Banca de DEFESA: ALICE RODRIGUES DE OLIVEIRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALICE RODRIGUES DE OLIVEIRA
DATA: 27/11/2015
HORA: 14:00
LOCAL: Pos-graduação em Ciências Farmacêuticas - Faculdade de Farmácia
TÍTULO:

Micropartículas Biodegradáveis Contendo Metotrexato Para Uso Parenteral


PALAVRAS-CHAVES:

Micropartículas, Metotrexato, Ácido Poli-(D,L-lático-co-glicólico), Spray drying, Liberação Prolongada


PÁGINAS: 151
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

O metotrexato (MTX) é um fármaco utilizado na quimioterapia de alguns tipos de câncer, doenças autoimunes e uveítes não inflamatórias. No entanto, sua rápida eliminação plasmática limita o sucesso terapêutico. Uma estratégia de minimizar as limitações clínicas apresentadas pelo MTX consiste do desenvolvimento de sistema de liberação de fármacos (SLFs) tais como as micropartículas. Diante disso, o objetivo desse trabalho foi desenvolver um sistema microparticulado biodegradável a base de Ácido Poli-(D,L-lático-co-glicólico) (PLGA) contendo diferentes proporções fármaco/polímero por “spray drying” para liberação prolongada do MTX. Após obtenção, as micropartículas foram esterilizadas por irradiação-gama e em seguida, foi realizada a caracterização físico-química por diferentes técnicas, as quais permitiram o envolvimento de diversas áreas do conhecimento caracterizando um trabalho multidisciplinar. Além da caracterização, o perfil e mecanismo de liberação in vitro foram avaliados, assim como a atividade biológica em diferentes linhagens celulares. Na sequência, foi escolhido o sistema contendo 27% de MTX para o estudo de liberação in vivo – farmacocinética e de biodegradação/histopatológico. Os resultados das caracterizações realizadas permitiram observar a obtenção de micropartículas com alto teor de fármaco incorporado e perfil de liberação in vitro prolongado. O método utilizado para esterilização não alterou significativamente a estrutura química, molecular e a atividade de liberação in vitro e biológica das diferentes micropartículas testadas. Os ensaios do estudo farmacocinético confirmaram o perfil de liberação prolongada das micropartículas in vivo à medida que aumentou seis vezes o período de detecção do MTX em amostra biológica quando comparado com o fármaco puro. As análises histopatológicas mostraram a biocompatibilidade das micropartículas após administração na tela subcutânea do dorso dos animais. Em adição, o sistema microparticulado apresentou melhores condições terapêuticas à medida que adotou maior tempo de permanência média e menor oscilação da concentração plasmática. Portanto, o sistema de liberação desenvolvido apresentou potencial para uso na área farmacêutica o que permite o delineamento de propostas futuras para testes de eficácia aliado ao regime terapêutico adequado.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1639820 - ARNOBIO ANTONIO DA SILVA JUNIOR
Externo à Instituição - DANILO CÉSAR GALINDO BEDOR - UFPE
Externo ao Programa - 4329168 - EDUARDO PEREIRA DE AZEVEDO
Interno - 2195251 - HUGO ALEXANDRE DE OLIVEIRA ROCHA
Externo ao Programa - 2203888 - MARCIA RODRIGUES PEREIRA
Notícia cadastrada em: 25/11/2015 08:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa27-producao.info.ufrn.br.sigaa27-producao