Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA CAROLINA MOURA MENDONÇA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA CAROLINA MOURA MENDONÇA
DATA : 17/12/2020
HORA: 08:30
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

ESTÉTICA DO ABSURDO: A FORMA REVOLUCIONÁRIA DO ROMANCE BRASILEIRO DA DÉCADA DE 70


PALAVRAS-CHAVES:

Romance fantástico. Romance surrealista. Carnavalização. Ditadura militar brasileira. Pilatos. Tambores Silenciosos. O dia em que Ernest Hemingway morreu crucificado.


PÁGINAS: 138
RESUMO:

Diante da inovação narrativa de obras marcadas pela fragilidade social e política do Brasil durante o período ditatorial, propomos o estudo de três romances da década de 1970 marcados, sobretudo, pela subversão da própria estrutura estética. Delimitamos nossa seleção a obras da década de 70 as quais apresentavam em sua constituição uma natureza fantástica e surrealista associada ao experimentalismo estético, a fim de que o estudo fosse norteado por uma discussão do engajamento formal desses textos literários, alcançando outros conceitos comuns às três obras selecionadas para este estudo: Pilatos (1974), de Carlos Heitor Cony; Tambores silenciosos (1977), de Josué Guimarães; e, por fim, O dia em que Ernest Hemingway morreu crucificado (1978), do autor mineiro Roberto Drummond. Os três romances apresentados trazem na estrutura um experimentalismo marcado pelo elemento sobrenatural que, de modo responsivo, manifesta o conteúdo engajado do texto literário. Mesmo em meio à tentativa de silenciar a literatura, muitas obras da década de 70, durante o ápice da violência ditatorial, denunciaram o regime por meio de sua estética singular. A adoção de uma estrutura insólita oriunda do romance fantástico já atua de maneira a subverter uma estética tradicional do romance – quando se reflete acerca da perspectiva realista em conformidade com Lukács - e, assim, favorecer uma homologia estrutural capaz de denunciar o autoritarismo absurdo do regime político ditatorial. Além disso, o próprio romance fantástico, em sua constituição hesitante, quando associado a outros procedimentos estéticos inovadores favorece a abertura de uma nova perspectiva estética baseada no non-sense, no total absurdo revelado pelo inconsciente na tentativa de se revelar uma verdade mais profunda, isto é, revolucionária. Essa nova constituição do romance, denominada de romance surrealista, caracteriza-se pela revolução da linguagem em sua conexão com o universo onírico. No método proposto para esse trabalho, a forma é o meio para o estabelecimento do conteúdo de uma obra de arte. Nesse sentido, pensamos na forma como característica estética sobre a qual se insere o conteúdo engajado e, dessa forma, tal engajamento social está inserido de modo singular na lógica composicional do romance. Diante disso, o método de análise dos textos literários prevê um diálogo constante entre essa estrutura composicional, que abarca a associação entre a configuração formal e o conteúdo, com o próprio contexto sócio-político da década de 70. Tal estudo, portanto, é elaborado conforme proposta da Crítica Integrativa de Antonio Candido (2011b), que visa o estudo dialético da obra com o contexto, sem, no entanto, priorizar o estudo sociológico, mas observar o modo como a narrativa promove uma redução estrutural desses elementos externos de modo a torná-los participantes da configuração estética constituinte do romance.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1513790 - ANDREY PEREIRA DE OLIVEIRA
Externa à Instituição - ANA CRISTINA PINTO BEZERRA - IFRN
Externa à Instituição - LANAIZA DO NASCIMENTO SILVA ARAUJO - IFRN
Notícia cadastrada em: 09/12/2020 09:53
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao