Banca de DEFESA: ERICK STEFANO SILVEIRA GUERRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ERICK STEFANO SILVEIRA GUERRA
DATA : 28/04/2017
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do CT
TÍTULO:

Estudo da adição do termoplástico poli(etileno-co-metil acrilato-co-glicidil metacrilato) à resina epóxi para uso em compósitos com auto-reparo


PALAVRAS-CHAVES:

auto-reparo, termoplástico-termofixo, DMA, FTIR, AFM.


PÁGINAS: 97
RESUMO:

O reparo de estruturas compósitas danificadas a fim de recuperar condições iniciais e atender requisitos regulatórios pode ser um grande desafio. Assim, materiais capazes de se auto-reparar quando danificados são de grande interesse. Em uma das abordagens de auto-reparo estudada na literatura, um material termoplástico é adicionado à matriz termofixa e o material danificado é capaz de parcialmente recuperar suas propriedades mecânicas depois de um ciclo de reparo. Essa técnica usa calor para reestabelecer parcialmente as propriedades mecânicas do material compósito. No presente estudo, a modificação de resina epóxi com a adição de poli(etileno-co-metil acrilato-co-glicidil metacrilato) (E-MA-GMA) foi avaliada. A influência do tipo de endurecedor (anidrido e amina) empregado nas propriedades do material também foi investigada. Análises dinâmico-mecânicas (DMA) foram realizadas para averiguar mudanças nas propriedades viscoelásticas devido a adição do termoplástico. Mudanças químicas nas misturas termoplástico-epóxi foram avaliadas por espectroscopia de infravermelho por transformada de Fourier (FTIR). Microscopia de força atômica (AFM) foi empregada para examinar o papel da adição de termoplástico na estrutura da rede do epóxi. A habilidade de reparo foi avaliada comparando áreas danificadas por uma indentação padrão na superfície das amostras antes e depois do ciclo de reparo para amostras com e sem a adição de E-MA-GMA. Os resultados sugerem a presença de uma segunda fase de E-MA-GMA após a cura, um aumento na temperatura de transição vítrea (Tg) para todas as misturas com termoplástico quando comparadas à epóxi pura, a presença de uma única Tg para misturas E-MA-GMA-epóxi curadas com anidrido e mudanças químicas e estruturais na rede epóxi devido à adição de E-MA-GMA. Além disso, o desaparecimento de danos causados por indentações em áreas do material modificado com o termoplástico depois do ciclo de aquecimento confirmam o potencial no uso de E-MA-GMA como agente de reparo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2042234 - ANA PAULA CYSNE BARBOSA
Externo ao Programa - 1064594 - EVANS PAIVA DA COSTA FERREIRA
Interno - 1202134 - JOSE DANIEL DINIZ MELO
Interno - 1755267 - MARIA CAROLINA BURGOS COSTA DO NASCIMENTO
Externo à Instituição - MARIA ODILA HILARIO CIOFFI - UNESP
Notícia cadastrada em: 18/04/2017 14:35
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa14-producao.info.ufrn.br.sigaa14-producao