Banca de QUALIFICAÇÃO: MACIO ALVES DE MEDEIROS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: MACIO ALVES DE MEDEIROS

DATA: 07/05/2007

LOCAL: CCHLA

TÍTULO:

A perenidade dos contos de Perrault no cenário da Literatura brasileira.


PALAVRAS-CHAVES:

Perrault, Performance, Oralidade, Contos


PÁGINAS: 100

GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes

ÁREA: Letras

RESUMO:

O presente trabalho compreende versões comparativas de nove dos mais conhecidos contos de Perrault publicados em edições integrais, no Brasil, entre 1934 e 2005. Na análise comparativa prioriza-se a identificação de elementos relacionados à oralidade, dentre estes, aqueles relacionados, segundo Ong (1998) e Havelock (1996) a contextos de culturas anteriores ao florescimento da escrita e que, portanto, elaboravam suas próprias estruturas de pensamento e de expressão para interagir tanto na vida prática quanto na criação, transmissão e manutenção de costumes e tradições. Oriundos das narrativas primitivas, os contos de Perrault, traduzidos e/ou adaptados no Brasil, conservam em si o espírito da linguagem narrativa à qual o autor francês dedicou especial atenção ao transpor e recriar, na escrita, estratos narrativos da grande experiência humana nascida no meio popular e que, agora, integra também o espaço da escritura a cada nova versão produzida. As bagagens formulares, como os epítetos, as intervenções do narrador e a própria relação das significações do enredo com as estruturas do imaginário, sempre presentes na Humanidade, demonstram a aproximação entre oralidade e escrita. Com base nas discussões teóricas de Zumthor (1993, 1997, 2000), e pela interação do leitor com o texto, percebe-se que esses elementos relativos à oralidade possibilitam a manifestação de uma performance no espaço da escrita a partir das impressões sinestésicas que cada leitura provoca no leitor e receptor de um texto narrativo que reivindica, automaticamente, a construção de uma obra somente possível a cada momento de interação pelo processo estético da recepção. Mesmo no nível da escrita, cuja intensidade de presença é diminuída em função da ausência de um corpo físico que transmite, que se expande, que opera o texto literalmente pela voz e que alcança os ouvidos e os olhos do ouvinte, a performance gerada se interpõe entre o corpo do leitor que age sobre o texto e ao mesmo tempo recebe as sensações permitidas pela experiência estética. Assim, na experiência da leitura de Contos de Perrault é possível perceber os elementos que remetem ao formato do conto na tradição popular. Mesmo influenciado pela escrita, o leitor pode identificar, nesta obra, as possibilidades determinantes da dinâmica perene na transmissão de seus textos: trata-se do prazer conservado e vindo da prática de ouvir histórias contadas oralmente e do prazer vindo da prática da leitura silenciosa e solitária. Neste processo o leitor deve sair em busca dos sentidos perdidos os quais, aqui, são recuperados com o auxílio dos discursos literário, linguístico, folclórico, antropológico e psicanalítico sobre a superfície do texto narrativo maravilhoso. Ademais, na virtualidade e na emergência de uma performance, esses discursos colaboram para que o leitor recupere as vozes aprisionadas pela escrita.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1543253 - KATIA AILY FRANCO DE CAMARGO
Interno - 1199407 - MARCOS FALCHERO FALLEIROS
Presidente - 902.165.808-97 - MARIA DE LOURDES PATRINI CHARLON
Notícia cadastrada em: 08/09/2010 09:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa16-producao.info.ufrn.br.sigaa16-producao