Banca de DEFESA: JOSÉ VENÂNCIO CHAVES JÚNIOR

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOSÉ VENÂNCIO CHAVES JÚNIOR
DATA : 28/02/2023
HORA: 09:00
LOCAL: Videoconferência - LINK https://meet.google.com/wbs-ftmp-vvn
TÍTULO:

OBTENÇÃO DE SAL DE METFORMINA E ÁCIDO FERÚLICO COM AUMENTO DE SOLUBILIDADE AQUOSA E SUA APLICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE COMPRIMIDOS




PALAVRAS-CHAVES:

ácido ferúlico; metformina; sal; solubilidade aquosa; dissolução;


PÁGINAS: 152
RESUMO:

Tecnologias de modificação no estado sólido como sais e cocristais representam
sistemas multicomponentes que permitem o aprimoramento das propriedades físicoquímicas das moléculas, como a estabilidade e a solubilidade aquosa. O ácido ferúlico
(AFE) é uma molécula com alto potencial antioxidante e hipoglicemiante, porém com
limitada solubilidade aquosa o que pode implicar em uma baixa biodisponibilidade. Já
a metformina (MT) é um hipoglicemiante consolidado no tratamento da diabetes
mellitus tipo 2 (DM), o qual mostrou efeito sinérgico com o AFE. O objetivo desse
estudo é desenvolver e caracterizar sistemas multicomponentes com o AFE e a MT
com incremento de solubilidade aquosa, bem como incorporá-los em forma
farmacêutica sólida. Para isso foi utilizado um processo de obtenção de
recristalização, o qual demonstrou alta reprodutibilidade e rendimento (91,3 ± 0,8%).
Após uma série de experimentos, foi possível desenvolver um sistema
multicomponente entre o AFE e a MT na proporção molar 1:1, caracterizado como um
sal, SFM (ferulato de metformina), pelas técnicas de difração de raios-x, técnicas
térmicas, espectroscopia no infravermelho e microscopia. O AFE em SFM apresentou
um incremento de no mínimo 740 vezes em sua solubilidade aquosa (643 ± 18
mg/mL). Foram desenvolvidos comprimidos com o SFM, os quais cumpriram os
requisitos de controle de qualidade para essa forma farmacêutica. A partir de ensaios
de dissolução in vitro com os comprimidos com SFM, foi calculada uma superior
eficiência de dissolução, em relação a uma formulação controle, de 95,4 ± 0,5% e 42,1
± 0,5%, respectivamente. O teor dos ativos foi determinado por método de
cromatografia líquida de alta eficiência, o qual foi devidamente desenvolvido e
validado. Por fim, em estudo de estabilidade a 40 ºC por 3 meses, não foram
encontradas alterações nas propriedades química e física, tanto para o SFM matériaprima quanto para o comprimido. Dessa forma, o produto desenvolvido surge como
uma inovação tecnológica a ser aplicado no tratamento da DM.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1492900 - CICERO FLAVIO SOARES ARAGAO
Interno - 1639820 - ARNOBIO ANTONIO DA SILVA JUNIOR
Externo ao Programa - 1715109 - DANIEL DE LIMA PONTES - UFRNExterna à Instituição - BEATE SAEGESSER SANTOS - UFPE
Externo à Instituição - FABIO SANTOS DE SOUZA - UFPB
Externa à Instituição - LILIAN GRACE DA SILVA SOLON - UNIFAP
Notícia cadastrada em: 27/02/2023 17:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao