Banca de QUALIFICAÇÃO: MARIA DAS VITÓRIAS DOS SANTOS MEDEIROS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA DAS VITÓRIAS DOS SANTOS MEDEIROS
DATA : 11/09/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório 1 do DECOM
TÍTULO:

 A RESPONSABILIDADE ENUNCIATIVA NO GÊNERO DEFESA DO IMPEACHMENT DA EX-PRESIDENTA DILMA VANNA ROUSSEFF


PALAVRAS-CHAVES:

 Análise textual dos discursos. Defesa. Ponto de vista.

Responsabilidade enunciativa. Argumentação. Mediatividade e Evidencialidade.


PÁGINAS: 100
RESUMO:

Os domínios discursivos jurídico e o político apresentam uma variedade de gêneros discursivos textuais. Além disso, há nesse universo, gêneros que estão inseridos tanto no domínio jurídico como no político. É o caso do nosso objeto de análise: defesa de impeachment da ex-presidenta Dilma Vanna Rousseff, ocorrido em 2016. Para realizar a pesquisa, propusemos como objetivo geral analisar o Ponto de Vista (PDV), a Responsabilidade Enunciativa (RE) e a Argumentação nas seções “Das considerações iniciais” e “Do Mérito” da defesa a respeito da Denúncia por Crime de Responsabilidade nº 1, de 2015. Estabelecemos como objetivos específicos: i) identificar as marcas linguísticas que contribuem para a construção do Ponto de Vista (PDV); ii) identificar a materialização da (não) assunção da responsabilidade enunciativa; iii) reconhecer os organizadores e marcadores argumentativos que contribuem para a construção do PDV do autor; iv) descrever as estratégias linguísticas que direcionam para a (não) assunção da responsabilidade enunciativa individual ou coletiva; v) analisar e interpretar as marcas e estratégias linguísticas que proporcionam o reconhecimento do PDV e a (não) assunção da Responsabilidade Enunciativa, relacionando-as às emoções. A escolha desse gênero se justifica por ser significativo socialmente, já que trata de um caso que envolve o país e tem grandes influências, além de apresentar características que são pertinentes na nossa abordagem teórica. Optamos pela análise das seções “Das considerações iniciais” e “Do Mérito”, porque estão entre as seções de uma defesa que favorecem a convocação de diferentes vozes, muitas vezes, instaurando o uso da argumentação discursiva. A pesquisa seguiu uma metodologia qualitativa, de caráter interpretativista e tipo documental e social. Nossa ancoragem teórica está embasada nos estudos de Adam (2011, 2018, 2018a), o qual objetiva estudar a produção (con)textual de sentidos em textos concretos. Nessa direção, entre os níveis propostos, focalizaremos a responsabilidade enunciativa e a orientação argumentativa. Dialogando com essa abordagem, trazemos os estudos de Rabatel (2008, 2009, 2015, 2016, 2017), que teoriza acerca do PDV em uma abordagem enunciativa e discursiva. Igualmente, acompanhamos Guentchevá (1994, 2011, 2014) para tratarmos da mediatividade e da evidencialidade. A análise dos dados aponta para a construção de um PDV intimamente ligado à responsabilidade enunciativa, dialogando também com a representação discursiva. Por fim, trabalhamos a argumentação e observamos que foi usada a serviço da construção do PDV do L1/E1, tendo em decorrência, orientado a responsabilidade enunciativa.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 349707 - LUIS ALVARO SGADARI PASSEGGI
Presidente - 349685 - MARIA DAS GRACAS SOARES RODRIGUES
Externa à Instituição - MARIA DAS VITORIAS NUNES SILVA LOURENCO - SEEC
Interna - 348014 - MARISE ADRIANA MAMEDE GALVAO
Externa à Instituição - ROSALICE BOTELHO WAKIM SOUZA PINTO - NOVA
Notícia cadastrada em: 30/08/2019 08:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao