Banca de QUALIFICAÇÃO: BRENDA SANTOS LEITE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BRENDA SANTOS LEITE
DATA : 05/04/2022
HORA: 15:00
LOCAL: Virtual
TÍTULO:
  1. Prevalência de parasitoses gastrintestinais em pacientes oncológicos

PALAVRAS-CHAVES:

câncer, pacientes imunossuprimidos; parasitoses intestinais; tratamento quimioterápico; sintomatologia.


PÁGINAS: 72
RESUMO:

Diversos estudos relatam a incidência de parasitos entéricos oportunistas em populações de pacientes imunossuprimidos, em pacientes submetidos à hemodiálise, em transplantados e naqueles que possuem doenças autoimunes. Porém, há poucas informações sobre essas parasitoses em pacientes oncológicos submetidos ou não à quimioterapia. Desse modo, objetivou-se avaliar a prevalência de parasitos intestinais em pacientes oncológicos a fim de evidenciar se há relação entre a sua presença, o estado de saúde do paciente e a realização do tratamento quimioterápico, além de estabelecer uma associação com as suas características sociais, econômicas e comportamentais. Para isso, foram solicitadas amostras de fezes frescas de 67 pacientes oncológicos com idade igual ou maior a 18 anos, que foram diagnosticados com qualquer tipo de câncer, estando ou não em tratamento quimioterápico e que aceitassem participar da pesquisa assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). As amostras foram submetidas aos métodos de Holfmann, Pons e Janer (HPJ), Willis e Rugai, para determinar a presença de parasitos intestinais e foi aplicado um questionário sobre os aspectos sócio-econômico, hábitos alimentares e de higiene e informações quimioterápicas e parasitológicas dos pacientes. Os dados coletados foram tabulados e analisados usando estatística descritiva (medidas de posição (mediana e moda), frequências absoluta e relativa), tabelas de contingência e teste de Qui-Quadrado, no software R ® [R Core Team (2021)]. A positividade dos exames parasitológicos de fezes foi de 46,3%, com prevalência de Endolimax nana (32,3%) e Entamoeba coli (25,8%), frequencia que talvez não reflita a realidade, uma vez que foi identificado uso de ivermectina em 89% dos pacientes antes do início do tratamento quimioterápico. Não foram identificadas larvas de Strongyloides stercoralis nem ovos de helmintos, a exceção de ovos de ancilostomídeos em 4,5% dos pacientes. Identificou-se que a realização do tratamento quimioterápico teve relação direta com a presença da sintomatologia náusea (p<0.05), porém não foi identificado associação entre o parasitismo e os demais fatores sócio-econômicos avaliados no questionário (p>0.05), concluindo-se que a infecção dos pacientes independe se o paciente está ou não em tratamento quimioterápico e se ele apresenta sintomas como vômito e/ou diarreia.


MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 1891868 - CRISTINA ROCHA DE MEDEIROS MIRANDA
Externo ao Programa - 1282620 - HENRIQUE ROCHA DE MEDEIROS
Externo à Instituição - JORGE LUCAS NASCIMENTO SOUZA
Presidente - 1714262 - LILIAN GIOTTO ZAROS DE MEDEIROS
Notícia cadastrada em: 28/03/2022 13:17
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao