Projeto Pedagógico do Curso

O químico, qualquer que seja o campo da Química em que atue, deve ser um visionário apoiado no saber científico sólido e atualizado, ser capaz de prever, abordar e desenvolver racionalmente os problemas gerados a partir do desenvolvimento científico e tecnológico na área da Química. Como mentor do desenvolvimento científico, ele deve ser o principal agente na busca de formas e fórmulas que demonstrem o saber, o fazer científico e tecnológico. Também, a ética e a atitude investigativa devem ser constantes no seu dia-adia.

O perfil geral traçado para o profissional da Química é a origem de perfis específicos que podem ser tomados como referencias para os alunos do Curso de Química do Petróleo, em função das diversificações curriculares que lhes serão ofertadas.

Assim sendo, o Curso de Química do Petróleo da UFRN, destina-se à formação de profissionais direcionados a área do Petróleo com conhecimento da sua origem e composição, do domínio das técnicas básicas de perfuração e refino além da utilização de laboratórios e equipamentos, com condições de atuar nos campos de atividades socioeconômicas que envolvam as suas transformações direcionando essas transformações, controlando os seus produtos, interpretando criticamente as etapas, efeitos e resultados; aplicando abordagens criativas à solução dos problemas e desenvolvendo novas aplicações e tecnologias.

Indústrias e empresas privadas ou públicas do petróleo ou de seus derivados atuando em atividades tais como: supervisionar, programar e realizar estudos relacionados com as propriedades fundamentais e a composição dos depósitos petrolíferos, apoiar a perfuração, exploração e produção do petróleo, dentre outros.

O Decreto-lei nº 5.452/43 (CLT), nos art. 325 a 351 discorre sobre o exercício da profissão do Químico seus direitos e deveres. O exercício da profissão do Bacharel em Química é regulamentado pelo Decreto nº 85.877 de 07/04/1981 que estabelece normas para a execução da Lei nº 2.800 de 18/06/1956 (cria o CFQ e os CRQs e dispõe sobre a regulamentação da profissão do Químico). A Resolução Normativa CFQ nº 36 de 25/04/74, publicada no DOU de 13/05/74, “dá atribuições aos profissionais da Química” e elenca as atividades desses profissionais.

Para atingir os objetivos propostos foi distribuído um conjunto de disciplinas e atividades que serão desenvolvidas baseadas no modelo de ensino orientado para metas, sempre criando espaço para a participação ativa dos alunos. Serão utilizadas: aulas expositivas, aulas práticas, seminários, palestras e estágios. O Curso se apoiará em vários recursos pedagógicos tais como: instrumentos do Espaço Virtual - hiperdocumentos, e-mail, workgoup, bate-papo eletrônico, vídeo conferência - e outros materiais didáticos específicos como livros, manuais, transparências, slides e equipamentos de processamento de dados disponíveis nos Laboratórios de Química, Anfiteatros, Sala de Estudo e Sala de Computação.

Nenhum conteúdo disponível até o momento

Indicadores de Qualidade do Curso de Química

Procurando aprimorar a trilogia ensino, pesquisa e extensão, sentimos a necessidade de buscar mecanismos que permitam a auto-avaliação da Química da UFRN. Com base em modelos de outras instituições de ensino criamos uma matriz de qualidade adequada à nossa realidade, a qual, numa visão sistêmica encontramse integrados os cursos de graduação e pós-graduação. A interpretação e o cruzamento dos dados coletados por aplicação anual de questionários (ANEXO II) que munirão a Coordenação do Curso de Química com parâmetros relativos: aos docentes, discentes, condições técnicas, perspectivas e condições pedagógicas. Estes resultados serão importantes para o processo de otimização integral e sistemática do Curso de Química do Petróleo.

Avaliação do Curso pelos Discentes

A avaliação do Curso feita pelos discentes dar-se-á através de um questionário gerador de dados qualitativos e quantitativos, a ser aplicado em todas as disciplinas do curso duas semanas antes da data prevista para o final do semestre. Neste período, o formulário também será disponibilizado na página do Curso de Química na Internet. Com base na avaliação feita pelos discentes serão coletados dados relativos não somente ao desempenho do docente como também, à disciplina por ele ministrada, o envolvimento do aluno com esta disciplina e as condições que lhes são oferecidas visando otimizar os parâmetros associados à qualidade de ensino e ao grau de aproveitamento da disciplina. A implantação do processo de avaliação do Curso de Química do Petróleo tem por objeto uniformizar e dinamizar as práticas associadas ao ensino, de forma a beneficiar, o professor, o aluno e, sobretudo estimular e referendar o desenvolvimento pelo quadro docente de novas práticas didático-pedagógicas a serem implementadas pela instituição.

Assim procedendo será delineado a cada semestre, o perfil do ensino praticado e justando-o progressivamente, de forma a contribuir mais eficazmente para a formação de profissionais químicos capazes, éticos e críticos.

Avaliação do Curso pelos Docentes

A avaliação do Curso de Química do Petróleo efetuada pelos docentes dar-seá através de um questionário gerador de dados qualitativos e quantitativos, a ser aplicado a todos os docentes de departamentos que ministram aulas para alunos do Curso de Química do Petróleo. Neste período, o formulário também será disponibilizado na página do Curso de Química na Internet. Com base na avaliação feita pelos docentes serão coletados dados relativos não somente ao desempenho do docente como também, à disciplina por ele ministrada, o envolvimento do professor com esta disciplina e as condições que lhes são oferecidas visando otimizar os parâmetros associados à qualidade de ensino e ao grau de aproveitamento da disciplina. A análise desses dados irá servir para verificar se o perfil do ensino delineado pelo professor assemelha-se àquele delineado pelo aluno. Certamente da comparação das avaliações docente e discente surgirão propostas mais reais, inovadoras, visando: o aperfeiçoamento do ensino da química, a diminuição de altas taxas de reprovação de alunos em disciplinas, assim como, um trabalho de orientação dos alunos que mostre, sobretudo a importância com a qual estes devem encarar e se dedicar ao estudo de cada uma das disciplinas do curso. Mais uma vez convém lembrar que a implantação do processo de avaliação do Curso de Química tem por objeto dinamizar as práticas associadas ao ensino, de forma a beneficiar: o professor, o aluno e, sobretudo estimular e referendar o desenvolvimento pelo quadro docente de novas práticas didático – pedagógicas.

Avaliação do Aluno 

O rendimento do aluno é verificado ao final de cada período letivo, individualmente e por disciplina em função do aprendizado e da assiduidade que são eliminatórios. Em cada disciplina são realizadas três (03) avaliações durante o período letivo, a intervalos previamente programados, os quais devem expressar o resultado da verificação de aprendizado realizado em cada intervalo. Cada avaliação parcial é constituída, pelo menos, de uma prova escrita individual. Quando se tratar de disciplina exclusivamente prática, a prova escrita é substituída por outro tipo de prova compatível com as peculiaridades da disciplina. Conforme a natureza da disciplina pode ser realizada uma única avaliação durante o período letivo. Os resultados das verificações de aprendizado, as avaliações parciais e as médias calculadas devem ser expressas em notas de 0,0 (zero) a 10,0 (dez) devendo ir até a primeira casa decimal, após o arredondamento da segunda casa decimal. É aprovado por média na disciplina o aluno que obtenha média ponderada nas três (03) avaliações parciais igual ou superior a 7,0 (sete) calculada com pesos (04) quatro, (05) cinco e (06) seis para a primeira, segunda e terceira avaliação respectivamente

Baixar Arquivo
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2018 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao