Banca de QUALIFICAÇÃO: ARISBERTO GOMES DE SOUZA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ARISBERTO GOMES DE SOUZA
DATA : 22/03/2018
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório A -CCHLA
TÍTULO:

PRÁTICAS DE ESCRITA DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO EM CONTEXTOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: SUBSÍDIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE PROJETOS DE LETRAMENTO


PALAVRAS-CHAVES:

Letramentos. Práticas de escrita. Projetos de letramento.


PÁGINAS: 238
RESUMO:

 O objetivo principal deste trabalho foi compreender as práticas de escrita (dentro e fora da escola) de alunos-sujetos de turmas do ensino médio e refletir sobre como essas práticas podem revelar-se relevantes para o desenvolvimento de ações de aprendizagem implementadas em projetos de letramento. Nossas motivações, ao desenvolver essa pesquisa, passam pela necessidade de contribuir com reflexões que atendam de maneira relevante a propósitos didático-pedagógicos engajados aos estudos do letramento. A nossa crença é que a escola pode se tornar mais eficiente do ponto de vista do desenvolvimento da competência linguístico-discursiva do aluno e da ampliação da sua participação no meio social, caso se aproprie da dinâmica típica das práticas efetivas de uso da escrita dos diferentes domínios sociais. No marco teórico da pesquisa, nossas considerações dão conta de explicitar noções e conceitos cujos sentidos estão conectados: letramentos, domínios sociais, eventos e práticas de letramento, gênero textual, agentes e agência de letramento, pedagogia crítica, projetos de letramento, comunidades de aprendizagem. Metodologicamente, nossas contribuições se inscrevem no campo da Linguística Aplicada, acompanham o paradigma qualitativo de pesquisa e se amparam na abordagem etnográfica crítica. As nossas análises configuram-se da seguinte forma: primeiro, empreendermos uma discussão ampla acerca das práticas de escrita do dia a dia escolar. Após isso, interessou-nos investigar as práticas de escrita essencialmente enraizadas na experiência cotidiana, os vários usos da escrita fora da escola. Por fim, nossos olhares se voltaram para a implementação de um amplo entrelaçamento das realidades constatadas. Confrontamos os indicadores das práticas de escrita vivenciadas dentro e fora da escola para refletirmos sobre como essa complexidade, revelada pela multiplicidade de práticas existentes, pode contribuir no sentido de transformar o pensar e o fazer na escola via projetos de letramento. Assim, nossos achados mostram como as práticas de escrita presentes no meio social externo à escola são variadas e repletas das singularidades dos contextos aos quais estão atreladas. Já na escola, que também é um dos muitos ambientes sociais, os usos da escrita tendem a ser mais limitados porque as práticas de escrita parecem não respeitar a natureza social dos gêneros. Esses resultados subsidiaram, portanto, a construção uma reflexão que abarca uma série de princípios, parâmetros que podem estar a serviço de projetos de letramento comprometidos com um ensino-aprendizagem voltado aos usos de práticas de escrita apoiadas em contextos sociais atuais. As práticas de escrita dos nossos alunos que ocorrem no espaço escolar e fora dele podem ser uma importante fonte de inspiração para os direcionamentos e redirecionamentos das práticas didático-pedagógicas apoiadas por projetos de letramento.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 332207 - MARIA DO SOCORRO OLIVEIRA
Externo ao Programa - 2319774 - VANIA APARECIDA COSTA
Externo à Instituição - IVONEIDE BEZERRA DE ARAÚJO SANTOS MARQUES - IFRN
Notícia cadastrada em: 02/03/2018 14:09
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa21-producao.info.ufrn.br.sigaa21-producao