Banca de DEFESA: ADENILTON DA SILVA ROCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ADENILTON DA SILVA ROCHA
DATA : 30/07/2020
HORA: 15:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

IMAGENS DA ESCOLA, DA DISCIPLINA LÍNGUA PORTUGUESA, DO PROFESSOR E DO ALUNO CONSTRUÍDAS EM PLANOS DE CURSO DOS ANOS FINAIS, ORIUNDOS DE ESCOLAS MUNICIPAIS SITUADAS NO EXTREMO SUL DA BAHIA


PALAVRAS-CHAVES:

Ensino de Língua Portuguesa. Escola. Formações imaginárias. Plano de curso da disciplina Língua Portuguesa.


PÁGINAS: 170
RESUMO:

Nesta pesquisa, definiu-se como objetivo analisar as imagens que são construídas da escola, da disciplina Língua Portuguesa, do professor e do aluno no discurso sobre o ensino de Língua Portuguesa, materializadas em planos de curso (documento escolar) da disciplina Língua Portuguesa, ofertada no Ensino Fundamental (anos finais). Para tanto, buscou-se (a) verificar os elementos linguístico-textuais, os sujeitos a quem são dirigidos os objetivos educacionais, as práticas de linguagem que são recorrentes na estrutura composicional dos planos de curso; (b) examinar se os aspectos locais – onde as escolas estão situadas – são referenciados na tessitura do texto; (c) observar as posições discursivas atribuídas aos objetos de ensino, à escola, ao professor e ao aluno; e (d) averiguar os discursos que atravessam os planos de curso. O corpus foi composto por três planos de curso, selecionados em três escolas da rede municipal de ensino, situadas no Território de Identidade Extremo Sul da Bahia. A pesquisa fundamenta-se na Análise do Discurso de vertente francesa. Valeu-se, ainda, dos estudos de Geraldi (2005), Pietri (2003), Soares (2002), Apple (1982), Fernandes (2007) e Libâneo (1992) referentes ao ensino de Língua Portuguesa e ao currículo escolar. Como metodologia, adotou-se o método “paradigma indiciário” – proposto por Ginzburg (1989). Os resultados das análises indicaram a proeminência das seguintes imagens nos planos de curso: 1) de que a escola é o lugar de excelência para a transformação social do aluno, de conservar a variedade padrão e do controle da prática docente e do desempenho do aluno; 2) de que a disciplina Língua Portuguesa é o lugar de aprender a ler e a escrever a partir do ensino gramatical, de ensinar e valorizar a variedade padrão e de avaliar o comportamento do aluno; 3) de que o professor é o “guardião” da variedade padrão, é o responsável pelo desempenho do aluno e o fiscal da conduta do aluno; 4) de que o aluno é indisciplinado, não tem domínio da leitura e da escrita, deve obedecer o comando do professor e dominar a variedade padrão para ascender socialmente.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ADRIANA SANTOS BATISTA - UFBA
Presidente - 1673309 - SULEMI FABIANO CAMPOS
Externo à Instituição - THOMAS MASSAO FAIRCHILD - UFPA
Notícia cadastrada em: 28/07/2020 11:13
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao