Banca de DEFESA: ALANA PATRICIA MATIAS RODRIGUES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALANA PATRICIA MATIAS RODRIGUES
DATA : 29/07/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

 

 


PONTO DE VISTA E RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA EM TERMO DE DEPOIMENTO REFERENTE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER: UMA ANÁLISE TEXTUAL DISCURSIVA


PALAVRAS-CHAVES:

 

 

 

Análise Textual dos Discursos. Responsabilidade Enunciativa. Ponto de vista. Plano de Texto. Termo de Depoimento.


PÁGINAS: 115
RESUMO:

Os estudos linguísticos na interface Linguagem e Direito estão cada vez mais ganhando força, os gêneros discursivos textuais da esfera jurídica são terrenos férteis para análise textual discursiva, desvelando estratégias e elementos linguísticos relevantes. Nessa perspectiva, esta dissertação tem como objetivos identificar, descrever, analisar e interpretar o fenômeno do ponto de vista e da responsabilidade enunciativa (RE) em Termos de Depoimento de violência contra a mulher, gênero discursivo textual do domínio jurídico. Para isso, selecionamos seis Termos de Depoimento de crimes cometidos em Natal que datam de 2014 a 2017. No viés metodológico, seguimos uma abordagem qualitativa de natureza interpretativista, com o método indutivo de análise. Como aporte teórico, este estudo centra-se na Análise Textual dos Discursos (ATD), que tem sua origem no âmbito da Linguística Textual (LT) e da Linguística Enunciativa (LE).  Em consonância com Adam (2011), consideramos o texto em sua relação indissociável com o co(n)texto, com o discurso e com os diversos gêneros discursivos textuais. O trabalho fundamenta-se nos estudos sobre o Ponto de vista (PDV), conforme Rabatel (1997, 2004, 2005, 2008, 2008a, 2009, 2015, 2016), tendo em vista a relevância para os estudos da responsabilidade enunciativa; e nos postulados de Guentchéva (1994, 1996, 2011, 2014) sobre as manifestações da categoria do Mediativo (MED). Nesse contexto, seguimos, ainda, estudos de autores da Linguística Textual, entre eles, Rodrigues, Passeggi e Silva Neto (2014), assim como Lourenço (2013), Gomes (2014), Cabral (2014, 2016), Medeiros e Rodrigues (2018) e Rodrigues (2017, 2018).  A partir das análises, averiguamos, no que concerne à estrutura composicional, que o plano de texto é ocasional, pois nem todos os Termos de Depoimentos possuíam as partes fixas recorrentes. Foi possível identificar e interpretar a presença dos pontos de vista narrado e representado, por meio da identificação e interpretação do ponto de vista do locutor-testemunha e dos enunciadores-segundos. Para tanto, consideramos os recursos linguístico-textuais, como marcas de responsabilidade enunciativa, em consonância com Adam (2011), ou seja, ancoramo-nos em marcas linguísticas de dêiticos espaciais e temporais, diferentes tipos de representação da fala, indicações de quadros mediadores e indicações de um suporte de percepções e de pensamentos relatados, os quais apontavam ora para uma assunção da Responsabilidade Enunciativa e ora para uma quase Responsabilidade Enunciativa. À medida que as testemunhas presenciavam a cena da agressão, observamos que elas se responsabilizavam e assumiam a responsabilidade enunciativa, quando não viam o fato, imputavam à vítima a responsabilidade pelo conteúdo proposicional do dito. Portanto, os resultados desta pesquisa fornecem uma compreensão mais ampla dos elementos textuais, discursivos e enunciativos em Termos de Depoimento, contribuindo para as análises linguísticas, uma vez que sua compreensão efetiva auxilia na produção e compreensão desse gênero.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 349685 - MARIA DAS GRACAS SOARES RODRIGUES
Externo ao Programa - 3456619 - ANDERSON SOUZA DA SILVA LANZILLO
Externa ao Programa - 3351562 - CELIA MARIA DE MEDEIROS
Externa à Instituição - EMILIANA SOUZA SOARES - IFRN
Notícia cadastrada em: 08/07/2020 09:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01-producao.info.ufrn.br.sigaa01-producao