Banca de DEFESA: MARAISA DAMIANA SOARES ALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARAISA DAMIANA SOARES ALVES
DATA : 31/01/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório C do CCHLA
TÍTULO:

A ALTERNÂNCIA ENTRE O PRETÉRITO PERFECTO SIMPLE (PPS) E O PRETÉRITO PERFECTO COMPUESTO (PPC) EM MONTERREY E CIUDAD DE MÉXICO: UMA ANÁLISE SOCIOLINGUÍSTICA


PALAVRAS-CHAVES:

Sociolinguística; variação; pretérito perfecto simple; pretérito perfecto compuesto; PRESEEA; Monterrey; Ciudad de México; 


PÁGINAS: 100
RESUMO:

As múltiplas formas de dizer a mesma coisa estão presentes nas diferentes línguas e é uma atribuição da Sociolinguística conceber essa característica inerente ao sistema linguístico.  Tomando em consideração essa realidade, os estudos da Variação e da Mudança Linguística refletem a heterogeneidade da língua que subjaz os fatores condicionantes sociais percebidos nas diferentes variedades de uma língua (cf. WEINREICH; LABOV; HERZOG, 2006 [1968]).   Neste estudo, interessa-nos investigar essas diversas formas de falar que, a partir de suas delimitações próprias,  moldam as comunidades linguísticas estabelecendo suas normas. Com base nesses preceitos, esta pesquisa, de natureza quantitativa e qualitativa, tem como objetivo geral descrever e analisar a variável dependente forma pretérita perfeita do espanhol, através das variantes pretérito perfecto compuesto (doravante PPC) e o pretérito perfecto simple (doravante PPS) com o intuito de identificar a alternância entre essas formas em dois dialetos do México, na cidade de Monterrey e na Ciudad de México. Para tanto, foram selecionadas 36 entrevistas sociolinguísticas, sendo 18 de cada cidade, a partir do corpus linguístico PRESEEA – Proyecto para el estudio sociolinguístico del español de España y de América. Para o alcance desse fim, partimos da conceptualização das formas pretéritas, assim como da possível diferenciação tempo-aspectual que possa existir entre o PPC e PPS, conforme apontam Cartagena (1999), Lope Blanch (1992), Moreno de Alba (2002). Em seguida, foram considerados os fatores condicionantes tanto linguísticos quanto extralinguísticos. Como fatores linguísticos, tivemos: a) a presença e/ou ausência de advérbios que indicam anterioridade ao ponto zero da enunciação; b) a presença e/ou ausência de advérbios que indicam simultaneidade ao momento da enunciação; os condicionantes extralinguísticos constituem: c) idade; d) escolaridade; e) localidade e f) sexo. Os resultados obtidos na análise das 3644 ocorrências das formas pretéritas (em que 3174 foram eventos marcados com o PPS, enquanto 470 com o PPC)  apontaram para uma predominância do PPS, inclusive com a presença do ADVs que estabelece vínculo atual do falante ao momento enunciativo, revelando uma variação da forma ADVs+ PPC substituída pela forma ADVs + PPS; assim, a temporalidade relacionada ao ponto zero da enunciação, que deveria remeter à forma prototípica PPC, foi expressa pelo emprego do PPS, demonstrando como a variação está em evidência nas entrevistas examinadas. Ademais, os dados apontaram para a necessidade de um futuro estudo classificativo das formas sob a ótica léxico-semântica, com o propósito de definir se a variação que ocorre no México é ocasionada pela temporalidade estabelecida nos contextos enunciativos ou pela aspectualidade verbal expressa pelos eventos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1551756 - EDVALDO BALDUINO BISPO
Externo à Instituição - CARLOS FELIPE DA CONCEIÇÃO PINTO - UFBA
Externo à Instituição - TATIANA MARANHÃO DE CASTEDO - IFPB
Notícia cadastrada em: 22/01/2018 15:49
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa07-producao.info.ufrn.br.sigaa07-producao