Banca de DEFESA: ALBANIZA ALVES DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALBANIZA ALVES DOS SANTOS
DATA : 24/07/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório 3, Prédio do Ágora
TÍTULO:

GRANDE SERTÃO: VEREDAS Y CARTILHA DO SILÊNCIO:  LA REALIDAD SE RECOMPONE POR LA TRAVESÍA DE LA MEMORIA


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Erotismo. Rememoração. Rosa e Dantas. Tradição regional.


PÁGINAS: 210
RESUMO:

RESUMO

 

Esta pesquisa ocupa-se da investigação das redes intertextuais entre as obras Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, publicada em 1956, e Cartilha do Silêncio, de Francisco José Costa Dantas, de 1997. Buscamos o fazer da escritura através de suas semelhanças e diferenças, no que tange às categorias analíticas da rememoração associada à figuração da tradição literária constituída, da alegoria da circularidade e do erótico, como elementos de composição dos romances. A partir da noção de intertextualidade (CARVALHAL, 2003) e dialogismo (BAKHTIN, 1997), fundamentos da literatura comparada, compreendemos que a menção de um escritor a outro sugere, nesse contexto, tanto a continuidade da tradição quanto a sua problematização ou reinvenção, o que, segundo Antonio Candido (2000), ajuda a constituir o “sistema literário” brasileiro. Nessa direção, a obra de Francisco Dantas integra esse sistema, dando continuidade à tradição literária regionalista, e, em particular, à ficção de Rosa, nos quadros da literatura brasileira contemporânea. Para a discussão acerca da memória, adotamos os estudos de Ecléa Bosi (1994), Le Goff (1996) e Paul Ricouer (2007). Nas reflexões sobre o movimento circular das obras, elegemos a sistematização teórica de Walter Benjamin (1984) e Kothe (1986), no que se refere à noção de alegoria. Sob essa perspectiva, foi possível perceber que a memória faz a (re)construção da narrativa do Sertão e da Cartilha como expressão da fragmentação, instigando o movimento descontínuo. As obras investigadas se inscrevem sob o princípio da não imobilidade, da alegoria da circularidade em torno do que vivem suas personagens, de uma memória que escapa ao encadeamento lógico da matéria recordada, porque feita de “retalhos” e esquecimento, de desejos sentidos e silenciados, de um tempo conjugado a outros tempos, do ir adiante e do recuo imediato. Para a discussão do erótico, o pensamento de Georges Bataille (2004) e o de Octavio Paz (1994) nos serviram de aporte teórico. A partir deles procuramos analisar as vontades intensas e não permissivas, face às “imposições sobre as quais repousa o mundo da razão” (BATAILLE, 2004). Em suas singularidades, Rosa e Dantas trazem à expressão de seus romances o signo das contradições da existência, entre a aparência e o que se oculta nela, entre a vontade e os interditos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1746024 - EDNA MARIA RANGEL DE SA
Externo ao Programa - 1055142 - FRANCISCO FABIO VIEIRA MARCOLINO
Interno - 1675070 - JOSE LUIZ FERREIRA
Externo à Instituição - MARIA APARECIDA DA COSTA - UERN
Externo à Instituição - MARÍLIA GONÇALVES BORGES SILVEIRA - IFRN
Notícia cadastrada em: 24/07/2018 08:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa26-producao.info.ufrn.br.sigaa26-producao