Banca de QUALIFICAÇÃO: WESLLEY QUIRINO ALVES DA SILVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : WESLLEY QUIRINO ALVES DA SILVA
DATA : 28/01/2022
HORA: 09:00
LOCAL: DEFESA REMOTA - https://meet.google.com/ryu-aeob-odt
TÍTULO:

O PAPEL DA HEMODINÂMICA DO CÓRTEX PRÉ-FRONTAL, CONTROLE INIBITÓRIO E GORDURA CORPORAL NA TOLERÂNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO


PALAVRAS-CHAVES:

Cérebro, Cognição, Estilo de Vida Sedentário, Fadiga e Obesidade.


PÁGINAS: 25
RESUMO:

A inatividade física está associada a vários problemas físicos, psicológicos e cognitivos. Por exemplo, a inatividade física parece comprometer o controle inibitório, reduzir a tolerância ao exercício e facilitar o ganho de peso. No entanto, os mecanismos pelos quais a inatividade física pode impactar o funcionamento cognitivo e fisiológico do organismo permanecem obscuros. Uma hipótese é que longos períodos de inatividade física podem prejudicar a função do córtex pré-frontal (CPF), prejudicando a capacidade de inibir comportamentos padrão e, portanto, reduzir a tolerância ao exercício. Dois estudos foram conduzidos com os objetivos de (1) compreender a relação entre a hemodinâmica do CPF, controle inibitório e tolerância ao exercício em indivíduos sedentários com sobrepeso ou obesidade e, (2) verificar se o custo-benefício da função do CPF e o controle cognitivo inibitório podem mediar a relação entre a gordura corporal e a tolerância ao exercício. No estudo 1, nossos resultados indicam que o desempenho de resistência variou com a oxigenação CPF. Também descobrimos que o controle inibitório desempenhou um papel fundamental na mediação da relação entre a oxigenação CPF e o desempenho no exercício, sugerindo que a capacidade de inibir tem um impacto no comportamento do exercício. Argumentamos que os mecanismos psicofisiológicos subjacentes à relação entre a hemodinâmica cerebral e a tolerância ao exercício em indivíduos com sobrepeso ou obesos podem ser conduzidos, em parte, pelo controle inibitório. Enquanto no estudo 2, encontramos que uma melhor relação custo-benefício do CPF e controle inibitório podem contribuir para a regulação da tolerância ao exercício em indivíduos sedentários e com sobrepeso. Assim, esses estudos trazem uma compreensão adicional entre a interação corpo-mente-cérebro durante o exercício físico, e esse fato pode ser importante para compreender as contingências do comportamento sedentário e da intolerância ao exercício.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2231794 - EDUARDO BODNARIUC FONTES
Interno - 2682821 - EDUARDO CALDAS COSTA
Externo à Instituição - FLÁVIO DE OLIVEIRA PIRES - USP
Notícia cadastrada em: 17/12/2021 09:32
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao