Projeto Pedagógico do Curso

      O perfil do egresso de química apoiado na resolução2 CNE/CES nº8/2002 que estabelece as Diretrizes Curriculares para os cursos de Bacharelado e Licenciatura em Química, reconhece que, “o Licenciado em Química deve ter formação generalista, mas sólida e abrangente em conteúdo dos diversos campos da Química, assim como preparação adequada à aplicação pedagógica do conhecimento e experiências de Química e de áreas afins na atuação profissional como educador na educação fundamental e média”.

      Ademais, de acordo com o artigo 8º da resolução no 2/2015 CNE, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para formação inicial em nível superior - cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura e para formação continuada, o egresso da licenciatura deverá estar apto a:
I - atuar com ética e compromisso com vistas à construção de uma
sociedade justa, equânime, igualitária;
II - compreender o seu papel na formação dos estudantes da educação básica a partir de concepção ampla e contextualizada de ensino e processos de aprendizagem e desenvolvimento destes, incluindo aqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria;
III - trabalhar na promoção da aprendizagem e do desenvolvimento de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano nas etapas e modalidades de educação básica;
IV - dominar os conteúdos específicos e pedagógicos e as abordagens teórico metodológicas do seu ensino, de forma interdisciplinar e adequada às diferentes fases do desenvolvimento humano;
V - relacionar a linguagem dos meios de comunicação à educação, nos
processos didático-pedagógicos, demonstrando domínio das tecnologias
de informação e comunicação para o desenvolvimento da aprendizagem;
VI - promover e facilitar relações de cooperação entre a instituição
educativa, a família e a comunidade;
VII - identificar questões e problemas socioculturais e educacionais, com postura investigativa, integrativa e propositiva em face de realidades complexas, a fim de contribuir para a superação de exclusões sociais, étnico raciais, econômicas, culturais, religiosas, politicas, de gênero, sexuais e outras;

VIII - demonstrar consciência da diversidade, respeitando as diferenças de natureza ambiental-ecológica, étnico racial, de gêneros, de faixas geracionais, de classes sociais, religiosas, de necessidades especiais, de diversidade sexual, entre outras;

IX - atuar na gestão e organização das instituições de educação básica, planejando, executando, acompanhando e avaliando políticas, projetos e programas educacionais;
X - participar da gestão das instituições de educação básica, contribuindo
para a elaboração, implementação, coordenação, acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico;
XI - realizar pesquisas que proporcionem conhecimento sobre os estudantes e sua realidade sociocultural, sobre processos de ensinar e de aprender, em diferentes meios ambiental-ecológicos, sobre propostas curriculares e sobre organização do trabalho educativo e práticas pedagógicas, entre outros;
XII - utilizar instrumentos de pesquisa adequados para a construção de conhecimentos pedagógicos e científicos, objetivando a reflexão sobre a própria prática e a discussão e disseminação desses conhecimentos;
XIII - estudar e compreender criticamente as Diretrizes Curriculares Nacionais, além de outras determinações legais, como componentes de formação fundamentais para o exercício do magistério.
     Tal perfil implica no desenvolvimento de competências e habilidades com relação à formação pessoal, à compreensão da Química, à busca de informação e à comunicação e expressão, ao ensino de Química e à profissão.

Com relação à formação pessoal
● Possuir conhecimento sólido e abrangente na área de atuação, com domínio das técnicas básicas de utilização de laboratórios, bem como dos procedimentos necessários de primeiros socorros, nos casos dos acidentes mais comuns em laboratórios de Química.
● Possuir capacidade crítica para analisar de maneira conveniente os seus próprios conhecimentos; assimilar os novos conhecimentos científicos e/ou educacionais e refletir sobre o comportamento ético que a sociedade espera de sua atuação e de suas relações com o contexto cultural, socioeconômico e político.
● Identificar os aspectos filosóficos e sociais que definem a realidade educacional.
● Identificar o processo de ensino/aprendizagem como processo humano em construção.
● Ter uma visão crítica com relação ao papel social da Ciência e à sua natureza epistemológica, compreendendo o processo histórico-social de sua construção.
● Saber trabalhar em equipe e ter boa compreensão das etapas de uma pesquisa educacional.
● Ter interesse no auto aperfeiçoamento contínuo, curiosidade e capacidade para estudos extracurriculares individuais ou em grupo, espírito investigativo, criatividade e iniciativa na busca de soluções para questões individuais e coletivas relacionadas com o ensino de Química, bem como para acompanhar as rápidas mudanças tecnológicas oferecidas pela interdisciplinaridade, como forma de garantir a qualidade do ensino de Química.
● Ter formação humanística que permita exercer plenamente sua cidadania e, enquanto profissional, respeitar o direito à vida e ao bem estar dos cidadãos.
● Ter habilidades que o capacitem para a preparação e desenvolvimento de recursos didáticos e instrucionais relativos à sua prática e avaliação da qualidade do material disponível no mercado, além de ser preparado para atuar como pesquisador no ensino de Química.

Com relação à compreensão da Química
● Compreender os conceitos, leis e princípios da Química.

● Conhecer as propriedades físico-químicas principais dos elementos e compostos, que possibilitem entender e prever seu comportamento, aspectos de reatividade, mecanismos e estabilidade.

● Acompanhar e compreender os avanços científico-tecnológicos e educacionais.

● Reconhecer a Química como uma construção humana e compreender os aspectos históricos de sua produção e suas relações com o contexto cultural, socioeconômico e político.

Com relação à busca de informação e à comunicação e expressão

● Saber identificar e fazer busca nas fontes de informações relevantes para a Química, inclusive as disponíveis nas modalidades eletrônica e remota, que possibilitem a contínua atualização técnica, científica, humanística e pedagógica.

● Ler, compreender e interpretar os textos científico-tecnológicos em idioma pátrio e estrangeiro (especialmente inglês e/ou espanhol).
● Saber interpretar e utilizar as diferentes formas de representação (tabelas, gráficos, símbolos, expressões, etc.).
● Saber escrever e avaliar criticamente os materiais didáticos, como livros, apostilas, "kits", modelos, programas computacionais e materiais alternativos.
● Demonstrar bom relacionamento interpessoal e saber comunicar corretamente os projetos e resultados de pesquisa na linguagem educacional oral e escrita (textos, relatórios, pareceres, "posters", internet, etc.) em idioma pátrio.

Com relação ao ensino de Química
● Refletir de forma crítica a sua prática em sala de aula, identificando problemas de ensino/aprendizagem.
● Compreender e avaliar criticamente os aspectos sociais, tecnológicos, ambientais, políticos e éticos relacionados às aplicações da Química na sociedade.
● Saber trabalhar em laboratório e saber usar a experimentação em Química como recurso didático.
● Possuir conhecimentos básicos do uso de computadores e sua aplicação em ensino de Química.
● Possuir conhecimento dos procedimentos e normas de segurança no trabalho.
● Conhecer teorias psicopedagógicas que fundamentam o processo de ensino-aprendizagem, bem como os princípios de planejamento educacional.

● Conhecer os fundamentos, a natureza e as principais pesquisas de
ensino de Química.

● Conhecer e vivenciar projetos e propostas curriculares de ensino de Química.

● Ter atitude favorável à incorporação, na sua prática, dos resultados da pesquisa educacional em ensino de Química, visando solucionar os problemas relacionados ao ensino/aprendizagem.

Com relação à profissão
● Ter consciência da importância social da profissão como possibilidade de desenvolvimento social e coletivo.

● Ter capacidade de disseminar e difundir e/ou utilizar o conhecimento
relevante para a comunidade.

● Atuar no magistério, em nível de ensino fundamental e médio, de acordo com a legislação específica, utilizando metodologia de ensino variada, contribuir para o desenvolvimento intelectual dos estudantes e para despertar o interesse científico em adolescentes; organizar e usar laboratórios de Química; escrever e analisar
criticamente livros didáticos e paradidáticos e indicar bibliografia para o ensino de Química; analisar e elaborar programas para esses níveis de ensino.

● Exercer a sua profissão com espírito dinâmico, criativo, na busca de novas alternativas educacionais, enfrentando como desafio as dificuldades do magistério.

● Conhecer criticamente os problemas educacionais brasileiros.

● Identificar no contexto da realidade escolar os fatores determinantes no processo educativo, tais como o contexto socioeconômico, política educacional, administração escolar e fatores específicos do processo de ensino-aprendizagem de Química.

● Assumir conscientemente a tarefa educativa, cumprindo o papel social de preparar os alunos para o exercício consciente da cidadania.

● Desempenhar outras atividades na sociedade, para cujo sucesso uma sólida formação universitária seja importante fator.

       Para atender a formação do licenciado em Química dirigida ao desenvolvimento de competências e habilidades pessoais e profissionais relacionadas à compreensão da Química; à busca de informação e a comunicação e expressão; ao ensino de Química e à sua profissão, desta forma, a estrutura curricular prevê a organização dos componentes curriculares nos seguintes núcleos:

a) Núcleo de formação específica (conteúdos básicos):cujo objetivo é propiciar a formação específica na respectiva área de conhecimento. considerando a flexibilidade, a interdisciplinaridade e acessibilidade metodológica. Para tanto o Instituto de Química adota o uso de tecnologias de informação e comunicação no processo de ensino aprendizagem e acessibilidade digital através de seu laboratório de informática. Com vistas a atingir nosso objetivo o Instituto conta também com o apoio a estudantes com necessidades educacionais especiais fornecido pela antiga CAENE renomeado como SIA (secretaria de inclusão e acessibilidade).

b) Núcleo de formação didático-pedagógica: tem como objetivo preparar pedagogicamente o licenciando para o exercício da docência. Inclui disciplinas como, didática, psicologia, LIBRAS, epistemologia entre outros.

c) Núcleo de Prática profissional: também conhecido com prática de ensino. Estas disciplinas têm o caráter de ensinar a ensinar o futuro professor no exercício da docência. Neste núcleo abordagem interdisciplinar é contemplada com mais ênfase, em função da própria natureza do conteúdo abordado em tais componentes curriculares, uma vez que estes são constituídos a partir de um diálogo entre diferentes campos de conhecimentos, entre os quais a didática, filosofia, psicologia, sociologia e a própria química. O caráter interdisciplinar se evidencia, portanto, a partir da integração de
saberes disciplinares e pedagógicos, gerando um novo tipo de saber, o conhecimento pedagógico do conteúdo, que caracteriza o trabalho nas disciplinas de Prática como Componente Curricular, ao longo da formação do futuro professor de química.

d) Núcleo do Estágio Supervisionado: possui uma carga horária em que o licenciando inicia sua atividade de formação profissional no local de trabalho, a escola.

e) Atividades Teórico-Práticas (ATP) e de extensão: atividades Também denominadas AACC (atividades artístico-científico-culturais) que propiciam ao futuro professor uma formação social, cultural e científica. Incluem atividades diversas que são integralizadas ao final do curso.
O curso de Licenciatura em Química é oferecido em dois turnos e não há variação ou mudança dos componentes curriculares destes, mas difere com relação ao tempo de integralização. Para o turno matutino o prazo médio é de 8 semestres (4 anos), e de 10 semestres (5 anos) para o turno noturno

    A carga horária total do curso é de 3.255 horas e inclui: 1.740 horas de componentes curriculares de formação específica; 285 horas de componentes relacionados à Prática de Ensino; 300 horas de componentes relacionados à formação didático-pedagógica; 400 horas de prática como componente curricular, distribuída ao longo do processo formativo, de acordo com as diretrizes curriculares Nacionais para cursos de licenciatura; 330 horas de componentes curriculares optativos, 200 horas de Atividades
Teórico-Prática (ATP) de aprofundamento em áreas específicas de interesses dos estudantes conforme definido nas diretrizes curriculares nacionais por meio da iniciação científica, iniciação a docência e da monitoria, entre outras; A fim de contemplar de forma mais adequada a realidade de participação do estudante nesse tipo de atividade, houve uma revisão dos critérios de contagem das Atividades Acadêmico- Científico-Culturais (renomeadas atividades teórico-práticas – ATP) de acordo com a resolução CNE/CP no. 2/2015. Essa readequação também levou em conta a participação dos estudantes em atividades de extensão (por exemplo, a participação em uma oficina ou minicurso) bem como o protagonismo ativo do estudante nesse tipo de ação (por exemplo, o estudante ministrar uma oficina ou minicurso). Para tanto, foram previstos
componentes curriculares denominados projetos de extensão (QUI1045, QUI1046, QUI1047 e QUI1048), que incluem, por exemplo, a realização de minicursos e oficinas ministrados pelos licenciandos, que permita a socialização com professores em formação e atuantes, o projeto química de portas abertas, o parque da ciência, semana de minicursos do Instituto de Química, química preparatória para o ENEM, trilhas potiguares, etc. Outras atividades realizadas pelo estudante nas quais o mesmo atue como protagonista em projetos e atividades de extensão, por exemplo, poderão ser contabilizadas como carga horária de extensão dessas disciplinas. Prevêse que haja o acompanhamento do Núcleo Docente Estruturante em relação à carga horária de extensão prevista no projeto pedagógico do curso de Licenciatura em Química, de forma a se cumprir a meta prevista pela UFRN. São cinco componentes curriculares denominados projetos de extensão, apresentados no quadro abaixo, totalizando 330 horas, nos quais o estudante pode se matricular ao longo do curso.

      Para atender a estrutura curricular de Licenciatura em Química, participam docentes de diferentes unidades acadêmicas da UFRN, a saber:

Instituto de Química, Departamento de Física, Departamento de Matemática, Centro de Educação, Centro de Biociências e Departamento de Geologia.
     Atualmente os 57 docentes do Instituto de Química têm uma média de 10 horas-aula por semana sendo distribuídos em áreas de conhecimento.
      No caso específico para a Licenciatura em Química, o Instituto de Química conta com 6 docentes para a área de educação em química, responsáveis pelas 285 horas da Prática de Ensino; 10 docentes para os componentes curriculares de Química Orgânica; 10 docentes para os componentes curriculares de Química Analítica; 10 docentes para os componentes de Físico-Química e 10 docentes para os componentes de química inorgânica.
     O Centro de Educação, responsável pela oferta das 400 horas de Estágio Obrigatório conta com 2 docentes específicos para o curso de Química; além de 4 outros responsáveis pelos componentes de Psicologia da Educação, Libras, Organização da Educação Brasileira e Fundamentos sócio-filosóficos. O departamento de Geologia conta com 1 docente, o de Física 3 docentes; matemática 2 docentes e o Centro de Biociências conta com 1 docente.
Com base nestes pontos o Instituto de Química se propõe a reestruturar o currículo do curso em três núcleos, a saber: um núcleo comum direcionado a formação científica básica, constituído de disciplinas fundamentais de caráter obrigatório; um núcleo profissional de formação específica constituída por disciplinas tanto de formação didático pedagógica como as com caráter de transposição didática também de
caráter obrigatório e um núcleo diversificado contendo disciplinas complementares, todas acompanhadas de várias atividades curriculares e extra classe que conduzam a uma formação sólida e diversificada para o exercício da profissão. Assim, os conteúdos previstos incluem:

o núcleo comum definido pelo conjunto de disciplinas básicas de formação em Química correspondendo ao domínio e conhecimento aprofundado na respectiva área, bem como pelas disciplinas das áreas afins da Física, Matemática, Biologia e Geologia;

● o núcleo profissional definido pelo conjunto de disciplinas que garantem a formação específica do licenciando e concretizará sua competência profissional para atuar no Ensino de Química.

● o núcleo diversificado definido pela interdisciplinaridade e aprofundamento dos conteúdos da ciência e da tecnologia levará o futuro professor ao diálogo de diferentes áreas do conhecimento favorecendo uma formação profissional ampla.

O curso é então estruturado em módulos semestrais, estruturado em aulas teóricas, práticas, com componentes curriculares presenciais e um componente a distância BEZ0081 – Biodiversidade que possui toda a estrutura de EAD, conforme portaria MEC, Nº 1428 de 28 de dezembro de 2018, além de atender também a Resolução nº 028/2019 – CONSEPE, de 19 de março de 2019 que estabelece normas e critérios para a oferta e o funcionamento de componentes curriculares na modalidade a distância da
UFRN. Vale ressaltar que o componente já é oferecido no curso de Licenciatura em Química a distância e seu propósito é garantir ao licenciado uma formação básica em biologia para que possa atuar nas escolas, em turmas de 6o a 9o ano na disciplina de ciências. 

A elaboração da estrutura curricular contou com a participação do Núcleo Docente Estruturante para delinear ideias e propostas iniciais. Além deste foram realizados dois encontros com os discentes buscando elementos que sinalizassem sobre seus anseios e dificuldades com relação ao curso, ao currículo, a infraestrutura física. Outra fonte importante utilizada foi o relatório do ENADE 2017 .

Tais informações foram comparadas com o observatório do egresso da UFRN e as fichas de avaliação dos discentes sobre o curso, realizada pela Comissão Permanente de Avaliação (CPA).

A partir destes elementos foi realizado um encontro com toda a comunidade docente do Instituto de Química para que pudessem discutir a proposta de matriz curricular.

O presente PPC considera alguns princípios básicos tais como a indissociabilidade entre o ensino, a pesquisa e a extensão (este sendo observado nas diferentes ações do IQ, especialmente no Programa de Formação Complementar que ocorre todo início de semestre letivo); a articulação entre teoria e prática nos componentes curriculares (observado tanto nas disciplinas de conteúdo específico disciplinar como nas disciplinas
de transposição didática, isto é, as 400 horas de prática de ensino, a saber:
PEC0119, PEC0120, PEC0121 e PEC0122); a interdisciplinaridade e a flexibilização curricular (observada especialmente nos componentes curriculares de formação específica).

A flexibilização também é observada nas 330 horas (atendendo aos percentuais mínimos exigidos de 10%) e de 200 horas para atividades teórico-práticas (ATP/AACC) (atendendo aos 5% da carga horária total).
Assume-se que uma formação diversificada, sólida e ampla contribuirá com uma formação mais humana do futuro professor de modo a prepará-lo para a diversidade de ações que a profissão exige.

Além destes, a estrutura curricular atende aos documentos legais de carga horária (CP nº 1 e nº2). Destaca-se a abordagem dos conteúdos de educação ambiental de forma transversal em alguns componentes curriculares, entre eles, em Experimentação e ensino de química o qual aborda a questão do impacto ambiental dos rejeitos químicos produzidos nas aulas de laboratório e o componente específico de Química Ambiental.Esta abordagem busca atender ao artigo 26, §7º da LDB, Lei 9.394, de 20 dedezembro de 1996 e Lei 9.795, de 27 de abril de 1999).

    Os conteúdos para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, bem como ao tratamento de questões e temáticas que dizem respeito aos afrodescendentes (Parecer CNE-CP nº 3-2004, de 10 de março de 2004 e Resolução CNE-CP nº 1-2004, de 17 de junho de 2004) são abordadas no componente curricular Projetos escolares e o Ensino da Química , promovendo amplo debate das questões culturais, sociais, econômicas e o conhecimento sobre o desenvolvimento humano e a própria docência, contemplando conhecimentos sobre crianças, adolescentes, jovens e adultos. Incluindo ainda neste tema as comunidades indígenas como previsto na Resolução CNE-CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002 e na Resolução no 2/2015 que discute entre outros a questão da diversidade de gênero, gestão escolar. A estrutura curricular inclui LIBRAS como componente curricular obrigatório. O quadro 06 abaixo apresenta todos os conteúdos obrigatórios, de acordo com a legislação em vigor.

     Com relação às 400 horas de Estágio Obrigatório de Formação Docente (PEC0119, PEC0120, PEC0121 e PEC0122), cabe destacar que este é de responsabilidade do Centro de Educação e da Coordenação das Licenciaturas. O estágio no curso de licenciatura é visto como um componente curricular entendido como o momento de efetivar, sob a supervisão de um profissional experiente, o processo de ensino aprendizagem. O estágio curricular para o curso de Licenciatura em Química é dividido em 4 estágios de 100 horas cada um. Os dois primeiros estágios são destinados principalmente à caracterização e observação do ambiente escolar e ao desenvolvimento de um projeto que será colocado em prática nas próximas etapas. Os estágios III e IV referem-se à experiência docente em sala de aula, na qual os alunos de graduação ministram aulas de Ciências em turmas do Fundamental II (Estágio III) e aulas de Química em turmas do Ensino Médio (Estágio IV). O novo PPC também prevê a inserção de uma disciplina com conteúdos de Biologia para atender à demanda dos

conteúdos desta ciência explorados no Ensino Fundamental II.

 A UFRN tem política de apoio ao aluno portador de necessidade especial. Através da SIA – Secretaria de Inclusão e acessibilidade, antiga Comissão Permanente de Apoio a Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte –CAENE/UFRN, criada pela Portaria nº. 203/10 - R, de 15 de março de 2010,vinculada ao Gabinete da Reitoria. Esta secretaria tem por finalidade apoiar, orientar e acompanhar a política de inclusão de estudantes com necessidades educacionais especiais no âmbito desta universidade. No caso do curso de Licenciatura em Química, além das recomendações de caráter geral, como a obrigatoriedade do curso de LIBRAS, as adequações com respeito a infraestrutura como por exemplo construção de rampas de acesso, vagas exclusivas de estacionamento, elevadores e espaços reservados em salas e auditórios, o PATCG submetido recentemente também trata de casos específicos de uso de recursos de tecnologia assistiva tais como aumento no tamanho das letras nos slides de aula, maior tempo de avaliação, sugeridas pela SIA, além da previsão de adaptação de, pelo menos, uma bancada em cada laboratório para alunos com necessidades especiais como por exemplo plataforma para alunos com nanismo (já existente) e também vidrarias com cores e marcações especiais

para pessoas com deficiência visual

A seguir apresenta-se os componentes curriculares oferecidos pelo curso, com seus respectivos números de créditos e carga horária. programas, ementas, competências e habilidades e a distribuição semanal de horas/aula, montadas conforme os dispositivos regulamentares da Pró-Reitoria de Graduação.


     Com relação a avaliação do Projeto Pedagógico, destaca-se que a formação do Núcleo Docente Estruturante é representativo de todas as áreas do conhecimento químico. Este se reúne sempre que há demanda com a convocação do coordenador dos cursos como, por exemplo, para discutir e propor ações após os resultados do ENADE. Tal avaliação é prevista no Plano Trienal(PATCG) do Instituto de Química que foi elaborado recentemente para o triênio 2020-2022. Além disso, quando necessário solicita apoio tanto da equipe pedagógica da PROGRAD como da CPA.

Baixar Arquivo
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao