Banca de DEFESA: MARIA LUIZA DINIZ DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARIA LUIZA DINIZ DE SOUSA
DATA: 07/02/2014
HORA: 09:00
LOCAL: DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA
TÍTULO:

IMUNOEXPRESSÃO DE GALECTINAS EM QUEILITES ACTÍNICAS E SUA RELAÇÃO COM CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E GRADAÇÃO HISTOLÓGICA


PALAVRAS-CHAVES:

Queilite. Galectinas. Imunoistoquímica. Neoplasias labiais.


PÁGINAS: 106
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Odontologia
SUBÁREA: Clínica Odontológica
RESUMO:

A queilite actínica (QA) é uma lesão inflamatória crônica potencialmente maligna que em algumas situações pode se transformar em carcinoma de células escamosas (CCE) de lábio inferior. Os mecanismos moleculares envolvidos neste processo ainda não são completamente esclarecidos. O objetivo desta pesquisa foi avaliar a imunoexpressão das galectinas -1, -3, -7 e -9 e relacionar este aspecto com as características clínicas (sexo, idade e aspecto clínico) e gradação histológica pelo sistema binário (baixo ou alto risco de transformação maligna). A imunomarcação de cada caso foi avaliada de forma semiquantitativa, na qual foram atribuídos os escores: 0 (0% de células positivas), escore 1 (1 a 30% de células positivas), escore 2 (31 a 60% de células positivas) e escore 3 (mais de 60% das células positivas). A imunoexpressão também foi analisada quanto à localização nos compartimentos celulares e nos estratos epiteliais. A análise estatística foi realizada através dos testes de Mann-Whitney, Qui-quadrado de Pearson e Exato de Fisher com nível de significância estabelecido em 5%. Dos 65 casos de QA, 76,9% era do sexo masculino, 80% tinha idade superior a 40 anos, 70,8% era da raça branca e 61,5% foram histologicamente gradadas como QAs de baixo risco. A expressão imunoistoquímica das galectinas foi variável na amostra e de forma geral não exibiu relação com os parâmetros clínicos. A expressão da galectina-1 foi observada em 98,5% dos casos, principalmente no citoplasma celular em todas as camadas epiteliais e foi elevada em 60% dos casos (escore 3), independente da gradação histológica (p>0,05). Diferente da galectina-3, cuja expressão foi observada em todos os casos, sendo maior nas QAs de alto risco que no grupo de baixo risco (p<0,05), com predominância de marcação no citoplasma e núcleo celular nas QAs de baixo risco (67,5%) e de marcação apenas no citoplasma nos casos de alto risco (60%) (p<0,05).  A galectina-7 foi positiva em todos os casos, majoritariamente na região suprabasal do epitélio (95,4%), porém sem diferenças significativas no escores de expressão entre os grupos histológicos (p>0,05). Com relação à galectina-9, 89,2% dos casos foram positivos, com redução na mediana dos escores de expressão com o aumento do grau histológico (p<0,001), sendo essa expressão predominante no núcleo e citoplasma. Com base nestes resultados, sugere-se que as galectinas analisadas nesta pesquisa podem estar envolvidas no desenvolvimento e progressão das queilites actínicas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CASSIANO FRANCISCO WEEGE NONAKA - UEPB
Presidente - 2492713 - ERICKA JANINE DANTAS DA SILVEIRA
Interno - 1258693 - LELIA MARIA GUEDES QUEIROZ
Notícia cadastrada em: 27/01/2014 16:37
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - (84) 3342 2210 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao