Projeto Pedagógico do Curso

 

     O perfil do egresso o Curso de Bacharelado em Música toma como referência o que está escrito no artigo 3º das Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Música, constante na Resolução CNE/CES nº 02/2004. O Curso de Graduação em Música deve ensejar, como perfil desejado do formando,

1)    capacitação para apropriação do pensamento reflexivo, da sensibilidade artística;

2)    da utilização de técnicas composicionais;

3) do domínio dos conhecimentos relativos à manipulação composicional de meios acústicos, eletroacústicos e de outros meios experimentais;

4)   e da sensibilidade estética através do conhecimento de estilos, repertórios, obras e outras criações musicais, revelando habilidades e aptidões indispensáveis à atuação profissional na sociedade, nas dimensões artísticas, culturais, sociais, científicas e tecnológicas, inerentes à área da Música.

     Procurando adequar-se às mudanças ocorridas na área musical, sobretudo na retomada de uma visão não compartimentada do saber, o CBM investe na formação de um profissional que seja capaz de detectar, propor e vencer desafios em seu contexto de atuação. Espera-se que o graduado seja um profissional consciente e crítico de seu papel social e político. Além disso, deve ser capaz de:

1)    enfrentar os desafios da sociedade contemporânea nas atividades artísticas e culturais;

2)    interagir com as novas redes de informação, com a fundamentação teórica refletida na sua prática musical;

3)    assumir uma postura investigatória, reflexiva e criativa diante de suas atividades;

4)    produzir conhecimento;

5)    ser um profissional preparado para a atividade musical na ênfase de sua formação e que seja capaz de atuar em um campo de trabalho com características múltiplas;

6)    ser apto a desenvolver recitais ou apresentações para diferentes públicos, produzindo-os e executando-os,

7)    ser apto a desenvolver arranjos e/ou composições para diferentes formações instrumentais;

8)    ser apto a atuar em grupos musicais e ter competência para produzir outros conhecimentos a partir da performance musical/arranjo/composição.


 

     As competências e habilidades desejadas para o perfil do egresso do Curso de Bacharelado em Música contemplam o desenvolvimento humano nas dimensões artísticas, culturais, sociais, científicas e tecnológicas, destacando-se o desenvolvimento de competências artísticas, científicas e profissionais envolvendo o pensamento reflexivo. Entende-se por competência profissional a capacidade de mobilizar, articular e colocar em ação valores, conhecimentos e habilidades necessários para o desempenho eficiente requerido pela natureza do trabalho.

     O artigo 4º das Diretrizes Nacionais do Curso de Graduação em Música, constante na Resolução CNE/CES nº 02/2004, orienta a formação de profissional que revele, pelo menos, as seguintes competências e habilidades para:

I - intervir na sociedade de acordo com suas manifestações culturais, demonstrando sensibilidade e criação artísticas e excelência prática;

II - viabilizar pesquisa científica e tecnológica em Música, visando à criação, compreensão e difusão da cultura e seu desenvolvimento;

III - atuar, de forma significativa, nas manifestações musicais, instituídas ou emergentes;

IV - atuar nos diferenciados espaços culturais e, especialmente, em articulação com instituição de ensino específica de Música;

V - estimular criações musicais e sua divulgação como manifestação do potencial artístico.

     Em consonância com essas diretrizes, a formação no curso de Bacharelado em Música da UFRN é orientada para o desenvolvimento de competências e habilidades para:

1)    identificar e aplicar, articuladamente, os componentes básicos da linguagem sonora;

2)    incorporar à prática musical o conhecimento das transformações e rupturas conceituais que historicamente se processaram na área;

3)    utilizar, de modo crítico, novas tecnologias na interpretação artística e nos processos criativos, bem como métodos, técnicas, recursos e equipamentos específicos à prática musical;

4)    conceber, organizar e interpretar roteiros e instruções para a realização de projetos artístico-musicais;

5)    demonstrar capacidade de abstração e de raciocínio lógico;

6)    compreender o fazer artístico fundamentado no conhecimento técnico e estético, resultando numa prática consciente e consequente;

7)    reinventar processos, formas, técnicas, materiais e valores estéticos na concepção, produção e interpretação musical, envolvendo o pensamento reflexivo e crítico;

8)    identificar as características dos diversos gêneros de produção artístico-musical;

9)    intervir na sociedade de acordo com suas manifestações culturais, demonstrando sensibilidade e criação artísticas e excelência prática;

10)  utilizar a pesquisa científica e tecnológica em música, visando a criação, compreensão e difusão da cultura e seu desenvolvimento;

11)  atuar, de forma significativa nas manifestações musicais, instituídas ou emergentes;

12)  atuar nos diferenciados espaços culturais e, especialmente, em articulação com instituições de ensino específico de Música;

13)  estimular criações musicais e sua divulgação como manifestação do potencial artístico;

14)  ser consciente e crítico de seu papel social e ético para enfrentar desafios da sociedade contemporânea nas atividades artísticas e culturais.


 

     A matriz curricular do curso de Bacharelado em Música está organizada em conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais para cursos de Graduação em Música, constante na Resolução CNE/CES nº 02/2004. No âmbito da UFRN, este PPC observa e atende a Resolução nº 037/2019- CONSEPE que trata de alterações no Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da UFRN; as Resoluções nº 038/2019 e nº  174/2021 - CONSEPE, que regulamentam a inserção curricular das ações de extensão universitária nos cursos de Graduação da UFRN e a Resolução nº 026/2019 - CONSUNI, que institui a Política de Inclusão e Acessibilidade e a Resolução nº 027/2019 - CONSUNI que regulamenta a Rede de Apoio à Política de Inclusão e Acessibilidade e a Comissão Permanente de Inclusão e Acessibilidade da UFRN.

     A organização da estrutura curricular busca adaptar-se ao dinamismo das demandas do perfil profissional exigido pela sociedade, em que a graduação desempenha um papel inicial no processo de formação permanente. A proposta ora apresentada prevê a discussão periódica dessas exigências e a adequação do curso a estas, tomando o cuidado de não se submeter apenas às regras impostas pelo mercado de trabalho. A articulação do ensino com a pesquisa e a extensão é uma preocupação central do projeto, considerando que a UFRN tem, como instituição pública, a missão de "educar, produzir e disseminar o saber universal contribuindo para o desenvolvimento humano e comprometendo-se com a justiça social, a democracia e a cidadania" (Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI).

     Além das atividades de ensino, por meio de aulas teóricas e práticas, o projeto pedagógico do curso de Bacharelado em Música prevê que os alunos deverão integralizar parte de sua carga horária acadêmica, também, com atividades de pesquisa e extensão. Para isso, poderão atuar em algum dos variados projetos de Extensão da Unidade, participar de algum dos Grupos Musicais da EMUFRN, participar de projetos de pesquisa, participar e/ou integrar a equipe organizadora de Eventos, Seminários e Congressos, além do engajamento em outras ações relacionadas a essas atividades acadêmicas.

   A EMUFRN também tem incentivado a participação dos docentes e alunos em projetos interdisciplinares e intradisciplinares, com o objetivo de construir bens culturais permanentes (partituras, espetáculos, remasterizações, sites na Internet, etc.) com base nas atividades desenvolvidas normalmente em sala de aula e laboratórios. Esses projetos são sazonais e rotativos, funcionando de acordo com o número de alunos inscritos em cada componente curricular a cada semestre. Nessa perspectiva metodológica existem ainda projetos ligados ao Núcleo de Música Popular Brasileira, que resultaram na montagem de espetáculos e temporadas de recitais, como: Saltimbancos, Ópera do Malandro, Terças Musicais e Quintas Musicais.

     Em componentes curriculares como Música e Empreendedorismo e Produção Musical há o incentivo a projetos direcionados às próprias apresentações públicas, cursos e eventos da área a serem realizados pelos alunos no que diz respeito ao planejamento, produção, captação de recursos e outros aspectos que sejam requisitos para projetos profissionais no âmbito musical. O mesmo ocorre em componentes de composição: as habilidades e competências trabalhadas nesses componentes são parcialmente realizadas de forma prática em apresentações públicas, através da combinação desta atividade com os grupos musicais e alunos de instrumento e canto.

     Outros aspectos relativos à flexibilização curricular, à interdisciplinaridade, à acessibilidade metodológica e ao atendimento de especificidades previstas nas DCNs serão melhor explicadas dentro de cada uma das áreas a serem apresentadas e na matriz curricular.



AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

 

     No Curso de Bacharelado em Música a avaliação é entendida como uma das etapas do processo de ensino-aprendizagem. Serve para monitorar se as ações se dirigem para os objetivos propostos, permitindo identificar tanto pontos fortes a serem explorados quanto eventuais deficiências a serem sanadas. Por essa razão, a avaliação não deve ser vista como algo isolado, circunscrito a fechamento de unidades de curso ou de curso como um todo, mas como atividade permanente e como “processo formativo contínuo que compreende diagnóstico, acompanhamento e somatório da aquisição de conhecimentos, habilidades e atitudes pelo estudante” (UFRN, 2014, p. 17).

     A avaliação do processo de ensino-aprendizagem deve ter como parâmetros os princípios da proposta curricular, a função social, os objetivos do curso, os objetivos das áreas de conhecimento e o perfil desejado para o formando. Deve ser entendida numa dimensão de orientação, como um meio de verificação dos níveis de assimilação da aprendizagem, da formação de atitudes e do desenvolvimento de habilidades que se expressam através da aquisição de competências. Como qualquer processo, está sujeita a análises para que sejam verificados problemas de infraestrutura, formato, dinâmica, método, e para que sejam propostas adequações e soluções.

     Em termos quantitativos, o sistema de avaliação que se adota no curso segue o que dispõe os Art. de 91 a 129 do Regulamento dos Cursos de Graduação da UFRN (UFRN, 2014). De modo geral, os componentes curriculares do curso que envolvem carga horária de trabalho em sala de aula têm suas atividades organizadas em três unidades. Por isso, a nota final atribuída ao aluno nesse caso é uma média das notas obtidas nas diferentes unidades do componente.

     As diversas avaliações ao longo do semestre podem envolver diferentes formatos de acordo com as especificidades socioeconômicas, físicas, cognitivas, sensoriais, mentais e necessidades específicas dos discentes, bem como, de acordo com a natureza prática, teórica ou teórico-prática do componente, podendo envolver:

1.    Prova oral (principalmente em casos de atendimento a necessidades educacionais específicas);

2.    Desenvolvimento de Projetos;

3.    Trabalho (parcial ou final) escrito (incluindo artigos, projetos, relatórios, etc.);

4.    Seminário;

5.    Desenvolvimento de aparatos com/para uso de tecnologias (gravações, softwares, aplicativos, etc.);

6.    Performance musical periódica para acompanhamento do processo em componentes curriculares práticos.

 

AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO

 

     O Núcleo Docente (NDE) exclusivo do curso de bacharelado em Música foi criado em 2018 e seus membros foram nomeados na portaria 264/2018. A última renovação de seus membros data de 09 de novembro de 2020. O Núcleo Docente Estruturante (NDE) terá a responsabilidade de promover ações visando a manutenção e incremento da qualidade do curso, determinadas pela Semana de Planejamento e Avaliação Internas, realizada anualmente. As ações serão planejadas em sintonia com o Plano Trienal da Escola de Música e poderão contar, tanto na etapa de planejamento quanto na de realização, com a cooperação da Comissão Própria de Avaliação – CPA e da Pró-Reitoria de Graduação – PROGRAD, por meio da Diretoria de Desenvolvimento Pedagógico – DDPed. As reuniões do NDE serão abertas à participação de interessados em colaborar na discussão sobre aspectos relacionados ao funcionamento e filosofia do curso. O NDE será responsável também pela preparação para atendimento a equipes de avaliação externa.

     Entre as ações mencionadas destaca-se a participação ativa do Núcleo nas reuniões de planejamento acadêmico, realizadas sistematicamente pela Escola de Música. O resultado das proposições advindas dessas reuniões, associadas ao monitoramento dos índices apontados nas auto avaliações, nas avaliações externas (ENADE, CPC e outras) e na observação de resultados junto à comunidade (situação dos egressos, contabilização de sucessos em concursos, prêmios, publicações, etc.) fornecerão dados suficientes para o delineamento de novas ações acadêmico administrativas que nortearão possíveis revisões no Projeto Pedagógico de Curso, provavelmente baseadas em modificações na estrutura curricular, na carga horária dos componentes, na reestruturação dos planos de curso e ementário, e na incorporação de novos profissionais ao quadro de formadores atuando no curso.

     A realização do PATCG- Plano de Ação Trienal dos Cursos de Graduação e de seus relatórios anuais vem sendo uma ferramenta eficaz de avaliação continuada e proposição de ações para melhoria do curso. O último PATCG foi elaborado em 2020 e já resultou em diversas ações, dentre elas esta atualização do PPC.


Baixar Arquivo
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao