Banca de QUALIFICAÇÃO: HENRIQUE RAFAEL PONTES FERREIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : HENRIQUE RAFAEL PONTES FERREIRA
DATA : 15/12/2019
HORA: 15:00
LOCAL: Sala de reuniões do Centro de Biociências.
TÍTULO:

AVALIAÇÃO REPELENTE DE ICARIDINA APLICADO EM TECIDO DE ALGODÃO SOBRE Lutzomyia longipalpis (LUTZ & NEIVA, 1912)


PALAVRAS-CHAVES:

Doenças Negligenciadas. Flebotomíneos. Comportamento. Leishmaniose Visceral. 


PÁGINAS: 55
RESUMO:

Lutzomyia longipalpis (Lutz & Neiva, 1912) (Diptera: Psychodidae) é o principal inseto vetor do protozoário Leishmania infantum (ROSS, 1903), agente etiológico da Leishmaniose Visceral (LV) ou Calazar no Brasil. Para o controle vetorial, destaca-se a utilização de compostos químicos inseticidas, porém, possivelmente, o uso dessa estratégia vem causando resistência em populações de L. longipalpis, aumentando consideravelmente os casos de LV nos últimos anos no Brasil. Abordagens que utilizam materiais com repelentes são consideradas uma nova alternativa, para evitar a picada desse inseto. A Icaridina é um dos compostos aprovados para produção de produtos repelentes, com eficiência comprovada contra mosquitos e carrapatos. Portanto, o objetivo desse estudo foi avaliar a ação repelente de emulsão de Icaridina aplicado em tecido de algodão sobre adultos de Llongipalpis. Para isso, o experimento contou com a participação de quatro voluntários (dois homens e duas mulheres), foi conduzido pelo método de comportamento do tipo arena (Arm in cage), sendo utilizado 15 exemplares fêmeas e 15 machos de L. longipalpis em cada exposição. As diferentes concentrações de Icaridina (5%, 10%, 25% e 5%) foram elaboradas mediante diluição em álcool 98% no Laboratório de Engenharia Têxtil da UFRN.  Os testes em cada voluntário foram realizados a partir da exposição do antebraço vestido com tecido de algodão sem Icaridina (grupo controle) e com aplicação das diferentes concentrações por exposição de três minutos aos insetos, com repetição dos testes diariamente em até 168 horas pós-aplicação do composto. Os resultados observados nesse estudorevelam que as médias de pousos diminuíram expressivamente para os testes com Icaridina. Foi possível observar nos ensaios que houve diferença expressiva nas médias de pousos em análises a partir do sexo do voluntário nas concentrações de 5% (homens= 20,63; mulheres= 6,19) e 10% (homens= 22,75; mulheres= 4,75). O Tempo de Proteção Total (TPT) de cada concentração aplicada no tecido variou em cada voluntário, a concentração de 5% obteve amplitude de tempo de eficiência variando entre uma e 24 horas. A concentração de 10% obteve um padrão de proteção de 48 horas em três voluntários (min.: 1h, max.: 48h). Na concentração de 25% o TPT foi diferente em todos os voluntários (min.: 48h, max.: 144h), 50% da emulsão da Icaridina apresentou TPT mínimo de 96 horas e o máximo de proteção de 168h. A média total de pousos nas 168 horas de testes diferiu significativamente (p<0,05) entre o controle e as concentrações de 5, 10 e 25%, onde a média de pouso para o controle foi de 55,78 e nas diferentes concentrações foi de 10,66; 8,41; 1,38; 0,13 para 5, 10, 25 e 50%, respectivamente. A Taxa de Repelência (%R) de 100% foi observada para todas as concentrações na primeira uma hora de teste. A posteriori, essa taxa de repelência foi mantida apenas nas concentrações de 25 e 50% até 48 e 96 horas pós impregnação, respectivamente. A %R acima de 90% (ED90) no período de 168 horas serviu para marcação de uma Concentração Efetiva Mínima (CEM), onde foi possível observar que 25% de Icaridina manteve %R > 90% durante as 168 horas (97,52%). Com esse estudo, foi possível definir que diferentes concentrações de Icaridina se mostraram eficientes como repelentevariando em relação ao TPT e %R. Além disso, a concentração de 25% foi a CEM, apresentando melhor eficiência nos ensaios apresentando resultados relevantes para repelência de L. longipalpis e podendo se tornar uma estratégia eficiente para o controle de picadas desse inseto vetor.


MEMBROS DA BANCA:
Externa ao Programa - 1453487 - KATIA CASTANHO SCORTECCI
Interna - 1452833 - MARIA CELESTE NUNES DE MELO
Presidente - 067.948.304-77 - TACIANO DE MOURA BARBOSA - UFRN
Notícia cadastrada em: 29/11/2019 16:23
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa16-producao.info.ufrn.br.sigaa16-producao