Banca de QUALIFICAÇÃO: ÍTALO DIEGO REBOUÇAS DE ARAÚJO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ÍTALO DIEGO REBOUÇAS DE ARAÚJO
DATA : 17/12/2016
HORA: 10:30
LOCAL: Sala de aulas do Programa de Pós-graduação em Biologia Parasitária
TÍTULO:

ATIVIDADE ANTIMICROBIANA E CITOTÓXICA DE ÓLEO ESSENCIAL E EXTRATOS ORGÂNICOS PROVENIENTES DA Myracrodruon urundeuva (AROEIRA-DO-SERTÃO).


PALAVRAS-CHAVES:

α-pineno; plantas medicinais; concentração inibitória mínima; atividade bactericida; atividade citotóxica.


PÁGINAS: 127
RESUMO:

Atualmente, vêm intensificando-se os estudos na área de química medicinal com intuito de elucidar novos fitofármacos, seja através da obtenção de extratos, frações, compostos isolados ou óleos essenciais que apresentem algum tipo de atividade biológica. Neste contexto, destaca-se a aroeira-do-sertão (Myracrodruon urundeuva), da família Anacardiaceae, já estudada quanto ao potencial antimicrobiano, anti-inflamatório e cicatrizante. Motivados por novas alternativas terapêuticas, considerando a crescente resistência microbiana, esse estudo avaliou a atividade antimicrobiana de produtos naturais obtidos das folhas da referida planta. Dentre estes está um óleo essencial, que foi extraído por hidrodestilação, caracterizado por RMN e GC-MS, e avaliado quanto à citotoxicidade; além de extratos orgânicos, que foram apenas analisados quanto à atividade antimicrobiana: metanólico liofilizado, obtido por decocção; clorofórmico e acetato de etila, extraídos à temperatura ambiente com seus respectivos solventes e filtrados sob pressão reduzida. A atividade antibacteriana foi avaliada pela técnica da microdiluição em caldo, na qual as CIMs foram determinadas utilizando CTT (cloreto de 2,3,5-trifenil-tetrazolium) como revelador do crescimento bacteriano, e as CBMs por meio da análise do crescimento do conteúdo dos poços em ágar BHI. A citotoxicidade do óleo foi avaliada pelo método do MTT, brometo de 3-(4,5-dimetiltiazol-2-il)-2,5-difenil tetrazólio. O óleo, na caracterização química, dentre os terpenos identificados, apresentou como constituinte majoritário o α-pineno (87,85%). Além disso, tal óleo mostrou atividade antibacteriana frente a todas as cepas testadas, onde para algumas destas ocorreu equivalência entre os valores de CIM e CBM, que foram de 0,22mg/ml para Staphylococcus aureus, 0,44mg/ml para Salmonella Enteritidis e 7mg/ml para Pseudomonas aeruginosa. Já para Staphylococcus epidermidis a CIM foi 0,11mg/ml e a CBM 0,22mg/ml. Escherichia coli foi inibida com CIM de 0,88mg/ml e CBM de 1,75mg/ml. Equivalência entre CIM e CBM foi observada para extrato metanólico frente a S. epidermidis (9,75 mg/ml). Para S. aureus, a CIM deste extrato foi de 9,75 mg/ml e a CBM 78 mg/ml. Foram resistentes a tal extrato: E. coli, S. Enteritidis e P. aeruginosa. Os extratos clorofórmico e acetato de etila foram bacteriostáticos frente às cinco cepas, porém, o clorofórmico inibiu todas com CIM de 15 mg/ml, enquanto o acetato de etila apresentou CIMs de 7,56 mg/ml para S. aureus, 1,89 mg/ml para S. epidermidis, 15,12 mg/ml para S. Enteritidis e 30,25 mg/ml tanto para E. coli quanto para P. aeruginosa. Quanto à citotoxicidade, o óleo essencial comprometeu a viabilidade celular da linhagem Vero E6, apenas na maior concentração, 4,4 mg/mL, inibindo cerca de 93,91% em 24h e 94,26% em 48h. Nas células HeLa, em 24h o óleo nessa mesma dose, teve inibição de 21%, que após 48h aumentou para 44,3%, mostrando possível ação antitumoral. Para a linhagem de células não-tumorais HEK-293, o óleo não exerceu efeito tóxico sobre as mesmas. Conclui-se que os resultados são promissores, abrindo perspectivas futuras dos produtos das folhas de M. urundeuva serem farmacologicamente viáveis.

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1452833 - MARIA CELESTE NUNES DE MELO
Externo ao Programa - 1720860 - VANESSA DE PAULA SOARES RACHETTI
Presidente - 2121234 - VANIA SOUSA ANDRADE
Notícia cadastrada em: 02/12/2016 09:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa13-producao.info.ufrn.br.sigaa13-producao