,9% dos casos no front de invasão, com predomínio do escore 1 (45,65%), e em 47,5% dos casos no centro do tumor, com predomínio do escore 0 (54,35%). Embora não tenham sido observadas significâncias estatísticas em relação à metástase linfonodal, estadiamento clínico TNM, desfecho e gradação histológica, houve uma maior expressão do uPAR nos casos com recidiva locoregional em relação aos sem recidiva (p=0,04). Em relação à análise da localização tumoral, foi observada uma maior expressão de uPA e uPAR no front de invasão em relação ao centro do tumor (p<0,001). Na correlação entre uPA e uPAR, não foi observada significância estatística. Com base nestes resultados, sugere-se que o uPA e uPAR estejam envolvidos na progressão do CELO, atuando principalmente na região mais profunda do tumor.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - BÁRBARA VANESSA DE BRITO MONTEIRO - UFCG
Presidente - 344668 - LEÃO PEREIRA PINTO
Interno - 350484 - ROSEANA DE ALMEIDA FREITAS
Notícia cadastrada em: 05/02/2016 15:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao