Banca de QUALIFICAÇÃO: JEFFERSON EDUARDO DA PAZ BARBOSA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JEFFERSON EDUARDO DA PAZ BARBOSA
DATA : 19/01/2022
HORA: 14:30
LOCAL: UFRN (remoto)
TÍTULO:

O LABIRINTO COMO ESTRUTURA FICCIONAL:

Literatura e Crítica Literária em Carlos Lloró


PALAVRAS-CHAVES:

Labirinto. Literatura. Metáfora. Crítica. Teoria-ficção.


PÁGINAS: 100
RESUMO:

O labirinto e a literatura se relacionam de diversas maneiras, manifestando-se tanto na organização do texto, em seus variados graus de complicação (narrativa e intertextual), quanto no valor simbólico ou sentido filosófico profundo que pode dar vida à obra literária ou à prática da escrita, conforme a acepção do labirinto como ameaça e desafio à razão humana. A obra de Carlos Lloró é atravessada pelas possibilidades da relação entre o labirinto e a literatura, principalmente nos romances Kounboum (2009) e Cinis Cinerum (2012). Nessas obras, o labirinto funciona como uma estrutura literária aberta e como campo de experimentação e crítica, que são formalizados a partir de elementos metafóricos, metaficcionais e autoficcionais que apelam às competências do leitor. Estruturalmente, Lloró se inspira em procedimentos e modelos semióticos caracterizados pela densidade e complexidade da informação, como a enciclopédia, a biblioteca, o sonho e a arte combinatória, formas que nos remetem ao labirinto, conforme Umberto Eco (2013). Metaforicamente, o labirinto é o espaço da ilusão e do engano, por isso Lloró se utiliza literariamente de atmosferas oníricas e fantásticas, disseminando paradoxos ao longo de sua obra, em cenários compostos por corredores e escadarias. Da conjugação da narrativa, dos elementos composicionais estéticos e das ideias formalizadas literariamente, resulta, como afirmamos nesta tese, a crítica elaborada pelo autor, sendo o reflexo de suas estratégias textuais. Os aspectos estruturais e metafóricos que salientamos são a base dessa crítica. Por meio de uma estrutura labiríntica, em que o romance é a conjunção de várias vozes, composto por autores fictícios, Lloró distingue os autores “lendários” dos autores “decadentes”: os primeiros resultam de experiências psicológicas profundas; os segundos põem em movimento uma retórica hipertrofiada, fazendo da literatura nada mais que simulação (são autores associados à ficção pós-moderna). Em virtude das características ensaísticas inseridas nos romances, Lloró estabelece uma tensão entre os gêneros literários e a escrita, fazendo de seu texto uma espécie de ficção-crítica, ou teoria-ficção (ou, ainda, teoria fantástica da literatura).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1718581 - EDUARDO ANIBAL PELLEJERO
Interna - 3351552 - ROSANNE BEZERRA DE ARAUJO
Externo à Instituição - JONNEFER BARBOSA - PUC - SP
Notícia cadastrada em: 06/12/2021 09:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa28-producao.info.ufrn.br.sigaa28-producao