Banca de DEFESA: JOÃO CIRO FAGUNDES NETO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOÃO CIRO FAGUNDES NETO
DATA : 24/02/2017
HORA: 16:00
LOCAL: Anfiteatro das Aves
TÍTULO:

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE CHIKUNGUNYA EM HUMANOS E VETORES: PROPOSTA DE MODELO PARA O MUNICÍPIO DE NATAL-RN


PALAVRAS-CHAVES:

Chikungunya, Aedes sp e Vigilância epidemiológica


PÁGINAS: 60
RESUMO:

O vírus Chikungunya (CHIKV) foi primeiro isolado de soro humano durante um surto de doença febril na Tanzânia em 1953. O vírus é um membro da família Togaviridae, gênero Alphavirus. A doença causada por CHIKV, conhecida como febre chikungunya, é clinicamente caracterizada por febre, cefaléia, mialgia, exantema e artralgia - os sintomas mais pronunciados, que podem persistir por meses ou anos em alguns pacientes e às vezes evoluem para artropatia crônica incapacitante. O objetivo deste trabalho foi desenvolver um modelo de vigilância de chikungunya em humanos e vetores no município de Natal-RN. Foram estudados culicídeos e casos humanos com sinais e sintomas compatíveis com infecção por chikungunya, recebidos durante o período de fevereiro a julho de 2016, provenientes de busca ativa feita pela equipe de vigilância epidemiológica do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Natal. O RNA viral foi extraído utilizando o kit QIAamp Viral. A pesquisa dos Chikungunya foi realizada através da técnica de transcrição reversa seguida da reação em cadeia da polimerase em tempo real (Sistema TaqMan). Foram estudados 104 casos humanos. Um total de 57 (54,8%) casos foram positivos para Chikungunya. Nas amostras de vetores, um total de 816 fêmeas foram investigadas, sendo 421 (51,59%) Aedes aegypti, 312 (38,23%) Aedes albopictus, 56 (6,86%) Wyeomyia spp, 23 (2,81%) Culex quinquefasciatus, 3 (0,36%) Ochlerotatus scapularis e 1 (0,12%) Haemagogus leucocelaenus. Um total de 5 pools de Aedes aegypti foram positivos para Chikungunya, representando uma Taxa de Infecção Mínima (MIR) igual a 11,87. Dois pools de Aedes albopictus foram positivas para Chikungunya (MIR = 6,41). Foi possível detectar o vírus Chikungunya em 1 pool de Wyeomyia spp (MIR = 17,85). O CHIKV não foi identificado nos pools das espécies Ochlerotatus scapularis e Haemagogus leucocelaenus. O modelo de vigilância de chikungunya aqui proposto em humanos e vetores forneceu informações precisas ao Centro de Controle de Zoonoses de Natal-RN sobre os locais com maior circulação de arbovírus e presença de vetores. Essas informações permitiram direcionar ações locais de controle vetorial para o controle da epidemia de Chikungunya no Município de Natal.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - HECTOR GABRIEL ROMERO BRUNETTO - URep
Presidente - 1715230 - JOSELIO MARIA GALVAO DE ARAUJO
Externo ao Programa - 1046922 - LEONARDO CAPISTRANO FERREIRA
Interno - 1715271 - RENATA ANTONACI GAMA
Notícia cadastrada em: 22/02/2017 09:11
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao