Banca de QUALIFICAÇÃO: MAGDA MACHADO DE MIRANDA COSTA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MAGDA MACHADO DE MIRANDA COSTA
DATA: 28/03/2016
HORA: 09:30
LOCAL: Agencia Nacional de Vigilância Sanitária – Videoconferência para UFRN
TÍTULO:

Ciclo de Melhoria da Qualidade Nacional das Ações de Prevenção e Controle das Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde


PALAVRAS-CHAVES:

melhoria da qualidade;  ciclos de melhoria da qualidade ; infecções relacionadas à assistência a saúde ; hospitais


PÁGINAS: 95
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Saúde Coletiva
RESUMO:

Objetivo: As Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) são um grave problema de saúde em todo o mundo, mas pouco se sabe se a adoção de estratégias de Gestão da Qualidade (GQ) podem colaborar para a redução desses agravos quando implementadas de forma externa e em nível nacional. O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito de um ciclo de melhoria da qualidade nacional direcionado às ações de prevenção e controle de IRAS instituídas pelas Comissões de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) de hospitais brasileiros.

 

Metodologia: Este foi um estudo quase experimental do tipo antes e depois. Foi realizada uma avaliação nacional, em 2015, por meio de um formulário eletrônico estruturado que avaliou 11 critérios de qualidade com o objetivo de identificar as ações que eram instituídas pelas CCIHs para a prevenção e o controle das IRAS. A população de estudo foram hospitais de todo o Brasil que possuíam leitos de UTI adulto, pediátrica ou neonatal (N=1877 hospitais, segundo CNES 2012). Baseado nas informações coletadas foi proposta uma intervenção nacional para todas as CCIHs e Coordenações Estaduais de Controle de Infecção Hospitalar (CECIH) do país objetivando promover a melhoria dos principais problemas identificados na primeira avaliação. Em março de 2016, foi realizada uma reavaliação dos mesmos critérios de 2015 para avaliar o efeito da intervenção e as oportunidades de melhoria que permaneciam para a continuidade das atividades nacionais.

 

Resultados preliminares: A avaliação 1 teve 29,83% de resposta (n=563 hospitais) e revelou de forma positiva que mais de 90% dos hospitais possuía condições estruturais e insumos suficientes e de qualidade para a higiene das mãos dos profissionais de saúde, possuíam protocolo institucional implantado para a higiene das mãos e realizavam a notificação mensal das IRAS, baseando-se nos critérios diagnósticos nacionais publicados pela ANVISA.  E ainda apontou que os problemas que deveriam ser priorizados em ações nacionais e locais deveriam ser principalmente o monitoramento da adesão à higiene das mãos pelos profissionais de saúde; a implantação de protocolos institucionais para a prescrição orientada de antimicrobianos pelos profissionais de saúde e a promoção de estratégias para aumentar a participação dos pacientes/acompanhantes/ familiares das UTIs nas ações de prevenção e controle de IRAS.

 

Conclusões: A realização da avaliação nacional foi útil para identificar prioridades de atuação tanto no nível nacional como nos estados e no Distrito Federal por meio da instituição de um projeto de intervenção orientado por um processo avaliativo. Essa experiência demonstrou que apesar da expressiva resposta inicial de 563 hospitais é preciso estimular que mais hospitais participem da segunda avaliação e que o efeito da estratégia de GQ na qualidade da prevenção das IRAS só poderá ser mensurado após a realização da segunda avaliação.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MARIA CLARA PADOVEZE - USP
Interno - 1645299 - MARISE REIS DE FREITAS
Presidente - 1868020 - ZENEWTON ANDRE DA SILVA GAMA
Notícia cadastrada em: 17/03/2016 10:11
SIGAA | Superintendência de Informática - (84) 3215-3148 | Copyright © 2006-2017 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao